Representações sociais de mulheres idosas participantes de uma intervenção educacional em envelhecimento ativo

Helio Marconi Gerth, Paulo Renato Canineu

Resumo


Introdução: Muitas estratégias têm sido usadas como forma de promover a saúde do idoso. Acredita-se que a informação é a principal ferramenta para conseguir tais objetivos. Dessa forma, utilizou-se como base a publicação “Envelhecimento ativo: uma política de saúde”. Objetivo: Identificar as representações sociais de um grupo de mulheres idosas submetidas a uma intervenção educacional sobre envelhecimento ativo, verificando a reação dessas mulheres frente à metodologia aplicada. Métodos: A intervenção educacional foi realizada em seis encontros, realizados duas vezes por semana, com duração de uma hora cada e teve como teoria pedagógica a educação popular. O grupo estudado contou com a participação de 10 mulheres idosas, com idades entre 60 e 80 anos, frequentadoras de um programa de exercícios físicos oferecidos gratuitamente pela prefeitura de Sorocaba, São Paulo. Os dados foram coletados por meio de entrevista individual semiestruturada aplicada às participantes da pesquisa. Por se tratar de uma pesquisa transversal, exploratória e de perfil qualitativo, os dados foram organizados e analisados de acordo com o referencial teórico do discurso do sujeito coletivo, fundamentado na teoria das representações sociais e análise de conteúdo. Resultados: A metodologia utilizada foi muito bem aceita pelas participantes, que reagiram positivamente, acreditando que aprenderam coisas novas sobre os temas abordados. O conhecimento foi construído por meio de troca de ideias e experiências. O método favorece a união, fortalece as amizades, estimula a prática de exercícios físicos e a adoção de hábitos saudáveis. Conclusão: A metodologia mostrou-se adequada para o público estudado. As participantes gostaram muito e recomendam que outras pessoas também participem desse programa.

Palavras-chave


envelhecimento; saúde do idoso; educação em saúde; pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2011 [acesso em 13 out. 2014]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

Ferreira OGL, Maciel SC, Silva AO, Santos WS, Moreira MASP. O envelhecimento ativo sob o olhar de idosos funcionalmente independentes. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(4):1065-9.

Ferreira OGL, Maciel SC, Costa SMG, Silva AO, Moreira MASP. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Context Enferm. 2012;21(3):513-8.

World Health Organization (WHO). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasilia: -WHO; 2005.

Teixeira INDAO, Neri AL. Envelhecimento bem-sucedido: uma meta no curso da vida. Psicol USP. 1999;19(1):81-94.

Assis M. Envelhecimento ativo e promoção da saúde: reflexão para as ações educativas com idosos. Rev APS. 2005;8(1):15-24.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Caderno de educação popular em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Gordilho A, Sérgio J, Silvestre J, Ramos LR, Freire MPA, Espindola N, et al. Desafios a serem enfrentados no terceiro milênio pelo setor saúde na atenção integral ao idoso. Rio de Janeiro: UnATI; 2000.

Arruda A. Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cad Pesqui. 2002;117:127-47.

Duarte SJH, Mamede MV, Andrade SMO. Opções teórico-metodológicas em pesquisas qualitativas: representações sociais e discurso do sujeito coletivo. Saúde Soc. 2009;18(4):620-6.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes; 2003.

Jodelet D. Representações sociais: um domínio em expansão. Rio de Janeiro: EDUERJ; 2002.

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(3):621-6.

Léo CCC, Gonçalves A. Modalidades metodológicas em pesquisa científica, a partir de recortes da experiência de saúde coletiva, epidemiologia e atividade física da UNICAMP. Rev Educ Fís UEM. 2010;21(3):411-41.

Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saude: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev Saúde Pública. 2005;39(3):507-14.

Assis M. Promoção da saúde e envelhecimento: avaliação de uma experiência no ambulatório do Núcleo de Atenção ao Idoso da UnATI/UERJ. Tese (doutorado em Saúde Pública) – FIOCRUZ/Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2004.

Chagas AM, Rocha AGV. A pedagogia de Paulo Freire e seus horizontes indicativos para uma dialogicidade igualitária e personalista. Griot Rev Filos. 2014;9(1):99-115.

Manzini E. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: II Seminário Internacional sobre Pesquisa e Estudos Qualitativos SIPEQ. Bauru: USC; 2004. p. 10.

Lefevre F, Lefevre, AMC, Marques, MCC. Discurso do sujeito coletivo, complexidade e auto-organização. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(4):1193-204.

Lefevre F, Lefevre AMC. O sujeito coletivo que fala. Interface Comun Saúde Educ. 2006;10(20):517-24.

Lefevre AMC, Crestana MF, Cornetta VK. A utilização da metododologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativa dos cursos de especialização “Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos em Saúde-CADRHU”, São Paulo - 2002. Saúde Soc. 2003;12(2):68-75.

Caregnato RCA, Mutti R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Context Enferm. 2006;15(4):679-84.

Campos CJG. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev Bras Enferm. 2004;57(5):611-4.

American College of Sports Medicine, Chodzko-Zajko WJ, Proctor DN, Fiatarone Singh MA, Minson CT, Nigg CR, et al. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and physical activity for older adults. Med Sci Sport Exerc. 2009;41(7):1510-30.

Colberg SR, Albright AL, Blissmer BJ, Braun B, Chasan-Taber L, Fernhall B, et al. Exercise and type 2 diabetes: American College of Sports Medicine and the American Diabetes Association: joint position statement. Exercise and type 2 diabetes. Med Sci Sports Exerc. 2010;42(12):2282-303.

Pescatello LS, Franklin BA, Fagard R, Farquhar WB, Kelley GA, Ray CA. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and hypertension. Med Sci Sport Exerc. 2004;36(3):533-53.

Tavares KO, Scalco JC, Vieira L, Silva JR, Bastos CCCB. Envelhecer, adoecer e tornar-se dependente: a visão do idoso. Rev Kairós Gerontol. 2012;15(2):105-18.

Ribeiro PCC, Neri AL, Cupertino APFB, Yassuda MS. Variabilidade no envelhecimento ativo segundo gênero, idade e saúde. Psicol Estud. 2009;14(3):501-9.

Silva CS, Silva AMF, Borges TM, Navarro F, Carneiro Júnior J. Efeitos da atividade física na capacidade psico-social e funcional do idoso. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. 2013;7(39):287-92.

Araújo LF, Coutinho MPL, Carvalho VAML. Representações sociais da velhice entre idosos que participam de grupos de convivência. Psicol Ciênc Prof. 2005;25(1):118-31.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201624682

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.