Categorização dos casos de violência contra crianças em um município piauiense

Samaria de Sousa Nolêto, Mohema Duarte de Oliveira, Francisca Rayla Teles Meneses, Ivaldo da Silva Muniz, Margarida Maria de Sousa Macedo, Shirley Ribeiro de Assis

Resumo


Objetivo: Identificar os tipos de violência contra crianças notificados em um município piauiense, no ano de 2017. Métodos: Trata-se de uma pesquisa do tipo exploratória, descritiva, de natureza aplicada e abordagem quantitativa, desenvolvida no hospital regional do município de Floriano, Piauí. A amostra do estudo foi composta de 181 fichas de notificação compulsória de violência infantil registradas no ano de 2017. Os dados foram coletados por meio de um roteiro baseado na ficha de notificação, desenvolvida de setembro de 2017 a julho de 2018. Resultados: O tipo de violência prevalente foi a negligência (80,66%), sendo a recorrência ausente em 87,3%. Foram registrados 6,63% de casos de violência sexual isolada ou associada à outra forma, como a física e a psicológica; desse total, houve predomínio do assédio sexual (25%). Conclusões: A percepção da dimensão da violência infantil ainda é insuficiente, pois os dados evidenciam apenas uma pequena parcela da realidade. Os resultados da pesquisa possibilitaram o direcionamento e a referência para a elaboração de ações que objetivaram enfrentar a violência contra crianças por meio do conhecimento do perfil das vítimas atingidas.

Palavras-chave


maus-tratos infantis; notificação de abuso; atitude do pessoal de saúde; percepção; monitoramento epidemiológico

Texto completo:

PDF

Referências


Silva PA. Notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes como exercício de poder e resistência [tese]. Rio Grande: Universidade Federal de Rio Grande; 2015.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: ABRASCO; 2012.

Pesce R. Violência familiar e comportamento agressivo e transgressor na infância: uma revisão da literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(2):507-18. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000200019

Monteiro EMLM, Brandão Neto W, Gomes IMB, reitas RBN, Brady CL, Moraes MUB. Violência contra criança e adolescente: rompendo o silêncio. Rev Rene. 2009;10(3):107-16.

Moreira TNF, Martins CL, Feuerwerker LCM, Schraiber LB. A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família. Saúde Soc. 2014;23(3):814-27. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300007

Sousa GFP, Carvalho MMP, Granville-Garcia AF, Gomes MNC, Ferreira JMS. Conhecimento de acadêmicos em odontologia sobre maus-tratos infantis. Odonto. 2012;20(40):109-17. doi: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1000/odonto.v20n40p109-117

Rates SMM, Melo EM, Mascarenhas MDM, Malta DC. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias, Brasil 2011. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(3):655-65. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.15242014

Oliveira RNG. Violência de gênero e necessidades em saúde: limites e possibilidades da estratégia saúde da família [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2011.

Zambon MP, Jacintho ACA, Medeiros MM, Guglielminetti R, Marmo DB. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: um desafio. Rev Assoc Méd Bras. 2012;58(4):465-71. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302012000400018

Veloso LUP, Silva LCL, Sousa CR, Rodrigues PL. Perfil de violência em crianças de 0 a 9 anos atendidas em um hospital público. Rev Enferm UFPI. 2015;4(1):97-105. doi: https://doi.org/10.26694/reufpi.v4i1.3529

Acioli RML, Lima MLC, Braga MC, Pimentel FC, Castro AG. Violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: identificação, manejo e conhecimento da rede de referência por fonoaudiólogo em serviçosn públicos de saúde. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2011;11(1):21-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292011000100003

Oliveira HC, Pinto Junior EP, Tavares LT, Guimarães MAP, Oliveira MND. Notificação compulsória de violência sexual contra crianças e adolescentes. Arq Ciênc Saúde. 2015;22(4):26-30. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.4.2015.59

Apostólico MR, Nóbrega CR, Guedes RN, Fonseca RMGS, Egry EY. Características da violência contra a criança em uma capital brasileira. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(2):266-73.

Brasil. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violência. Orientações para gestores e profissionais de saúde. Versão preliminar. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Garbin CAS, Queiroz APDG, Rovida TAS, Saliba O. A violência familiar sofrida na infância: uma investigação com adolescentes. Psicol Rev. 2012;18(1):107-18. doi:http://dx.doi.org/10.5752/P.1678-9563.2012v18n1p107

Garbin CAS, Rovida TAS, Joaquim RC, Paula AM, Queiroz APDG. Violência denunciada: ocorrências de maus tratos contra crianças e adolescentes registradas em uma unidade policial. Rev Bras Enferm. 2011;64(4):665-70. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000400006

Martins CBG, Jorge MHPM. A violência contra crianças e adolescentes: características epidemiológicas dos casos notificados aos Conselhos Tutelares e programas de atendimento em município do Sul do Brasil, 2002 e 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(4):315-34. doi:http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742009000400002

Sommer D, Franciscatto LG, Getelina CO, Salvador K. Caracterização da violência contra crianças e adolescentes: indicativos para a prática do enfermeiro. Rev Enferm. 2017;13(13):14-28.




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2019v21i3a3

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.