Avaliação da frequência, investigação de causas e realização de tratamento da anemia em candidatas à doação de sangue visando o retorno das mesmas para doação

Eduardo Cabral Camacho, Renan Adami Ferraz, Marcelo Gil Cliquet

Resumo


Objetivo: a anemia é definida pela OMS com valores de hemoglobina menores que 12g/dL para mulheres. Sendo assim, o presente estudo pretende identificar a causa e tratar a anemia nas candidatas à doação de sangue que foram recusadas no Hemonúcleo de Sorocaba devido a um valor de hematócrito inferior a 38%, critério utilizado pelo serviço para definição de pacientes anêmicas, diferentemente da OMS, que utiliza valores de hemoglobina. Resultados: entre os meses de agosto/12 e abril/13 apresentaram-se no Hemonúcleo 13.200 candidatos à doação, sendo que 7.759 (58,8%) eram mulheres. Dessas, 997 (12,8%) estavam inaptas à doação, sendo que o motivo da inaptidão foi a presença de hematócrito  ≤ 38% em 21,6% dos casos (216 pacientes). Foram marcadas consultas para 25% dessas mulheres. O principal motivo para essa defasagem nas consultas foi a impossibilidade de localização das pacientes (58,3%). Das 54 pacientes marcadas, 32 comparecem às consultas, sendo que 22 informaram que ficaram preocupadas com a inaptidão à doação e todas disseram que voltariam a doar quando o valor do hematócrito fosse corrigido. Vinte o oito mulheres consultadas (87,5%) referiram sintomas de anemia. Com relação à história de anemia das pacientes, 46,9% delas referiu já ter tido anemia. Das vinte e uma pacientes que colheram os exames, 13 delas (40,6%) apresentaram hematócrito < 38% e apenas seis (18,75%) apresentaram hemoglobina < 12g/dL, caracterizando anemia. Conclusão: a taxa de hematócrito muitas vezes impede mulheres que não têm anemia de doarem sangue. As pacientes não anêmicas foram esclarecidas sobre sua condição e as anêmicas tratadas com sulfato ferroso, ambas sendo reencaminhadas à doação. Com o trabalho observamos grandes benefícios para as pacientes, que tiveram sua anemia diagnosticada e tratada para regressão de sintomas e restabelecimento de sua saúde, além do retorno dessas mulheres para a doação de sangue, aumentando o número de doadores.


Palavras-chave


doadores de sangue; anemia ferropriva; hematócrito

Texto completo:

PDF

Referências


Baker WF Jr. Iron deficiency in pregnancy, obstetrics and gynecology. Hematol Oncol Clin North Am. 2000;14:1061.

Kohli-Kumar M. Screening for anemia in children: APP recommendations: a critique. Pediatrics. 2001;108:E56.

Niederau C, Niederau CM, Lange S, Littauer A, Abdel-Jalil N, Maurer M, et al. Screening for hemochromatosis and iron deficiency in employees and primary care patients in Western Germany. Ann Intern Med. 1998;128:337-45.

Perry C, Soreq H. Transcriptional regulation of erythropoiesis: fine tuning of multi-domain elements. Eur J Biochem. 2002;269:3607.

Brasil. Ministério da Saúde. RDC n°153, de 14 de junho de 2004. Regulamenta o artigo 4° da Constituição Federal, relativo à coleta, processamento e transfusão de sangue, componentes e derivados, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 15 jun. 2004.

Bryan LJ, Zakai NA. Why is my patient anemic? Hematol Oncol Clin N Am. 2012;26:205-30.

Tabbara IA. Hemolytic anemias: diagnosis and management. Med Clin North Am. 1992;76:649.

Prevention CfDCa: iron deficiency: United States, 1999. MMWR. 2002;51:897.

Stoltzfus R. Defining iron-deficiency anemia in public health terms: a time for reflection. J Nutr. 2001;131(2S-2):565S-7S.

Stoltzfus RJ. Iron deficiency: global prevalence and consequences. Food Nutr Bull. 2003;24:S99.

World Health Organization. Iron deficiency anemia: assessment, prevention and control: a guide for programme managers. Geneva: World Health Organization; 2001.

Resende EG, Bonomo E, Lamounier JA, Santos MA, Galvão MA, Sol NA, et al. Deficiência de ferro e anemia em escolares de área rural de Novo Cruzeiro, Minas Gerais. Rev Med Minas Gerais. 2008;18(4):S40-6.

Szarfarc SC, De Souza SB. Prevalence and risk factors in iron deficiency and anemia. Arch Latinoam Nutr. 1997;47(2):35-8.

Cook JD. Diagnosis and management of iron-deficiency anaemia. Best Pract Res Clin Haematol. 2005;18:319.

Killip S, Bennett JM, Chambers MD. Iron deficiency anemia. Am Fam Physician. 2007;75:671.

Annibale B, Capurso G, Chistolini A, D'Ambra G, DiGiulio E, Monarca B, et al. Gastrointestinal causes of refractory iron deficiency anemia in patients without gastrointestinal symptoms. Am J Med. 2001;111:439.

Rodrigues LP, Jorge SR. Deficiência de ferro na mulher adulta. Rev Bras Hematol Hemoter. 2010;32(2):49-52.

Figueiredo MS, Vicari P. Diagnóstico diferencial das anemias. In: Lopes AC, editor. Tratado de clínica médica.1ª ed. São Paulo: Roca; 2006. p. 1978-82.

Hallberg L, Hulthen L, Garby L. Iron stores and haemoglobin iron deficits in menstruating women. Calculations based on variations in iron requirements and bioavailability of dietary iron. Eur J Clin Nutr, 2000;54:650.

Brittenham GM. Iron balance in the red blood cell donor. Dev Biol (Basel). 2005;120:77.

Finch CA. Cook JD, Labbe RF, Culala M. Effect of blood donation on iron stores as evaluated by serum ferritin. Blood. 1977;50:441-7.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

  



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.