Perfil clínico-laboratorial e sobrevida dos pacientes com síndrome mielodisplásica atendidos no ambulatório de hematologia da FCMS-PUC-SP/CHS

Marcelo Gil Cliquet, Antonianna Furtado Cavalcante Vecina, Rafael Vicente Lucena, Wagner Lapa Pinheiro Júnior

Resumo


Introdução: as síndromes mielodisplásicas (SMD) compreendem um espectro de doenças mieloides clonais (neoplásicas) que se caracterizam por hematopoiese ineficaz (displásica), distúrbios qualitativos de uma ou mais linhagens de células do sangue periférico, anormalidades cromossômicas e uma predileção variável de evolução para leucemias mieloides agudas. Objetivos: o presente estudo procurou traçar o perfil clínico-laboratorial e a curva de sobrevida dos pacientes com SMD atendidos no Ambulatório de Hematologia da FCMS-PUCSP/CHS, bem como comparar as características clínico-laboratoriais e sobrevida dos pacientes de acordo com número de blastos na medula óssea (MO). Métodos: entre agosto/2011 e abril/2012 foi analisado retrospectivamente 20 pacientes diagnosticados com SMD que passaram pelo Ambulatório de Hematologia da FCMS-PUCSP/CHS desde janeiro de 2007 a fevereiro de 2012, sendo preenchida uma ficha com os principais dados clínico-laboratoriais e classificação morfológica dos pacientes. Os pacientes foram ainda divididos em dois grupos: Grupo 1 com menos de 5% de blastos e Grupo 2 com ≥ 5% de blastos na MO. Resultados: a população estudada apresenta entre suas principais características faixa etária elevada, predomínio do sexo masculino, anemia como principal citopenia e em sua maioria apresentam um percentual de blastos na MO inferior a 5%. A taxa de sobrevida global (SG) em dois anos foi estimada em 65% e em cinco anos foi de 54%. Conclusão: ao comparar as características clínico-laboratoriais e as taxas de SG dos pacientes de acordo com a porcentagem de blastos na MO, foram observados prevalência do sexo masculino, valores menores de plaquetas, dependência transfusional naqueles com blastos igual ou maior que 5% na MO e taxas de SG em dois anos de 83% entre aqueles com menos de 5% de blastos e 25% naqueles com blastos igual ou maior que 5% na MO.


Palavras-chave


síndromes mielodisplásicas; análise de sobrevida; perfil de saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Munker R, Hiller Em, Glasss J, Paquette R. Modern hematology: biology and clinical management. 2ª ed. Totowa: Humana Press; 2007. p.195-205.

Kaushansky K, Lichtman MA, Beutler E, Kipps TO, Seligsohn U. Williams hematology. 7th ed. New York: McGraw-Hill Professional; 2005.

Lorand-Metze I. Síndromes mielodisplásicas, sua importância no nosso meio. Rev Bras Hematol Hemoter. 2006;28(3):165.

Valent R, Nornt HP, Bennett JM, Fonatsck C, Germing U, Greenberg P, et al. Definitions and standards in the diagnosis and treatment of the myelodysplasic syndromes: Consensus statements and report from a working conference. Leuk Res. 2007;31(6):727-36.

Vardiman JW, Harris NL, Brunning RD. The WHO classification of the myeloid neoplasms. Blood. 2002;100:2292-302.

Zerbini MC, Soares FA, Velloso ED, Chaufaille ML, Paes RP. World Health Organization classification of tumors of hematopoietic and lymphoid tissues, 4th edition, 2008: major changes from the 3rd edition, 2001. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(1):6-73.

Bennett JM, Catovsky D, Daniel MT, Flandrin G, Galton DA, Gralnick HR, et.al. Proposals for the classification of the myelodysplasic syndromes. Br J Haematol. 1982;51:189-99.

Apa AG, Gutz CN. Fatores prognósticos nas síndromes mielodisplásicas. Rev Bras Hematol Hemoter. 2006;28(3):198-200.

Siegel SE, Castellan Jr NJ. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Bland JM, Altman DG. The logrank test. BMJ. 2004;328:1073.

List A, Sandberg A, Doll D. Myelodysplastic Syndromes. In: Greer J, Foerster J, Rodgers G, Paraskevas F, Glader B, Arber D, et al., editores. Wintrobe's clinical hematology. 12th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2009. p.1956-87.

Ferreira Júnior MA. Síndromes mielodisplásicas: enfoque epidemiológico e clínico em serviço de referência de alta complexidade [tese]. Campo Grande: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; 2011.

Niero-Melo L, Resende LS, Gaiolla RD, Oliveira CT, Domingues MA, Moraes Neto FA. Diretrizes para diagnóstico morfológico em síndromes mielodisplásicas. Rev Bras Hematol Hemoter. 2006;28(3):167-74.

Bortolheiro TC. Classificações morfológicas das síndromes mielodisplásicas: da classificação Franco-Americana-Britânica (FAB) à classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Rev Bras Hematol Hemoter. 2006;28(3):194-7.

Velloso E, Aldred V, Chamone D. Síndromes mielodisplásicas. In: Martins M, Carrilho F, Alves V, Castilho E, Cerri G, Wen C, editores. Clínica médica. São Paulo: Manole; 2009. v. 3, p. 267-82.

Ma X, Does M, Raza A, Mayne St. Myelodysplastic syndromes: incidence and survival in the United States. Cancer. 2007;109(8):1536-42.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

  



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.