Acidentes e violências, vulnerabilidade e fortalecimento da rede de proteção: morbimortalidade no município de Sorocaba, São Paulo, Brasil

Rosana Maria Paiva dos Anjos, José Mauro da Silva Rodrigues, Mauro Paiva Rodrigues, Fernanda Soares Simoneti, Larissa Olm Cunha

Resumo


Os acidentes e violências são problema de saúde pública e suas notificações fundamentais para a definição de políticas públicas de prevenção e promoção de saúde. Objetivo e Método: o presente estudo objetivou caracterizar a mortalidade por acidentes e violências no município de Sorocaba, considerando as informações do banco de dados do SIM, Sistema de Informação de Mortalidade, construídas a partir das Declarações de Óbito, tendo como referência os dados do DATASUS e as ações preconizadas pela PNRM, Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências, do Ministério da Saúde. Resultados: em Sorocaba o número de óbitos por causas externas permaneceu mais ou menos constante nos anos de 2008 a 2012, com o maior risco de morrer devido a causas externas no sexo masculino. Especificamente no ano de 2012 no grupo “Acidentes de transporte e atropelamentos” apresentaram maior risco para o óbito pessoas com 60 anos ou mais. No grupo “Agressões por disparo por arma de fogo” mostraram maior vulnerabilidade os adultos e jovens entre 20 e 39 anos de idade. Conclusão: no levantamento das iniciativas para a prevenção e para o atendimento às vítimas dos acidentes e violências, tendo como norte a PNRM, verifica-se que Sorocaba muito tem a oferecer em sua rede de proteção e assistência às vítimas de violências e suas famílias, mas falta otimizar suas articulações e parcerias para o trabalho integrado em equipe matricial. Também o sistema de notificação necessita ser aprimorado, ampliado e capacitado para ampliar o vínculo das equipes profissionais e intersetoriais envolvidas.


Palavras-chave


acidentes; violência; notificação; mortalidade; estudo sobre vulnerabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


Veloso MMX, Magalhães CMC, Dell'Aglio DD, Cabral IR, Gomes MM. Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(5):1263-72.

Dahlberg LL, Krug EG. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;11(Supl.):1163- 78.

Brasil. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violência: orientações para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Minayo MCS. Violência social sob a perspectiva da saúde pública. Cad Saúde Pública. 1994;10(Suppl 1):S7-S18.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil: uma análise da situação de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Costa HOG. A problematização da violência como experiência de ensinar em Saúde. Interface Comunic Saúde Educ. 1999;3(5):63-74.

Minayo MCS, Souza ER. Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. Hist Ciênc Saúde. 1997;4(3):513-31.

Minayo MCS, Souza ER. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 1999;4(1):7-23.

Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violência. Rev Saúde Pública. 2000;34(4):427- 30.

Lima MLC. Sobre a Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Hoje. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(5):1654-5.

Gawryszewski VP, Koizumi MS, Mello-Jorge MHP. As causas externas no Brasil no ano 2000: comparando a mortalidade e a morbidade. Cad Saúde Pública. 2004;20(4):995-1003.

Tomimatsu MFAI, Andrade SM, Soares DA, Mathias TAF, Sapata MPM, Soares DFPP. Qualidade da informação sobre causas externas no Sistema de Informações Hospitalares. Rev. Saúde Pública. 2009;43(3):413-20.

Laurenti R, Mello Jorge MHP, Gotlieb SLD. A confiabilidade dos dados de mortalidade e morbidade por doenças crônicas não transmissíveis. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(4):909-20.

Vieira GO, Assis MMA, Nascimento MAA, Vieira TO, Vieira- Santana Netto P. Violência e mortes por causas externas. Rev Bras Enferm. 2003;56(1):48-51.

Mascarenhas MDM, Silva MMA, Malta DC, Moura L, Gawryszewski VP, Costa VC, et al. Atendimentos de emergência por acidentes na Rede de Vigilância de Violências e Acidentes: Brasil, 2006. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(5):1657-68.

Malta DC, Lemos MSA, Silva MMA, Rodrigues EMS, Gazal- Carvalho C, Morais Neto OL. Initiatives of surveillance and prevention of accidents and violence within the National Unified Health System (SUS). Epidemiol Serv Saúde. 2007;16(1):45-55.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. A educação permanente entra na roda: polos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Medeiros TJ, Malfitano APS. Mortalidade de jovens por causas externas em São Carlos, SP, de 2000 a 2010: consequência da interiorização da violência? BEPA Bol Epidemiol Paul. 2012;9(105):4-17.

Gawryszewski VP, Silva MMA, Malta DC, Mascarenhas MDM, Costa VC, Matos SG, et al. A proposta da rede de serviços sentinela como estratégia da vigilância de violências e acidentes. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(Suppl):1269-78.

Lebrão ML. Análise da fidedignidade dos dados estatísticos hospitalares disponíveis na Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo em 1974. Rev Saúde Pública. 1978;12(2):234-49.

Lebrão ML, Mello Jorge MHP, Laurenti R. Morbidade hospitalar por lesões e envenenamentos. Rev Saúde Pública. 1997;31(4 Supl):26-37.

Mathias TAF, Soboll MLMS. Confiabilidade de diagnósticos nos formulários de autorização de internação hospitalar. Rev Saúde Pública. 1998;32(6):526-32.

McKenzie K, Harding LF, Walker SM, Harrison JE, Enraght- Moony EL, Waller GS. The quality of cause-of-injury data: where hospital records fall down. Aust N Z J Public Health. 2006;30(6):509-13.

Sanches KRB, Camargo Jr KR, Coeli CM, Cascão AM. Sistemas de informação em saúde. In: Medronho RA, editor. Epidemiologia. Rio de Janeiro: Atheneu; 2002. p.337-59.

Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS [Internet]. Brasília; DATASUS; 2014 [acesso em 12 set. 2004]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br.

Brasil. Ministério da Saúde. Informações em Saúde [Internet]. Brasília: DATASUS; 2014 [acesso em 30 set. 2014]. Disponível em: http://w2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.