Transformações da indústria farmacêutica no Brasil e o gerenciamento da saúde

Carlos Pappini Júnior, Maria Cristina Sanches Amorim

Resumo


Transformações na base tecnológica da indústria e na produção de medicamentos e vacinas, na aquisição de medicamentos e no acesso à saúde iniciadas em 2000 estão mudando o negócio farmacêutico no Brasil. Da relação entre indústria e consumidores finais mediada pelo médico (conhecida como B2C), estamos diante da organização de relações entre indústria e outras organizações, principalmente públicas (denominadas B2B). Entre as consequências da transformação estão o redesenho das estratégias das empresas farmacêuticas, participação de outros profissionais (além dos médicos) na decisão da indicação dos medicamentos e necessidade de competências na área de farmacoeconomia e gestão de projetos para os profissionais envolvidos com saúde.


Palavras-chave


indústria farmacêutica; farmacoeconomia; economia da saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei no 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências [internet]. Brasília, DF; 1999 [acesso em 25 set. 2011]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9787.htm.

Pappini Jr C. Liderança e indicadores de desempenho da equipe de acesso e vendas institucionais da indústria farmacêutica no Brasil [dissertação]. São Paulo: PUC-SP; 2012.

Organization for Economics Co-operation and Development [Internet]. Paris: OECD; 2013 [acesso em 25 jul. 2013]. Disponível em: http://www.oecd.org/.

Gadelha CG. O complexo industrial da saúde e a necessidade de enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(2):521-35.

Brasil. Ministério da Saúde. Dados da Secretaria Ciência Tecnologia e Insumos estratégicos com base nos dados do DAF, DECIIS e NIVES/SV. Carlos Gadelha, apresentador. São Paulo: Evento Interfarma; 2013.

Towers Perrin. Planos de benefícios no Brasil: 27ª pesquisa. São Paulo: Towers Perrin; 2009.

Interfarma. Relatório do estudo sobre acesso ao mercado. São Paulo: Interfarma; 2008.

Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Experiências de financiamento da saúde dos idosos em países selecionados: relatório executivo. Rio de Janeiro: ANSS; 2011.

Ingram TB, LaForge RW, Avila RA, Schwepker CH Jr, Williams MR. Gerenciamento de vendas: análise e tomada de decisão. São Paulo: Cengage Learning; 2008.

Sousa JAR. Gerenciamento do benefício em medicamentos: instrumento de informações para prevenção e promoção de saúde. In: Perillo EBF; Amorim MCS, organizadores. Para entender a saúde no Brasil. São Paulo, LCTE; 2009. v. 3.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.