A COMPETÊNCIA LEXICAL DE ALUNOS UNIVERSITÁRIOS APRENDENDO A LER EM INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

Matilde V. Ricardi Scaramucci

Resumo


Neste artigo apresento uma caracterização da competência lexical (conhecimento de vocabulário e uso desse conhecimento) de alunos aprendendo a ler em inglês como língua estrangeira (LE doravante) em uma universidade estadual paulista. Apesar de se afirmar muito freqüentemente que o vocabulário é uma das maiores fontes de dificuldade do leitor em LE, não se tem dados na literatura que mostrem a extensão dessas dificuldades. Essa caracterização se baseia, em parte, em dados de uma pesquisa anterior mais ampla, que envolve duas fases – quantitativa e qualitativa – visando a investigar, na perspectiva de um modelo de leitura interativo, a relação entre competência lexical e compreensão em leitura em LE. Para o presente trabalho, foram considerados o produto de testes de vocabulário de 49 sujeitos (fase quantitativa) e os protocolos de leitura de três sujeitos de diferentes graus de proficiência em leitura, selecionados a partir da fase anterior (fase qualitativa). Um conceito rico de vocabulário foi adaptado e usado tanto para o desenvolvimento dos testes de vocabulário como para a análise dos protocolos. Os resultados dos dois estudos mostram, com algumas exceções, que a competência lexical do grupo investigado é vaga e imprecisa, tanto do ponto de vista do número de palavras conhecidas, como do ponto de vista da profundidade desse conhecimento. Implicações para o ensino da leitura em LE são discutidas.

Palavras-chave


Leitura; Inglês; Língua Estrangeira; Conceito Rico de Vocabulário; Competência Lexical

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X