Sentimentos maternos frente à hospitalização de um recém-nascido na UTI neonatal

Autores

  • Alcione Correia de Lima PUC-PR
  • Reginaldo Passoni dos Santos PUC-PR
  • Simone Pereira Silva PUC-PR
  • Janaína Verônica Lahm PUC-PR

Palavras-chave:

unidades de terapia intensiva neonatal, relações mãe-filho, comunicação, enfermagem materno-infantil, cuidados de enfermagem

Resumo

Este estudo teve como objetivo compreender os sentimentos vivenciados pelas mães de recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Trata-se de uma pesquisa descritiva-exploratória de abordagem qualitativa, realizada em um hospital público/privado de médio porte, localizado na região Oeste do interior do Paraná. Após aprovação do projeto pelo Comitê de Ética, realizou-se entrevista gravada com oito mães de recém-nascidos internados na UTIN. A coleta de dados ocorreu no mês de julho de 2011 e estes foram interpretados conforme a análise de conteúdo, da qual emergiram cinco categorias. Os resultados revelaram que a notícia da internação do filho desencadeou nas mães diversos sentimentos que, em sua maioria, relacionam-se à perda. Considera-se necessário sensibilizar toda a equipe que atua na área de Neonatologia e capacitar os enfermeiros para que possam oferecer suporte emocional aos familiares durante o processo de reabilitação do neonato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alcione Correia de Lima, PUC-PR

Enfermeira. Aluna do curso de pós-graduação em Controle de Infecção Hospitalar PUC-PR

Reginaldo Passoni dos Santos, PUC-PR

Acadêmico do curso de Enfermagem PUC-PR

Simone Pereira Silva, PUC-PR

Enfermeira. Professora do curso de Enfermagem PUC-PR

Janaína Verônica Lahm, PUC-PR

Enfermeira. Professora do curso de Enfermagem PUC-PR

Referências

Frota MA, Campos ACS, Pimentel ZB, Esteche CMGCE. Recém-nascido em uma unidade de internação neonatal: crenças e sentimentos maternos. Cogitare Enferm. 2007;12(3):323-9.

Costa MCG, Arantes MQ, Brito MDC. A UTI neonatal sob ótica das mães. Rev Eletr Enferm [Internet]. 2010 [acesso em 25 fev. 2011];12(4):698-704.

Reichert APS, Lins RNP, Collet N. Humanização do cuidado da UTI Neonatal. Rev Eletr Enferm [Internet]. 2007 [acesso em 06 jun. 2011]; 9(1):200-13. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n1/pdf/v9n1a16.pdf.

Guedes JAD. Enfermagem na pesquisa sobre visitas ao recém-nascido em UTI neonatal. Rev Pesq Cuidad Fundam [Internet]. 2010;(2 Suppl):760-3. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewArticle/1121.

Knobel E. Condutas no paciente grave. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 1998.

Carvalho JBL, Araújo ACPF, Costa ICC, Brito RS, Souza NL. Representação social de pais sobre o filho prematuro na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Bras Enferm. 2009;62(5):734-8.

Carvalho RMA. A enfermagem na promoção da presença dos pais-familiares em CTI pediátrica/neonatal. Rev Méd Hosp São Vicente de Paulo. 2002;14(31):32-4.

Costa RMJ, Nascimento MJP. A responsabilidade do enfermeiro na humanização da assistência em terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UNISA. 2001; 2:44-4.

Camargo CL, Torre MPSL, Oliveira AFVR, Quirino MD. Sentimentos maternos na visita ao recém-nascido internado em unidade de terapia intensiva. Ciênc Cuidado Saúde. 2004; 3(3):267-75.

Campos ACS, Odísio MHR, Oliveira MMC, Esteche CMGCE. Recém-nascido na unidade de internação neonatal: o olhar da mãe. Rev RENE. 2008;9(1):52-9.

Sampieri RH, Collado CF, Lucio PB. Metodologia de pesquisa. 3ª ed. São Paulo: McGraw-Hill; 2006.

Soares LO, Santos RF, Gasparino RC. Necessidades de familiares de pacientes internados em unidade de terapia intensiva neonatal. Texto Contexto Enferm. 2010;19(4):644-50.

Magalhães JF, Lima FET, Rolim KMC, Cardoso MVLML, Scherlock MSM, Albuquerque NLS. Respostas fisiológicas e comportamentais de recém-nascidos durante o manuseio em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev.RENE. 2011;12(1):136-43.

Tamez RN, Silva MJP. Enfermagem na UTI neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

Raad AJ, Cruz AMC, Nascimento MA. A realidade das mães numa unidade de terapia neonatal. Rev Psicol. 2006;7(2):85-92.

Souza J, Silva LMS, Guimarães TA. Preparo para alta hospitalar de recém-nascido em unidade de tratamento intensivo neonatal: uma visão da família. Pediatria. 2008;30(4):217-27.

Santos MCL, Moraes GA, Vasconcelos MGL, Araújo EC. Sentimentos de pais diante do nascimento de um recém-nascido prematuro. Rev Enferm UFPE. 2007;1(2):140-9.

Karst LT. Musicoterapia com mães de recém-nascidos internados em UTI neonatal [monografia na Internet]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2004. [acesso em 26 ago. 2011]. Curso de Musicoterapia da Escola de Música e Artes Cênicas. Disponível em: http://www.sgmt.com.br/musicoterapiamaesutineonatal_lara_karst.pdf.

Sales CA, Alves NB, Vrecchi MR, Fernandes J. Concepções das mães sobre os filhos prematuros em UTI. Rev Bras Enferm. 2006;59(1):20-4.

Alves VH, Costa SF, Vieira BDG. A permanência da família em unidade de terapia intensiva neonatal: imaginário coletivo dos enfermeiros. Ciênc Cuidado Saúde. 2009;8(2):250-6.

Lohmann PM. O ambiente de cuidado em UTI neonatal: a percepção dos pais e da equipe de saúde [dissertação]. Lajeado: Centro Universitário Univates; 2011.

Montanholi LL. A atuação da enfermeira na UTI neonatal: entre o ideal, o real e o possível [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2008.

Downloads

Publicado

2013-12-16

Como Citar

Lima, A. C. de, Santos, R. P. dos, Silva, S. P., & Lahm, J. V. (2013). Sentimentos maternos frente à hospitalização de um recém-nascido na UTI neonatal. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 15(4), 112–115. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/15163

Edição

Seção

Artigo Original