Sentimentos envolvidos no atendimento ginecológico prestado pelo estudante de medicina: análise pré e pós consulta

Laura Muller Silva, Laura Mendes França, Marina Janot Pacheco de Castro, Rita de Cássia Melo Rabelo, Caio Cesar Maia, Suzana Maria Pires do Rio, Juliana Barroso Zimmermmann

Resumo


Introdução: o atendimento com a participação do estudante de medicina é uma realidade em inúmeros municípios onde estão localizadas Faculdades de Medicina, no entanto, é preciso levar em conta que a ginecologia é uma especialidade singular, pois atende não só pacientes com os problemas orgânicos, mas também questões afetivas, de sexualidade, ou seja, tudo o que envolve a condição feminina. Objetivos: identificar os aspectos positivos e negativos da consulta ginecológica e se houve mudança de opinião pelas mulheres após serem atendidas por acadêmicos de medicina. Método: estudo qualitativo no qual foram entrevistadas 39 mulheres, na faixa etária de 19 a 60 anos que procuraram o atendimento ginecológico, realizado pelos professores e pelos estudantes de medicina da Faculdade de Medicina de Barbacena. Foram realizadas entrevistas antes e após a consulta e cada participante pôde se expressar livre e espontaneamente. Resultados: em relação ao sentimento mediante ao primeiro atendimento ginecológico com acadêmico, a maioria das mulheres se mostrou apreensiva e insegura, apenas uma minoria estava tranquila. No entanto, após a consulta a maioria delas se mostrou satisfeita. Conclusão: foi observado que houve mudança na percepção e nos sentimentos das mulheres com relação ao atendimento pelo estudante após a consulta. As pacientes demonstraram aceitação, satisfação e superação de suas expectativas.

 


Palavras-chave


exame ginecológico; estudantes de medicina; atitude frente à saúde; emoções; mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


Neves NMBC, Neves FBCS, Bitencourt AGV. O Ensino médico no Brasil. Gaz Méd Bahia. 2005;75(2):162-8.

Camargo MCZA. O ensino da ética médica e o horizonte bioética. Bioética. 1996;4:47-51.

Santana JP. O paradoxo da educação médica. Bol ABEM.2000;28:13-5.

Campos FE. Caminhos para aproximar a formação de profissionais de saúde das necessidades da atenção básica. Rev Bras Educ Méd. 2001;25:53-9.

Lampert JB. Tendências de mudanças na formação médica no Brasil. São Paulo: Hucitec/Associação Brasileira de Educação Médica; 2002.

Drumond JP, Silva E. Medicina baseada em evidencias: novo paradigma assistencial e pedagógico. São Paulo: Atheneu; 1998.

Brasil. Conselho Nacional de Educação da Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em medicina. Brasília; MEC; 2001.

Rio SMP, Trivellato IM, Caldeira NM, Araújo SF, Rezende DF. Vivência das mulheres atendidas por alunos de medicina em consulta ginecológica. Rev Bras Educ Méd. 2013;37(4):492-500.

Ching SL, Gates EA, Robertson PA. Factors influencing obstetric and gynecologic patients'decisions toward medical student involvement in the outpatient setting. Am J Obstet Gynecol. 2000;182(6):1429-32.

Dalfovo MS, Lana RA, Silveira A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Rev Interdisciplin Cient Aplic. 2008;2(4):1-13.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Oliveira DC. Análise de conteúdo temático-categorial: uma proposta de sistematização. Rev Enferm UERJ. 2008;16(4):569-76.

Hartz MB, Beal JR. Patient´s attitudes and comfort levels regarding medical students' involvement in obstetrics- gynecology outpatient clinics. Acad Med. 2000;75(10):1010- 14.

Rizk DEE, Al-Shebah A, El-Zubeir MA, Thomas LB, Hassan MY, Ezimokhai M. Women's perceptions of and experiences with medical student involvement in outpatient obstetric and gynecologic care in the United Arab Emirates. Am J Obstet Gynecol. 2002;187(4):1091-100.

Simons RJ, Imboden E, Martel JK. Patient's attitudes towards medical students participation in a general internal medicine clinic. J Gen Intern Med. 1995;10:251-4.

O`Flynn N, Rymer J. Women´s attitudes to the sex of medical students in a gynaecology clinic: cross sectional survey. BMJ. 2002;325:683-84.

Fortier AM, Hahn PH, Trueman J, Reid RL. The acceptance of medical students by women with gynecology appointments. J Obstet Gynaecol Cam. 2006;28(6):526-30.

Cooke F, Galasko G, Ramrakha V, Duncan R, Rose A, Watkins J. Medical students in general practice: how do patients feel? Brit J Gen Practice 1996; 46: 361-2.

Aragão JCS, Silveira CO, Hungria MM, Oliveira MP. O uso da técnica de role-playing como sensibilização dos alunos de Medicina para o exame ginecológico. Rev Bras Educ Méd. 2009;33(1):80-3.

Amaral E, Azevedo GD, Abbad J. O ensino e o aprendizado de ginecologia e obstetrícia na graduação: desafios e tendências. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007;29(11):551-4.

Massote AW, Belisário AS, Gontijo ED. Atenção primária como cenário de prática na percepção de estudantes de medicina. Rev Bras Educ. Méd. 2011;35(4):445-53.

Caldeira ES, Leite MTS, Rodrigues Neto JF. Estudantes de medicina nos serviços de atenção primária: percepção dos profissionais. Rev Bras Educ Méd. 2011;35(4):477-85.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.