Quando um muro separa e nenhuma ponte une

Lúcia Leitão

Resumo


O objetivo deste texto é mostrar como a casa-grande, centro da organização social do Brasil patriarcal (Freyre, 1936), repercutiu na configuração atual da cidade brasileira. Amparada no conceito de identificação (Freud, 1973), busca-se fazer ver como e por que a sociedade brasileira reproduz, exaustivamente, e com isso ratifica um modelo espacial essencialmente privado – cuja manifestação recente são os shopping centers e os condomínios fechados –, claramente excludente, segregador como poucos, no ambiente construído que cotidianamente edifica. Trabalha-se com a hipótese de que, organizada em torno do espaço privado, a cidade brasileira ainda não construiu o seu espaço público porque esse tem sido o seu modo particular de segregar pessoas social e etnicamente menosprezadas na sociedade brasileira, da colônia aos nossos dias.

Palavras-chave


cidade brasileira; urbanismo; segregação; espaço público.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/8805

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: