Movimento de oponência do polegar: considerações anatômicas

Edie Benedito Caetano, Antonio Marcos de Andrade, José Francisco Moron Morad, Helio Carlos Bonito

Resumo


A variedade de quadros clínicos observados nas lesões isoladas dos nervos mediano e ulnar não está de acordo com o padrão clássico de inervação dos músculos da região tenar sugerido pelos tratados de anatomia. MATERIAL E MÉTODOS: Dissecção a fresco de 40 mãos de 20 cadáveres adultos, sendo 18 do sexo masculino e 2 do sexo feminino, para a pesquisa da inervação dos músculos tênares. Utilizamos o microscópio cirúrgico como meio de ampliação com o uso de lupa de 2,5 X. RESULTADOS: Os músculos abdutor curto e oponente do polegar receberam sempre inervação exclusiva do nervo mediano. A porção superficial do músculo flexor curto apresentou-se inervada exclusivamente pelo nervo mediano em 29 dos casos, em 11 recebeu inervação dos nervos mediano e ulnar (dupla inervação). A porção profunda do músculo flexor curto recebeu dupla inervação dos nervos mediano e ulnar em 27 pacientes e em 12 foi exclusivamente do nervo ulnar. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: De acordo com nossos estudos, o padrão de inervação mais frequente com relação ao músculo flexor curto, e que deve ser considerado como padrão normal, é que a porção superficial recebe inervação do nervo mediano e a profunda recebe inervação dos nervos mediano e ulnar. Os músculos abdutor curto e oponente do polegar receberam sempre inervação exclusiva do nervo mediano. A porção oblíqua do músculo adutor apresentou- se inervada apenas pelo nervo ulnar em 30 casos, em 10 recebeu inervação dos nervos mediano e ulnar. A porção transversa do músculo adutor recebeu inervação exclusiva do nervo ulnar em todas as peças dissecadas.


Palavras-chave


polegar; inervação; dissecação

Texto completo:

PDF

Referências


Testut L, Jacob O. Tratado de anatomia topográfica com aplicaciones médico quirurgicas. 8ª ed. Barcelona: Salvat; 1961. v. 2, p. 830.

Bertelli D. Miologia. In: Balli R. Trattato di anatomia umana. 2ª ed. Milano: F. Valrdi; 1932. v. 2, p. 168.

Chiarugi G. Instituzioni di anatomia dell'uomo. 7ª ed. Milano: Sovete; 1949. v. 5, p. 81.

Kaplan EB. Anatomia functional y quirurgica de la mano. Buenos Aires: Artecnica; 1961. p. 155.

Zancolli EA. Structural and dynamics basis of hand surgery. 2nd ed. Philadelphia: Lippincott; 1979. p. 136.

Pinto LC. Eletroneuromiografia clínica. São Paulo: Atheneu; 1996.

Rosen AD. Innervation of the hand: an electromyographic study. Electroenceph Clin Neurophysiol. 1973;13:175-8.

Highet WH. Innervation and fuction of the thenar muscles. Lancet. 1943;1:227-30.

Forrest WJ. Motor innervation of human thenar and hupothenar muscle in 25 hands: a study combining electromyography and percutaneous nerve stimulation. Can J Surg. 1967;10:196-9.

Chuveilhier J. Traité d'anatomie descriptive. 5ª ed. Paris: Asselin; 1874. v. 1, p. 635.

Paturet G. Traité d'anatomia humaine. Paris: Masson; 1951.

Rouviere H. Anatomie humaine. Paris: Masson; 1948. v.8, p. 178.

Jones FW. The principles of anatomy as seen in the hand. 2nd ed. London: Bailliere; 1946. p. 349.

Bishop TLW. Beitrage zur anatomie des hilobates leusciscus und zu einer vergleichenden Anatomie der Muskel der Affen und des Menschen. München: Verlag; 1870.

Henle J. Allgemeine anatomie. Leipzig. L. Voss: Leipzig; 1841.

Brooks HSJ. Variations in the nerve supply of the flexor brevis pollicis muscle. J Anat (Lond). 1885/86;20:641-4.

Day MH, Napier JR. The two heads of flexor pollicis brevis. J Anat (Lond). 1961;95:123-30.

Caetano EB. Contribuição ao estudo anatômico dos músculos tênares e da anastomose de “Cannie- Riché” [tese]. Sorocaba: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 1981.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.