OS DESLOCAMENTOS CONTEMPORÂNEOS DOS KAINGANG DA BACIA DO TIBAGI/PARANÁ

Kimiye Tommasino

Resumo


Após a conquista e confinamento em áreas delimitadas pelo Estado, os Kaingang tiveram de se adaptar à nova realidade a que foram submetidos em diferentes momentos de sua história recente. O tempo atual (uri), como povo não livre, mas submetido ao poder do Estado nacional, os Kaingang foram tecendo, aos poucos, um novo tempo. Enquanto puderam viver dos recursos naturais nas florestas de araucária e campos, os Kaingang mantiveram o modo de vida do vãsy. À medida que as frentes de expansão nacional foram invadindo suas terras, derrubando suas florestas e usando seus campos para a criação de gado e muares, o vãsy foi desaparecendo e um novo tempo foi sendo construído. Esse novo tempo, o uri, não se confunde com o tempo do branco, mas é uma construção kaingang, tecida por eles na relação com o sistema de mercado envolvente. Nosso foco será, portanto, mostrar o sentido dos deslocamentos kaingang no vãsy e após o contato, falar sobre o nascimento do novo tempo, o uri e desenvolver algumas considerações sobre os novos deslocamentos que hoje praticam os Kaingang contemporâneos.


Palavras-chave


Índios Kaingang no Paraná; deslocamentos no tempo antigo (vãsy); Kaingang e mercado de trabalho; deslocamentos no tempo atual (uri)

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.