Suicídio consumado na cidade de Sorocaba-SP: um estudo epidemiológico

Melissa Nobrega Vasques de Freitas, Maria Cristina Nunez Seiwald, Rodrigo Añez Parada, Carlos von Krakauer Hubner

Resumo


Introdução: o suicídio constitui uma importante questão de saúde pública mundial, configura-se como uma entre as dez causas mais frequentes de morte em todas as idades. Objetivo: realizar análise epidemiológica dos índices de suicídio registrados entre 2000 e 2009 na cidade de Sorocaba-SP, comparando com a situação epidemiológica nacional. Métodos: foi realizada análise descritiva dos dados de suicídio em Sorocaba-SP referentes ao período de 2000 a 2009 coletados na Vigilância de Violência e Acidentes (VIVA) e Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba-SP. Resultados: foi registrado total de 229 casos de suicídio entre 2000 e 2009, o índice total de suicídio sofreu aumento de 3,8% no ano de 2005 em comparação aos anos anteriores e manteve-se constante nos anos posteriores. Os índices médios mais altos foram registrados nos anos de 2005 e 2007. Os homens são os mais prováveis a cometer suicídio. Os índices mais altos de suicídio foram registrados na faixa etária de 35 a 44 anos. A principal característica sociodemográfica dos suicidas durante o período estudado foi estado civil solteiro. Os métodos mais comuns de suicídio foram enforcamento e armas de fogo. Conclusão: a taxa de suicídio em Sorocaba-SP, embora baixa, é consistente com a tendência nacional e internacional de crescimento. Os membros da população mais jovem estão se matando com uma frequência cada vez maior, embora as taxas mais elevadas continuem a ser  entre a faixa etária dos 35 - 44 anos.


Palavras-chave


suicídio; epidemiologia; estatística; distribuição por idade e sexo

Texto completo:

PDF

Referências


Keller M, Guevara BS. Flexibilidade na resolução de problemas em tentadores de suicídio. J Bras Psiquiatr. 2005;54(2):128-36.

Sánchez R, Orejana S, Gúzman I. Características de los suicidas en Bogotá: 1985-2000. Rev Salud Pública. 2004;6(3):217-34.

Botega NJ, Barros MBA, Oliveira HB, Dalgalarrondo P, Marín-León L. Comportamento suicida na comunidade: prevalência e fatores associados à ideação suicida. Rev Bras Psiquiatr. 2005;27(1):45-53.

Mello MF. O suicídio e suas relações com a psicopatologia: análise qualitativa de seis casos de suicídio raciona. Rev. Saúde Pública. 2000;16(1):163-70.

Mello-Santos C, Bertolote JM, Wang PY. Epidemiologia do suicídio no Brasil (1980-2000). Rev Bras Psiquiatr. 2005;27(2):131-4.

Klerman GL, Weissman MM. Increasing rates of depresssion. JAMA. 1989; 261:2229-35.

Lovisi GM, Santos AS, Legay L, Abelha L, Valencia E. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Rev Bras Psiquiatr. 2009;31(suppl 2):S86-93.

Stefanello S, Cais CFS, Mauro MLF, Freitas GVS, Botega NJ. Diferenças entre os sexos nas tentativas de suicídio: resultados iniciais do estudo multicêntrico de intervenção no comportamento suicida (SUPRE-MISS) obtidos em Campinas, Brasil. Rev. Bras. Psiquiatr. 2008;30(2):139-43.

Ajdacic -Gross V, Weiss MG, Ring M, Hepp U, Bopp M, Gutzwiller F, et. al. Methods of suicide: international suicide patterns derived from the WHO mortality database. Bull World Health Organ.2008;86(9):726-32.

Kutcher SP, Szumilas M. Youth suicide prevention. CMAJ. 2008;178(3):282-5.

Mann JJ, Apter A, Bertolote J, Beautrais A, Currier D, Haas A, et al. Suicide prevention strategies: a systematic review. JAMA. 2005;294:2064-74.

Siegel S, Castellan, NJ Jr. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Bertolote JM, Fleischmann A. A global perspective in the epidemiology of suicide. Suicidologi. 2002;7(2):6-8.

Marín-León L, Barros MB. Mortes por suicídio: diferenças de gênero e nível socioeconômico. Rev Saúde Pública. 2003;37(3):357-63.

Minayo MC. Suicídio: violência auto-infligida. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Impactos da violência na saúde dos brasileiros. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, editores. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2002.

Hawton K. Sex and suicide. Gender differences in suicidal behaviour. Br J Psychiatr. 2000;177:484-5.

Canetto SS, Sakinofsky I. The gender paradox in suicide. Suicide Life Threat Behav. 1998;28(1):1-23.

Stack S. Suicide: a 15-year review of the sociological literature. Part I: cultural and economic factors. Suicide Life Threat Behav. 2000;30(2):145-62.

Meneghel SN, Victora CG, Faria NM, Carvalho LA, Falk JW. Características epidemiológicas do suicídio no Rio Grande do Sul. Rev Saúde Pública. 2004;38(6):804-10.

Palacio-Acosta C, García-Valencia J, Diago-García J, Zapata C, Ortiz-Tobón J, López-Calle G, López-Tobón M. Characteristics of people committing suicide in Medellín Colombia. Rev Salud Pública. 2005;7(3):243-53.

Whitley E, Gunnel D, Dorling D, Smith GD. Ecological study of social fragmentation, poverty and suicide. BMJ. 1999;319(7216):1034-7.

Souza ER, Minayo MC, Malaquias JV. Suicide among young people in selected Brazilian State capitals. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):673-83.

World Health Organization. Acute pesticide poisoning: a major global health problem. World Health Stat Q. 1990;43(3):139-44.

Bertolote JM, Fleischmann A, Butchart A, Besbelli N. Suicide, suicide attempts and pesticides: a major hidden public health problem. Bull World Health Org. 2006;84(4):260.

Kachava AM, Escobar BT. Perfil das intoxicações exógenas registradas no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) em Tubarão (SC). ACM Arq Catarin Med. 2005;34(4):46-52.

Novack V, Jotkowitz A, Delgado J, Novack L, Elbaz G, Shleyfer E, et al. General characteristics of hospitalized patients after deliberate self-poisoning and risk factors for intensive care admission. Eur J Int Med. 2006;17(7):485-9.

Organization Mondiale de la Santé. La situation pharmaceutique dans le monde. Genève: Organization Mondiale de la Santé; 1999.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.