Trauma: estudo de necrópsias

Autores

  • Roberto Almeida Rêgo de Souza Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Danilo Oliveira Nascimento
  • Hugo Henrique Ribeiro de Almeida
  • Fabíola Mafia Meira
  • Irany Santana Salomão
  • Carlos Vitório de Oliveira

Palavras-chave:

ferimentos e lesões, causas de morte, autopsia, homicídio, acidentes de trânsito

Resumo

Objetivo: realizar um levantamento epidemiológico dos óbitos por trauma submetidos à necropsia. Métodos: foi realizado um estudo retrospectivo através da análise de 412 prontuários, referentes aos óbitos por trauma no ano de 2014, submetidos á necropsia no Instituto Médico Legal de Itabuna/BA, avaliando as seguintes variáveis: sexo, idade, estado civil, raça, escolaridade, atendimento pré-hospitalar, consequência da morte, tipo de trauma, mecanismo do trauma, topografia da lesão, causa da morte, dia, horário e cidade na qual ocorreu o fato. Os dados foram divididos em dois grupos: I trauma penetrante e II trauma contuso. Resultados: a grande maioria era do sexo masculino (93%), parda (95%), solteira (83%), com escolaridade até o fundamental I (42%), prevalecendo a faixa- etária entre 25 e 29 anos de idade (67%), tendo como consequência da morte o homicídio (62%). O tipo de trauma mais frequente foi o penetrante (61%), sendo o crânio a região do corpo mais afetada (65%). As hemorragias intracranianas foram as principais causas de morte (30,8%). Os ferimentos por projéteis de arma de fogo prevaleceram no grupo I e os acidentes automobilísticos no grupo II. Conclusão: a população mais acometida pelos óbitos por causas externas no município de Itabuna, Bahia, é constituída por jovens, pardos, solteiros, do sexo masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Roberto Almeida Rêgo de Souza, Universidade Estadual de Santa Cruz

Discente do 3° ano de medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz

Danilo Oliveira Nascimento

Discente do 3° ano de medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz

Hugo Henrique Ribeiro de Almeida

Discente do 3° ano de medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz

Fabíola Mafia Meira

Discente do 3° ano de medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz

Irany Santana Salomão

Professor Assistente da Universidade Estadual de Santa Cruz

Carlos Vitório de Oliveira

Professor Assistente da Universidade Estadual de Santa Cruz

Referências

Gonsaga RAT, Rimoli CF, Pires EA, Zogheib FS, Fujino MVT, Cunha MB. Avaliação da mortalidade por causas externas. Rev Col Bras Cir. 2012;39(4):263-7.

Caixeta CR, Minamisava R, Oliveira LMAC, Brasil VV. Morbidade por acidentes de transporte entre jovens de Goiânia, Goiás. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(4):2075-84.

Fraga GP, Heinzl LR, Longhi BS, Silva DC, Fernandes-Neto FA, Mantovani M. Trauma cardíaco: estudo de necropsias. Rev Col Bras Cir. 2004;31(6):386-90.

DATASUS. Óbitos por causas externas: Bahia. Óbitos por residência segundo município: período 2012. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Santos AAP. Diagnóstico da violência e criminalidade em Itabuna-BA. Itabuna: Instituto PROSEM; 2012.

Martin BT, Fallon WF Jr, Palmieri PA, Tomas ER, Breedlove L. Autopsy data in the peer review process improves outcomes analysis. J Trauma. 2007;62(1):69-73.

Fares AF, Fares J, Fares GF, Cordeiro JA, Nakazone MA, Cury PM. Discrepâncias clínico-patológicas e achados cardiovasculares em 409 autópsias consecutivas. Arq Bras Cardiol. 2011;97(6):449-53.

Marx WH, Simon HM, Jumbelic M, Sposato E, Nieman G. Severity of injury is underestimated in the absence of autopsy verification. J Trauma. 2004;57(1):46-9.

Wilson JL, Herbella FAM, Takassi GF, Moreno DG, Tineli AC. Lesões fatais em trauma numa grande metrópole brasileira: um estudo de autopsias. Rev Col Bras Cir. 2011; 38(2):122-6.

Sharma BR, Gupta M, Harish D, Singh VP. Missed diagnoses in trauma patients vis-à-vis significance of autopsy. Injury. 2005;36(8):976-83.

Facó MM, Nukumizu LA, Moraes AJP, Barros PCB, Troster EJ, Silva CAA. Avaliação dos óbitos e necropsias em pacientes internados em um Serviço de Reumatologia Pediátrica por um período de dez anos. Rev Bras Reumatol. 2005;45(2):55-63.

Gruen RL, Jurkovich GJ, McIntyre LK, Foy HM, Maier RV. Patterns of errors contributing to trauma mortality: lessons learned from 2,594 deaths. Ann Surg. 2006;244(3):371-80.

Kipsaina C, Ozanne-Smith J, Bartolomeos K, Routley V. Mortuary based injury surveillance for low-mid income countries: process evaluation of pilot studies. Injury. 2015;46:1509-14.

Santos FBO, Carvalho LW. Análise da morbimortalidade de vítimas de acidentesde trânsito: uma revisão. Rev Enferm UFSM. 2013;1:53-9.

Søreide K, Krüger AJ, Várdal AL, Ellingsen CL, Søreide E, Lossius HM. Epidemiology and contemporary patterns of trauma deaths: changing place, similar pace, older face. World J Surg. 2007;31(11):2092-103.

Velmahos GC, Degiannis E, Souter I, Saadia R. Penetrating trauma to the heart: a relatively innocent injury. Surgery. 1994;115(6):694-7.

Durham LA, Richardson RJ, Wall MJ, Pepe PE, Mattox KL. Emergency center thoracotomy: impact of prehospital resuscitation. J Trauma. 1992;32(6):775-9.

Costa FAMM, Trindade RFC, Santos CB. Mortes por homicídios: série histórica. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014;22(6):1017-25.2

Downloads

Publicado

2015-12-11

Como Citar

Souza, R. A. R. de, Nascimento, D. O., Almeida, H. H. R. de, Meira, F. M., Salomão, I. S., & Oliveira, C. V. de. (2015). Trauma: estudo de necrópsias. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 17(4), 206–209. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/24386

Edição

Seção

Artigo Original