O significado “afetivo” daquilo que chamamos “casa”: Uma reflexão através do cinema

Luciana Helena Mussi, Beltrina Côrte

Resumo


Este texto tem por objetivo refletir sobre o significado “afetivo” daquilo que chamamos casa (lar, moradia) através do curta-metragem “Tsumiki no ie” (A casa em pequenos cubinhos). O filme apresenta questões percebidas como alicerce / base para a compreensão da importância deste “material de construção tão especial” feito de tijolos, cal e memória, cujo produto final denomina-se “casa”. A nossa memória é construída a partir das lembranças edificadas por vínculos afetivos, alegrias, desejos, apego, luto e tantos outros materiais do coração e da alma. A arte que se faz através do cinema, com uma linguagem construída por imagens, pode e muito contribuir na compreensão de um envelhecer cuja moradia significa muito mais que um local seguro para morar. Nesta reflexão, “mergulha-se” nos encantos e encantamentos desta arte para entender a que “uma casa, a nossa casa pessoal”, nos remete e que especial significado ela passa a ter na velhice.

Palavras-chave


Casa; Memória; Casa em pequenos cubinhos; Cinema.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Kairós está indexada em:

Bases de dados e Repositórios de periódicos com texto completo:


Catálogo de Bibliotecas:

Bibliotecas:

Diretório de Políticas Editoriais:

Associada:

ISSN 2176-901X

A Revista Kairós e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/kairos. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/kairos.