Sexualidade na adolescência: potencialidades e dificuldades dos professores de ensino médio de uma escola estadual de Sorocaba

Vanessa dos Reis Queiroz, Janie Maria de Almeida

Resumo


Objetivos: Este artigo teve como objetivo traçar o perfil dos professores de uma escola estadual de ensino médio segundo as variáveis sociodemográficas, sexo, idade, estado civil, escolaridade, área de formação, tempo de trabalho em escola, tempo de trabalho na escola pesquisada; e investigar seu conhecimento sobre a temática sexualidade. Método: Trata‑se de uma pesquisa descritiva e quanti-qualitativa, realizada com 27 professores de uma escola estadual de ensino médio, localizada na região noroeste do município de Sorocaba, São Paulo. Resultados e Discussão: Para esse grupo de professores, o processo de adolescer é caracterizado por mudanças comportamentais, emocionais, biológicas e sociais; eles acreditam que a família não deve ser a única responsável pela educação sexual, ressaltando que é a base principal do processo educacional. Conclusão: A oportunidade de trabalhar com os professores de ensino médio mostrou que, de modo geral, esses profissionais abordam a sexualidade no ambiente escolar.

Palavras-chave


educação sexual; adolescência; conhecimentos, atitudes e práticas em saúde; professores escolares; ensino fundamental e médio

Texto completo:

PDF

Referências


Brêtas JR, Ohara CV, Jardim DP, Aguiar Junior W, Oliveira JR. Aspectos da sexualidade na adolescência. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(7):3221-8. DOI: 10.1590/S1413-81232011000800021

Araújo AC, Lunardi VL, Silveira RS, Thofehrn MB, Porto AR, Soares DC. Implicações da sexualidade e reprodução no adolescer saudável. Rev Rene. 2012;13(2):437-44.

Brilhante AV, Catrib AM. Sexualidade na adolescência. Femina. 2011;39(10):504-9.

Brasil. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: orientação sexual. Brasília: MEC/SEF; 1997.

Brasil. Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias. 2ª ed. São Paulo: Secretaria da Educação; 2011. 260 p.

Miranda MA. A abordagem da sexualidade no currículo de São Paulo [Internet]. 2011 [acesso em 13 fev. 2017]. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1001-2.pdf

Brasil. Secretaria da Educação. Caderno do professor: ciências, ensino fundamental: 7ª série, 8º ano. São Paulo: Secretaria da Educação; 2014-2017. p. 77.

Brasil. Secretaria da Educação. Caderno do professor: biologia, ensino médio: 1ª série. São Paulo: Secretaria da Educação; 2014-2017. p. 100.

Nothaft SC, Zanatta EA, Brumm ML, Galli KS, Erdtmann BK, Buss E, Silva PR. Sexualidade do adolescente no discurso de educadores: possibilidades para práticas educativas. Rev Min Enferm. 2014;18(2):284-9.

Silva AH, Moura GL, Cunha DE, Figueira KK, Horbe TA, Gaspary E. Análise de conteúdo: fazemos o que dizemos? Um levantamento de estudos que dizem adotar a técnica. In: IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Brasília: ANPAD; 2013.

Moreira TM, Viana DS, Queiroz MV, Jorge MS. Conflitos vivenciados pelas adolescentes com a descoberta da gravidez. Rev Esc Enferm. 2008;42(2):312-20. DOI: 10.1590/S0080-62342008000200015

Ferreira MM, Torgal MC. Estilos de vida na adolescência: comportamento sexual dos adolescentes portugueses. Rev Esc Enferm. 2011;45(3):589-95. DOI: 10.1590/S0080-62342011000300006

Serrão BO, Santana JP. Experiências vivenciadas por adolescentes em tribos urbanas: com a palavra os emos. Interacções. 2013;9(26):69-91.

Campos HM. O sujeito adolescente e o cuidado de si: cenários, significados e sentidos da iniciação sexual e do cuidado com a saúde sexual e reprodutiva [dissertação]. Belo Horizonte: Centro de Pesquisas René Rachou, Fundação Oswaldo Cruz; 2011.

Jardim DP, Brêtas JR. Orientação sexual na escola: a concepção dos professores de Jandira – SP. Rev Bras Enferm. 2006;59(2):157-62. DOI: 10.1590/S0034-71672006000200007

Costa DM, Moreno OS, Miranda JR. Práticas de educação sexual no cotidiano escolar: tecendo reflexões. Campina Grande: Editora Realize; 2015.

Dias A, Ramalheira C, Marques L, Seabra M, Antunes M. Educação da sexualidade no dia-a-dia da prática educativa. Braga: Edições da Casa do Professor; 2002.

Rodrigues CP, Wechsler AM. A sexualidade no ambiente escolar: a visão dos professores de educação infantil. Cad Educ Ensino Soc. 2014;1(1):89-104.

São Paulo. Matriz de avaliação processual: encarte do professor. São Paulo: Secretaria da Educação; 2016. 20. Saito MI, Lea MM. Educação sexual na escola. Pediatria. 2000;22(1):44-8.

Souza MM, Del-Rios NH, Munari DB, Weirich CF. Orientação sexual: conhecimentos e necessidades de professores de um colégio público de Goiânia-GO. Rev Eletr Enferm [Internet]. 2008 [acesso em 13 fev. 2017];10(2):460-71. Disponível em https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v10/n2/pdf/v10n2a17.pdf

Holanda ML, Frota MA, Machado MF, Vieira NF. O papel do professor na educação sexual de adolescentes. Cogitare Enferm. 2010;15(4):702-8.

Ramos FR. Adolescer, compreender, atuar, acolher: Projeto acolher. Brasília: Associação Brasileira de Enfermagem; 2001. 304 p.

Beserra EP, Torres CA, Barroso MG. Dialogando com professores na escola sobre sexualidade e doenças sexualmente transmissíveis. Rev Rene. 2008;9(4):151-7.




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i4a9

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.