Diagnóstico diferencial de dor abdominal na infância: relato de um caso

Autores

  • Gabriela Moreira de Toledo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Faculdade de Ciências Medicas e da Saúde - Sorocaba (SP), Brasil.
  • Karine Guimarães Lacerda Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Faculdade de Ciências Medicas e da Saúde - Sorocaba (SP), Brasil.
  • Luciana Cristina Viera dos Santos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Faculdade de Ciências Medicas e da Saúde - Sorocaba (SP), Brasil.
  • Maria Carolina Pereira da Rocha

DOI:

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i4a11

Palavras-chave:

dor abdominal, apendicite, pneumonia, doença aguda, diagnóstico diferencial, criança

Resumo

Dor abdominal aguda é uma das principais queixas pediátricas com vários diagnósticos diferenciais. Paciente de dois anos e oito meses, do sexo feminino, negra, natural de Itapeva, São Paulo. Referia dor abdominal, diarreia e tosse havia 16 dias. Foi internada com hipótese diagnóstica de pneumonia. Durante a internação apresentou tosse, gemência, desconforto respiratório, vômitos, diarreia, distensão abdominal e febre. A má evolução do quadro e a piora da dor abdominal levaram à realização de uma tomografia abdominal que revelou apendicolitos. Foi encaminhada ao serviço de referência, onde houve a suspeita de apendicite aguda e foi realizada intervenção cirúrgica. O diagnóstico conclusivo foi de apendicite aguda purulenta. A paciente evoluiu dentro do esperado e teve alta dez dias após a cirurgia. Numerosos distúrbios podem causar dor abdominal; as causas mais comuns são gastroenterite e apendicite; porém, outros diagnósticos diferenciais devem ser considerados, entre eles pneumonia. No caso relatado, apesar de a paciente estar inicialmente taquidispneica, apresentava dor abdominal intensa e desidratação. Uma boa anamnese é fundamental. As alterações laboratoriais são inespecíficas e ocorrerem nos dois casos. Diante de um quadro de pneumonia com má evolução, é importante pensar na possibilidade de outro diagnóstico, entre eles apendicite, se o quadro vier acompanhado de dor abdominal, devido à sua alta morbimortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

Kim JS. Acute abdominal pain in children. Pediatr Gastroenterol Hepatol Nutr. 2013;16(4):219-24. DOI: 10.5223/pghn.2013.16.4.219

Martins SB. Brandão MA, Brandão MB, Reis MC, Servidone MF, Zambon MP. Diagnóstico pouco frequente de dor abdominal em unidade de emergência infantil. Rev Paul Pediatr. 2010;28(2):249-52.

Tannuri U. O surgimento dos métodos de imagem permitiu o diagnóstico mais precoce da apendicite aguda na criança? Rev Assoc Med Bras. 2003;49(4):356-7. DOI: 10.1590/S0104-42302003000400014

Paiva MA, Reis FJ. Fisher GB, Rozov T. Pneumonias na criança. J Bras Pneumol. 1998;24(2):101-8.

Diretrizes brasileiras em pneumonia adquirida na comunidade em pediatria. J Bras Pneumol. 2007;33(Suppl1):31-50. DOI: 10.1590/S1806-37132007000700002

Vicente YA, Santos RO, Stracieri LDS, Sorita MFG, Pileggi FO. Urgências abdominais não traumáticas na criança. Rev Medicina (Ribeirão Preto). 1995;28(4):619-24.

Gomes CA, Nunes TA. Classificação laparoscópica da apendicite aguda: correlação entre graus da doença e as variáveis perioperatórias. Rev Col Bras Cir. 2006;33(5):289‑93. DOI: 10.1590/S0100-69912006000500006

Tavares PB. Urgência em cirurgia pediátrica. Rev Pediatr SOPERJ. 2012;13(2):35-42.

Baratella JR, Sapucaia JR. Apendicite aguda. In: Campos Júnior D, Burns DA, Lopez F, Campos Júnior D. Tratado de pediatria; sociedade brasileira de pediatria. 3ª ed. São Paulo: Manole; 2014. p.3305-8.

Freitas RG, Pitombo MB, Maya MC, Leal PR. Abdome agudo não traumático: apendicite aguda. Rev Hosp Univ Pedro Ernesto UERJ. 2009;8(1):38-51.

Downloads

Publicado

2018-01-29

Como Citar

Toledo, G. M. de, Lacerda, K. G., Santos, L. C. V. dos, & Rocha, M. C. P. da. (2018). Diagnóstico diferencial de dor abdominal na infância: relato de um caso. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 19(4), 220–223. https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i4a11

Edição

Seção

Relato de Caso