Assistência ao puerpério imediato: o papel da fisioterapia

Autores

  • Juliana Schulze Burti PUC-SP
  • Juliana de Paula da Silva Cruz PUC-SP
  • Ana Claudia da Silva PUC-SP
  • Isabella de Leão Moreira PUC-SP

DOI:

https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201625440

Palavras-chave:

período pós-parto, fisioterapia, saúde da mulher, parto

Resumo

Objetivo: Verificar os efeitos da intervenção fisioterapêutica no atendimento a mulheres no puerpério imediato numa maternidade pública da cidade de Barueri, São Paulo, Brasil. Métodos: Foram incluídas mulheres no puerpério imediato após parto vaginal ou cesárea. As mulheres foram submetidas à avaliação fisioterapêutica, seguida de uma única intervenção com duração média de 45 minutos, incluindo exercícios de reeducação diafragmática e abdominal, treinamento da musculatura do assoalho pélvico, exercícios metabólicos, manobra para eliminação de flatos e orientações quanto à postura, deambulação precoce e incentivo ao aleitamento materno. Antes e após a realização dos exercícios foi aplicada a escala visual analógica (EVA) de dor e a escala subjetiva para o bem-estar geral. Na análise estatística, o nível de significância utilizado para os testes foi de 5%. Resultados: Foram avaliadas 50 puérperas, 25 de parto vaginal e 25 cesáreas. Após a intervenção, que obteve 100% de adesão, houve melhora significativa da dor nos grupos cesárea (3,99±2,11 para 2,85±2,63) e parto vaginal (2,00±1,52 para 1,34±0,92) (p<0,05). E 82% da amostra referiu melhora em relação ao bem-estar geral, independentemente do tipo de parto. Conclusão: O protocolo de exercícios se mostrou eficaz para diminuição da dor e melhora do bem-estar geral, em parturientes de pós-parto imediato atendidas na maternidade do Serviço de Assistência Médica de Barueri (SAMEB), São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliana Schulze Burti, PUC-SP

Fisioterapeuta formada pela FMUSP, mestrado em Ciências da Saúde pela Unifesp, Especialização em Fisiologia do Exercício pela Unifesp e docente do curso de Fisioterapia da Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde da PUC-SP.

Juliana de Paula da Silva Cruz, PUC-SP

Fisioterapeuta formada pela PUC-SP

Ana Claudia da Silva, PUC-SP

fisioterapeuta formada pela PUC-SP

Isabella de Leão Moreira, PUC-SP

Fisioterapeuta formada pela PUC-SP com especialização em Saúde da Mulher pelo HC-FMUSP.

Referências

Chiarapa TR, Cacho DP, Alves AFD. Incontinência urinária feminina: assistência fisioterapêutica e multidisciplinar. São Paulo: Livraria Médica Paulista; 2007. p. 181-94.

Carvalho GM. Enfermagem em obstetrícia. 3ª ed. São Paulo: EPU; 2007. p. 179-202.

Neumann DA. Cinesiologia do aparelho musculoesquelético: fundamentos para reabilitação. 2a ed. São Paulo: Elsevier; 2011. p. 353-65.

Kapandji IA. A coluna lombar. In: Kapandji IA. Fisiologia articular: esquemas comentados de mecânica humana. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000. v. 3, p. 76-112.

Rett MT, Araújo FR, Rocha I, Silva RA. Diastasis of rectus abdominis muscle immediately postpartum of primiparous and multiparous after vaginal delivery. Fisioter Pesqui. 2012;19(3):236-41.

Rett MT, Bernardes NO, Santos AM, Oliveira MR, Andrade SC. Atendimento de puérperas pela fisioterapia em uma maternidade pública humanizada. Fisioter Pesqui. 2009;15(4):361-6.

Ashrafinia F, Mirmohammadali M, Rajabi H, Kazemnejad A, Sadeghniiat Haghighi K, Amelvalizadeh M. Effect of Pilates exercises on postpartum maternal fatigue. Singapore Med J. 2015;56(3):169-73.

Evenson KR, Mottola MF, Owe KM, Rousham EK, Brown WJ. Summary of international guidelines for physical activity following pregnancy. Obstet Gynecol Surv. 2014;69(7):407-14.

Marques MC, Bezerra RS. Protocolo de exercício para mulheres no puerpério imediato: associação com o tipo de parto [tese]. Bragança Paulista: Universidade São Francisco; 2008.

Mesquita LA, Machado AV, Andrade AV. Fisioterapia para redução da diástase dos músculos retos abdominais no pós-parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 1999;21(5):267-72.

Liz AN, Magalhães GM, Beuttenmüller L, Bastos VPD. Fisioterapia no período puerperal: revisão sistemática. Corpvs. 2013;1(27):9-20.

Wagner A, Ribeiro LS, Arteche AX, Bornholdt EA. Configuração familiar e o bem-estar psicológico dos adolescentes. Psicol Reflex Crit. 1999;12(1):147-56.

Santos MD, Silva RM, Vicente MP, Palmezoni VP, Carvalho EM, Resende APM. Does abdominal diastasis influence lumbar pain during gestation? Rev Dor. 2016;17(1):43-6.

Lorena SB, Pimentel EAS, Fernandes VM, Pedrosa MB, Ranzolin A, Duarte ALBP. Evaluation of pain and quality of life of fibromyalgia patients. Rev Dor. 2016;17(1):8-11.

Rosner B. Fundamentals of biostatistics. 2nd ed. Boston: PWS Publishers; 1986. 584 p.

Santana LS, Gallo RBS, Marcolin AC, Ferreira CHJ, Quintana SM. Utilização dos recursos fisioterapêuticos no puerpério: revisão da literatura. Femina. 2011;39(5):245-50.

Declercq E, Cunningham DK, Johnson C, Sakala C. Mothers’ reports of postpartum pain associated with vaginal and cesarean deliveries: results of a national survey. Birth. 2008;35(1):16-24.

Lämås K, Lindholm L, Stenlund H, Engström B, Jacobsson C. Effects of abdominal massage in management of constipation: a randomized controlled trial. Int J Nurs Stud. 2009;46(6):759-67.

Veringa I, Buitendijk S, Miranda E, Wolf S, Spinhoven P. Pain cognitions as predictors of the request for pain relief during the first stage of labor: a prospective study. J Psychosom Obstet Gynaecol. 2011;32(3):119-25.

Curzik D, Jokic-Begic N. Anxiety sensitivity and anxiety as correlates of expected, experienced and recalled labor pain. J Psychosom Obstet Gynaecol. 2011;32(4):198-203.

Caromano F, Sayuri E, Cruz CMV, Candeloro JM, Burti JS, Andrade LZ. Mobilidade torácica e pressões respiratórias máximas durante a gestação. Fisioter Bras. 2006;7(1):5-7.

Jensen D, Webb KA, O’Donnell DE. Chemical and mechanical adaptations of the respiratory system at rest and during exercise in human pregnancy. Appl Physiol Nutr Metab. 2007;32(6):1239-50.

Pavesi APS, Davanzzo RC, Saldanha MES. Reabilitação fisioterapêutica no puerpério imediato: revisão. Rev Fisioter UNICID. 2003;2(2):131-7.

Serati M, Salvatore S, Khullar V, Uccella S, Bertelli E, Ghezzi F, et al. Prospective study to assess risk factors for pelvic floor dysfunction after delivery. Acta Obstet Gynecol Scand. 2008;87(3):313-8.

Thomason AD, Miller JM, Delancey JO. Urinary incontinence symptoms during and after pregnancy in continent and incontinent primiparas. Int Urogynecol J Pelvic Floor Dysfunct. 2007;18(2):147-51.

Downloads

Publicado

2017-01-23

Como Citar

1.
Burti JS, Cruz J de P da S, Silva AC da, Moreira I de L. Assistência ao puerpério imediato: o papel da fisioterapia. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba [Internet]. 23º de janeiro de 2017 [citado 24º de junho de 2024];18(4):193-8. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/25440

Edição

Seção

Artigo Original