Percepção das puérperas em relação à indução do parto

Camila Morilla Lemes, Dominique Moraes de Oliveira, Maria Joana Pires de Oliveira, Janie Maria de Almeida

Resumo


Objetivo: a discussão sobre a percepção da mulher sobre a indução do parto possibilitará qualificar a assistência prestada pela equipe de saúde durante a parturição, atendendo as recomendações da assistência humanizada ao parto, especialmente sob a ótica da mulher. Desta forma, realizou-se este estudo que teve como objetivo identificar e analisar na literatura científica a percepção das puérperas sobre o uso de indutores do parto. Método: o levantamento de dados ocorreu por meio da estratégia de busca com as ferramentas boleanas disponíveis na plataforma Bireme, com acesso aos bancos de dados LILACS, BDENF e SciELO. A pesquisa utilizou a combinação dos descritores: trabalho de parto induzido, percepção e puérpera. Foram encontrados 77 artigos, entre os anos de 2009 a 2013, e selecionados 6 artigos, que atenderam os critérios de inclusão. Resultados e Discussão: esta revisão mostrou que há pequena produção de pesquisas sobre a temática. Da análise dos artigos encontrados, a percepção das puérperas quanto à indução do trabalho de parto apresentou divergências de opiniões ao afirmarem uma experiência marcante e dolorosa; também houve relatos que apesar da dor, a indução reduziu o tempo do trabalho de parto. As puérperas expressaram sentimentos ambivalentes em relação à percepção da indução do trabalho de parto, avaliando-a como benéfica por otimizar o trabalho de parto, acelerando o período de dilatação e o de parto, no entanto, as parturientes destacaram o incômodo pelo aumento da dor.


Palavras-chave


percepção; trabalho de parto induzido; dor do parto; saúde da mulher

Texto completo:

PDF

Referências


Souza ASR, Costa AAR, Coutinho I, Noronha Neto C, Amorim MMR. Indução do trabalho de parto: conceitos e particularidades. Femina. 2010;38(4):185-94.

Souza ASR, Amorim MMR, Noronha Neto C. Métodos farmacológicos de indução do trabalho de parto: qual o melhor? Femina. 2010;38(5):277-87.

Cunha AA. Indução do trabalho de parto com feto vivo. Femina. 2010;38(9):469-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas estratégicas. Protocolo Misoprostol. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Santos Filho AG, Andrade VM, Miranda VR. Uso de Misoprostol para indução do parto de feto vivo. Femina. 2009;37(8):433-6.

Bueno JV. Avaliação da intensidade e característica da dor no trabalho de parto e a ação do misoprostol [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2006.

Moraes Filho OB, Cecatti JG, Feitosa FEL. Métodos para indução do parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(8):493- 500.

Teixeira LRM. Indução do trabalho de parto: métodos farmacológicos [dissertação]. Porto: Faculdade de Medicina Universidade Porto; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Dodou HD, Rodrigues DP, Guerreiro EM, Guedes MVC, Lago PN, Mesquita NS. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas. Esc Anna Nery. 2014;18(2):262-9.

Domingues RMSM, Santos EM, Leal MC. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para o debate. Cad Saúde Pública.2004;20(Suppl 1): S52-S62.

Caus ECM, Santos EKA, Nassif AA, Monticelli M. O processo de parir assistido pela enfermeira obstétrica no contexto hospitalar: significados para as parturientes. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012;16(1):34-40.

Crizóstomo CD, Nery IS, Luz MHB. A vivência de mulheres no parto domiciliar e hospitalar. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007;11(1):98-104.

Nascimento NM, Progianti JM, Novoa RI, Oliveira TR, Vargens OMC. Tecnologias utilizadas por enfermeiras durante o parto. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010;14(3):456-61.

Silva EC, Santos IMM. A percepção das mulheres acerca da parturi(a)ção. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2009;1(2): 171-83.

Goldman RE. Prática de enfermagem durante o parto. In: Barros SMO. Enfermagem obstétrica e parto. In: Barros SMO. Enfermagem obstétrica e ginecológica: guia para a prática assistencial. 2ª ed. São Paulo: Rocas; 2009. p.189- 205.

Domingues RMSM, Santos EM, Leal MC. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para o debate. Cad Saúde Pública. 2004;20(Suppl 1):S52-S62.

Parada CMGL, Tonete VLP. O cuidado em saúde no ciclo gravídico-puerperal sob a perspectiva de usuárias de serviços públicos. Interface (Botucatu). 2008;12(24):35-46.

Costa AP, Bustorff LACV, Cunha ARR, Soares MCS, Araújo VS. Contribuições do pré-natal para o parto vaginal: percepção de puérperas. Rev Rene. 2011;12(3):548-54.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC. Percepção de puérperas acerca do cuidado de enfermagem durante o trabalho de parto e parto. Rev Enferm UERJ. 2011;19(2):249-54.

Santos LM, Pereira SSC, Santos VEP, Santana RCB, Melo MCP. Relacionamento entre profissionais de saúde e parturientes: um estudo com desenhos. R Enferm UFSM. 2011;1(2): 225-37.

Santos LM, Pereira SSC, Carvalho ESS, Paiva MS, Santos VEP, Pereira VE, et al. Atenção no processo parturitivo sob o olhar da puérpera. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2012;4(3):2655-66.

Santos LM, Pereira SSC. Vivências de mulheres sobre a assistência recebida no processo parturitivo. Physis. 2012;22(1):77-97.

Souza TG, Gaíva MAM, Modes PSSA. A humanização do nascimento: percepção dos profissionais de saúde que atuam na atenção ao parto. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(3):479- 86.

Serruya SJ, Cecatti JG, Lago TD. O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1281-9.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.