Estudo experimental comparativo entre diferentes curativos à base de prata em queimaduras de 2º. grau em ratos

Decio Luis Portella, Mariana Fidelis Solla, Diego Gardenal Alcântra, Hamilton Alleardo Gonella, José Mauro da Silva Rodrigues

Resumo


Introdução: Milhares de pessoas são vítimas de queimaduras todos os anos, sendo a etiologia por escaldo a mais frequente. Muitas dessas vítimas apresentam queimaduras de pequena extensão corpórea e espessura parcial superficial, sendo tratadas de forma ambulatorial ou mesmo não procurando atendimento médico especializado. Em todo o mundo, a utilização de curativos à base de prata tornou-se rotineira e comum, beirando o uso indiscriminado. Diversos são os curativos que apresentam a prata como agente principal. Este trabalho avaliou queimaduras por escaldo, de pequena extensão e espessura parcial em ratos. Material e Métodos: Utilizou-se 45 ratos Wistar divididos em cinco grupos e, após queimadura por escaldo, foram tratados com soro fisiológico, sulfadiazina de prata, carboximetilcelulose com prata (Aquacel®), espuma de polietileno associada à prata (Mepilex®) e prata nanocristalina (Actcoat®). Os ratos foram sacrificados nos dias 1o , 2o , 4o , 6o , 9o , 12o , 18o , 21o , 24o. e a área queimada foi enviada para análise histopatológica, sem o conhecimento de qual curativo foi utilizado. Os critérios de avaliação foram: epitelização; extensão da área cicatrizada; infiltrado inflamatório crônico; neoformação vascular; proliferação fibroblástica, fibras elásticas e colágeno jovem. Para cada critério avaliado, foi atribuído uma nota conforme a sua maior intensidade na lâmina histológica. Resultados: A análise estatística mostrou significância para neoformação vascular (p<0,043), infiltrado inflamatório (p<0.004) e fibras elásticas (p<0,001). Apesar da diferença estatisticamente significante para neoformação vascular entre os grupos, não foi possível identificar qual grupo difere dos demais. A presença de infiltrado inflamatório foi maior nos ratos tratados com sulfadiazina de prata e com Actcoat® que nos ratos tratados com Mepilex® (p = 0,035 e p = 0,019 respectivamente). As fibras elásticas foram estatisticamente maiores nos grupos Actcoat® e sulfadiazina de prata com relação ao controle (p < 0,001 e p = 0,047) e foram maiores no grupo Actcoat® que no grupo Aquacel® (p = 0,005). As feridas apresentaram-se epitelizadas entre o 9o. e 12o. dia, sem preponderância de um curativo específico.O grupo controle apresentou menor resposta inflamatória comparado aos curativos de prata; no entanto, a neoformação vascular e a presença de fibras elásticas também foram menores. Conclusão: Queimaduras de espessura parcial e pequena área corpórea lesada epitelizam independente da utilização de curativos à base de prata. O tratamento com curativo embebido em soro fisiológico não é agressivo ao tecido lesado, apresentando menos infiltrado inflamatório. A presença de fibras elásticas foi maior quando a prata esteve presente.

Palavras-chave


queimadura; escaldo; espessura parcial; curativos; prata

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.