'A MANHÃ É UMA ESPONJA': UM ESTUDO SOBRE A ENGENHOSIDADE SEMÂNTICA

Roberta Pires de Oliveira

Resumo


O meta-conceito 'metáfora' permite a elaboração de uma hipótese sobre a interpretação de metáforas inovadoras e sua relação com a engenhosidade semântica. Um proferimento é metafórico se, e somente se, ao mesmo tempo, um intérprete atribuir-lhe uma avaliação de ficcionalidade e sua interpretação se fizer através do procedimento semântico de projeção de predicados. Dada essa definição, o artigo procura mostrar que a interpretação de proferimentos metafóricos é função da presença simultânea de restrições advindas de diferentes lugares: restrições sintáticas, semânticas e pragmáticas. São essas restrições que balizam o procedimento de projeção de predicados. Ao final, defenderemos que nesse procedimento de projeção podemos reconhecer uma engenhosidade semântica, que não se confunde com a criatividade sintática tal qual é apresentada por Chomsky. A engenhosidade semântica pode ser melhor percebida na interpretação de metáforas inovadoras. Ela está, no entanto, presente na polissemia. Trata-se da capacidade de construir relações de similaridades.

Palavras-chave


Literal; Metafórico; Sentido; Avaliação; Criatividade Semântica

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X