Medidas não farmacológicas em hipertensão arterial

Rainne de Oliveira Almeida, Sandna Larissa Freitas dos Santos, Carlos Eduardo Quirino Paiva, Karla Bruna Nogueira Torres Barros, Maria Luísa Bezerra de Macedo Arraes

Resumo


A hipertensão arterial é responsável por altos índices de morbimortalidade, sobretudo entre os idosos. Este estudo teve como objetivo relatar a promoção de medidas não farmacológicas para o controle da hipertensão e como as intervenções realizadas contribuíram para uma melhor qualidade de vida de um idoso. É importante ressaltar que, para a conscientização e adesão dessas práticas, faz-se necessária uma educação permanente em saúde de toda a equipe multidisciplinar que faz o acompanhamento do paciente.


Palavras-chave


hipertensão; exercício; dieta saudável; educação em saúde; conhecimentos, atitudes e prática em saúde; tratamento farmacológico

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Lyra Júnior DP, Amaral RT, Veiga EV, Cárnio EC, Nogueira MS, Pelá IR. A farmacoterapia no idoso: revisão sobre a abordagem multiprofissional no controle da hipertensão arterial sistêmica. Rev Latinoam Enfermagem. 2006;14(3):435-41.

Lessa I. Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica e da insuficiência cardíaca no Brasil. Rev Bras Hipertens. 2001;8(4):383-92.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3 supl. 3):1-83.

Zanin C, Jorge MGS, Klein SR, Knob B, Lusa AC, Wibelinger LM. Autopercepção de saúde em idosos com hipertensão arterial sistêmica. Rev Interdisc Ciênc Méd. 2017:1(1):28-36.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes Brasileiras de Obesidade 2016. 4ª ed. São Paulo: ABESO; 2016.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [Internet]. Brasil: Conselho Nacional de Saúde; 2012 [acesso em 20 jan.2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Zaitune MPA, Barros MBA, César CLG, Carandina L, Goldbaum M. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006;22(2):285-94. http://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000200006

Contiero AP, Pozati MPS, Challouts RI, Carreira L, Marcon SS. Idoso com hipertensão arterial: dificuldades de acompanhamento na Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm. 2009;30(1):62-70.

Dimeo F, Pagonas N, Seibert F, Arndt R, Zidek W, Westhoff TH. Aerobic exercise reduces blood pressure in resistant hypertension. Hypertension. 2012;60(3):653-8. http://doi.org/10.1161/HYPERTENSIONAHA.112.197780

Sociedade Brasileira de Cardiologia. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2007;89(3):e24-e79. http://doi.org/10.1590/S0066-782X2007001500012

Massa KHC, Antunes JLF, Lebrão ML, Duarte YAO, Chiavegatto Filho ADP. Fatores associados ao uso de antihipertensivos em idosos Rev Saúde Pública. 2016;50:75. http://doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006458




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2019v21i2a11

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

  



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.