Análise da microbiota bacteriana colonizadora de lesões provocadas por queimaduras nas primeiras 24 horas

Hamilton Aleardo Gonella, Francine Eloisa Eamanach, Julia Cristina de Souza, Maria Elisa Zuliani Maluf

Resumo


Introdução: A ferida da queimadura, a princípio, é estéril. Esse período varia de 24 a 72 horas. Pela análise microbiológica, o Staphylococcus aureus é o germe mais frequentemente encontrado, seguido de Pseudomonas aeruginosa e Escherichia coli. Objetivo: Analisar qualitativamente a microbiota colonizadora das lesões por queimaduras, nas primeiras 24 horas do ocorrido, em 25 pacientes atendidos no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). Método: Foram estudadas as amostras da margem e da área central da ferida pela técnica de coleta com uso de swab estéril. Resultados: Das 50 amostras analisadas, 15 (60%) pacientes possuíam positividade para colonização de microrganismos tanto na região central quanto na margem destas. Nas amostras obtidas da região central da lesão, pudemos encontrar seis colonizadas pelo microrganismo Staphylococcus sp e oito por Staphylococcus aureus, com valores semelhantes às amostras retiradas da região marginal, com oito colonizadas pelo Staphylococcus sp e sete pelo Staphylococcus aureus. Conclusão: As lesões por queimaduras nas primeiras 24 horas são colonizadas por microrganismos. A microbiota possui correlação com o descrito na literatura consultada. A análise microbiológica precoce de queimaduras demonstra-se pertinente para a constatação de colonização e subsequente manejo para prevenção de invasão e de infecção dessas lesões, dessa forma contribuindo indiretamente para a queda na morbidade e mortalidade associada às queimaduras.

Palavras-chave


queimaduras; ferimentos e lesões; infecção dos ferimentos; técnicas de cultura; técnicas microbiológicas

Texto completo:

PDF

Referências


Vale ECS. Primeiro atendimento em queimaduras: a abordagem do dermatologista. An Bras Dermatol. 2005;80(1):9-19.

Barillo DJ, Paulsen SM. Management of burns to the hand. Wounds. 2003;15:4-9.

Gragnani A, Gonçalves ML, Feriani G, Ferreira lM. Análise microbiológica em queimaduras. Rev Soc Bras Cir Plást. 2005;20(4):237-40.

Sucena RC. Infecção cirúrgica. In: Sucena RC. Fisiopatologia e tratamento das queimaduras. São Paulo: Roca; 1982. p. 29-38.

Laitano FF, Arnt RA, Cosner AM, Doncatto LF. Estudo comparativo entre o exame de cultura da biópsia e o “swab” cutâneo para o diagnóstico de infecção em pacientes queimados do HPS- Porto Alegre. Rev Bras Cir Plást. 2008;23(3):162-6.

Bang RL, Gang RK, Sanyal SC, Mokaddas E, Ebrahim MK. Burn septicaemia: an analysis of 79 patients. Burns. 1998;24:354-61.

Russo AC. Fisiopatologia das queimaduras. In: Russo AC. Queimaduras. São Paulo: Livraria Luso-espanhola e Brasileira; 1958. p. 98-101.

Teplitz C. Patologia das queimaduras e fundamentos de suas infecções. In: Artz CP, Moncrief JA, Pruitt Jr BA. Queimaduras. Rio de Janeiro: Interamericana; 1980. p. 41-84.

Sheridan R. Evaluation and management of the thermally injured patient. In: Freedberg IM, Eisen AZ, Wolff K, Austen KF, Goldsmith LA, Katz SI, editores. Fitzpatrick’s dermatology in general medicine. 6th ed. New York: McGraw-Hill; 2003. p. 1220-9.

Oplustil CP, Zoccoli CM, Tobout NR, Sinto SI. Procedimentos básicos em microbiologia clínica. São Paulo: Sarvier; 2000. p. 63-64.

Monafo WW, Ayvazian VH. Terapeutica tópica. Clin Cir Am Norte. 1978;58(6):1157-71.

Artz CP, Moncrief JA, Pruitt Jr BA. Queimaduras. Rio de Janeiro: Interamericana; 1980.

Gomes DR. Infecção em queimados. In: Gomes DR, Serra MC, Pellon MA. Queimaduras. Rio de Janeiro: Revinter; 1995. p. 77-99.

Erol S, Altoparlak U, Akcay MN, Celebi F, Parlak M. Changes of microbial flora and wound colonization in burned patients. Burns. 2004;30(4):357-61.

Siegel SE, Castellan Junior NJ. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201621885

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.