Derrubando os muros para construir pontes: a arqueologia brasileira e a Teoria Queer

Arkkley Marques Bandeira

Resumo


Neste texto, reflito sobre uma perspectiva teórica que vem se consolidando de maneira bastante promissora na arqueologia brasileira, sobretudo por engajar diferentes vozes em torno de temáticas que até o início do século XXI não costumavam ocupar a agenda da práxis arqueológica. A Teoria Queer vem descortinando um universo de possibilidades para um fazer acadêmico politicamente engajado e com ressonância no presente. Neste texto não apresentarei modelos ou receitas prontas, por compreender que as narrativas Queer são antinormativas, não essencialistas e críticas, portanto, plurais, negociáveis, fluídas, além de refletirem muitas questões que nos acometem no presente. A minha proposta é subsidiar, a partir do meu lugar de fala, as reflexões que estou realizando acerca de algumas abordagens Queer, alicerçando minhas reflexões no pensamento de pioneiras e pioneiros que já trilharam o caminho que ainda estamos por percorrer no campo da arqueologia.


Palavras-chave


Teoria Queer; Arqueologia; Decolonialidade; Engajamento; Ativismo

Texto completo:

PDF

Referências


AIMERS, James; RUTECKI, Dawn M. Brave. New World: interpreting sex, gender, and sexuality in the past. The SAA Archaeological Record, v. 16, n. 1, p. 12 – 17, 2016.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BENTO, Berenice. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

BERNINI, Lorenzo. Apocalipsis Queer: elementos de teoría antissocial. Madri: Editorial Egales, 2015.

BLACKMORE, Chelsea. How to Queer the Past Without Sex: queer theory, feminisms and the archaeology of identity. Archaeologies: Journal of the World Archaeological Congress, v. 7, n.1, p. 75 - 96, 2011.

BUTLER, Judith. Cuerpos que Importan – Sobre os límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires/Barcelona/México: Paidós. 2002.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

COLLING, Leandro. Como pode a mídia ajudar na luta pelo respeito à diversidade sexual e de gênero? In PELÚCIO, Larissa et al. (orgs.). Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

COLLING, Leandro. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. Salvador: EDUFBA, 2015a.

COLLING, Leandro. Quatro dicas preliminares para transar a genealogia do queer no Brasil. In: BENTO, B.; FÉLIX-SILVA, A. V. Desfazendo gênero: subjetividade, cidadania, transfeminismo. Natal: EDUFRN, p. 223 – 242, 2015b.

COLLING, Leandro. Impactos e/ou sintonias dos estudos queer no movimento LGBT do Brasil. In GREEN, James N. et al. (orgs). História do movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Alameda, p. 515-531, 2018.

COLLING, Leandro. Mais definições em trânsito: Teoria Queer. [S.D.]. Disponível em http://www.cult.ufba.br/maisdefinicoes/TEORIAQUEER.pdf. Consultado em 26 de janeiro de 2019.

CROUCHER, Karina. “Queering Near Eastern archaeology”. World Archaeology, v. 37, n. 4, p. 610 – 20, 2005.

DOWSON, Thomas A. Why Queer Archaeology? An Introduction. World Archaeology, v. 32, n. 2, Queer Archaeologies, p. 161 – 165, 2000.

DOWSON, Thomas A. Queer Theory Meets Archaeology: disrupting epistemological privilege and heteronormativity in constructing the past. In: GIFFNEY, Noreen; O’ROURKE, Michael. (eds.). The Ashgate Research Companion to Queer Theory. Abingdon: Taylor Francis, p. 277-294, 2009.

ENG, David L.; HALBERSTAM, Judith; MUÑOZ, José Esteban. What’s queer about queer studies now? Duke University Press, 2005.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. São Paulo: Graal, 2005.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 2006.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, 7ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Arqueologia. São Paulo: Contexto, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Teoria Arqueológica na América do Sul. Campinas: IFCH-UNICAMP, 1998.

GAMSON, Joshua. Deben autodestruirse los movimentos identitarios? Um extraño dilema. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida (org.). Sexualidades transgressoras: una antología de estudios queer. Barcelona: Icaria, p. 142-172, 2002.

GNECCO, Cristóbal. Escavando arqueologias alternativas. Revista de Arqueologia. São Paulo: Sociedade de Arqueologia Brasileira, v. 25, n.1, p. 8 - 23, 2012.

HODDER, Ian. Reading the Past. Cambridge: Cambridge Press, 1986.

HODDER, Ian. Interpretación en arqueología. Barcelona: Crítica, 1994.

HODDER, Ian. Post-processual and interpretive archaeology. In RENFREW, Colin; BAHN, Paul (eds.). Archaeology: the key concepts. Nova York: Routledge, 2005.

KLEMBARA, Nathan. Queer archaeology: presente and future. Disponível em: http://mapabing.org/author/nklembara/ consultado em 26 de janeiro de 2019.

LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Traduções: Tomaz Tadeu da Silva. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer: Uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas. v. 9, n. 2, Florianópolis, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Um Corpo Estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte, Autêntica, 2004.

LUGARINHO, Mário César. Como traduzir a teoria queer para a língua portuguesa. Revista Gênero, v. 1, n. 2, 2001.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, p. 150 - 182, 2009.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

REA, Caterina Alessandra; AMANCIO, Izzie Madalena Santos. Descolonizar a sexualidade: Teoria queer of Colour e trânsitos para o Sul. Cadernos Pagu, n. 53, p. 1 – 38, 2018.

RUTECKI, Dawn M.; Blackmore, Chelsea. Towards an Inclusive Queer Archaeology: An Overview and Introduction. The SAA Archaeological Record, v. 16, n. 1, p. 9 – 11, 2016.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Tendencies. Londres: Routledge, 1994.

SPARGO, Tamsin. SPARGO, Tamsin. Foucault e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

TILLEY, Christopher. Archaeology as socio-political action in the present. In: WHITLEY, David S. (ed.) Reader in Archaeology post-processual e cognitive approaches. New York e London: Routledge, p. 305 – 330, 1998.

UCKO, Peter John. Introduction: archaeological interpretation in a world contexto. In UCKO, Peter (ed.). Theory in archaeology. Londres: Routledge, 1995.

VOSS, Barbara L. Engendered archaeology: men, women, and others. In HALL, M.; SILLIMAN, S. (es.). Historical Archaeology. Londres: Blackwell Publishing, p. 107 – 127, 2006.

HALL, M. Sexuality Studies in Archaeology. Annual Review of Anthropology, v. 37, p. 317 - 336, 2008.

VOSS, Barbara. L.; SCHMIDT, Robert. A Archaeologies of Sexuality: An Introduction. In SCHMIDT, Robert.; VOSS, Barbara (ed.). A World Archaeology. Londres: Routledge, p. 1 – 35, 2000.




DOI: https://doi.org/10.23925/poliética.v8i2.51064

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexadores: LivRe; Sumários.org; Latindex