Abordagem do paciente ferido por arma branca na zona de Ziedler

Autores

  • Decio Luis Portella Docente, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • Mariana Fidelis Solla Acadêmico, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • Diego Gardenal Alcântra Acadêmico, Medicina, USF
  • José Mauro da Silva Rodrigues Docente, Medicina, FCMS/PUC-SP

Palavras-chave:

ferimento cardíaco, área de Ziedler, ferimento por arma branca

Resumo

Introdução: Ferimentos cardíacos penetrantes já foram considerados letais e intratáveis. Homero fez a primeira descrição da morte de Sarpedon em A Ilíada, em 3000 a.C. Em 1883, Billroth afirmou em um Congresso Europeu de Cirurgia que "o cirurgião que tentar suturar um ferimento cardíaco deverá perder o respeito de seus colegas". Em 1897, Rehn apresentou o primeiro caso bem sucedido de cardiorrafia de ventrículo direito Cerca de 87% das lesões cardiovasculares são, em particular, oriundas de trauma penetrante. E, as lesões ventriculares são mais frequentes que as atriais Objetivo: Descrever a abordagem realizada no serviço para pacientes com ferimento por arma branca (FAB) na zona de Ziedler, através da experiência de sete casos relatados em 7 anos Discutir a relevância da utilização do FAST (Focused Assesment with Sonography for Trauma) na avaliação primária do protocolo ATLS (Advanced Trauma Life Support) e a sequência de reavaliação, e analisar qual o melhor procedimento diagnóstico e terapêutico para cada apresentação clínica do paciente. Método: Realizou-se um estudo retrospectivo, descritivo e analítico de sete pacientes atendidos no pronto atendimento do Politrauma do Conjunto Hospitalar de Sorocaba. O conteúdo deste trabalho foi obtido através da revisão de prontuário e descrição cirúrgica, registro fotográficos, além de revisão da literatura. Resultados: A experiência do serviço mostra que a abordagem inicial descrita pelo ATLS é fundamental para guiar o atendimento ao ferido. Quando da realização do FAST na avaliação primária indicando ausência de líquido na janela pericárdica deve-se manter o paciente com FAB em zona de Ziedler na sala de urgência sendo assistido por profissionais capacitados. A necessidade de Tomografia Computadorizada com contraste demonstra-se relevante para os casos em que há FAST inconclusivo, ainda que com paciente estável. A amostra exibe um caso de paciente que se apresentou estável à avaliação primária e secundária, com lesão de aparência não profunda e ao exame de imagem constatou-se lesão de vasos subclávios. Ainda, a abordagem terapêutica é dependente da experiência do cirurgião de plantão, caso não haja disponibilidade de cirurgião torácico. E é sabido que em casos com exclusão diagnóstica inconclusiva há a necessidade de abordagem cirúrgica. Em casos de lesões de vasos foram realizadas as rafias. As armas que ainda estavam alojadas foram retiradas no tempo intraoperatório. Conclusão: A discussão em relação a abordagem do paciente com FAB na zona de Ziedler é de grande importância, pois a sua prevalência é considerável. A experiência do serviço demonstra um bom seguimento do atendimento aos pacientes abordados tendo evolução clínica satisfatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2016-10-07

Como Citar

Portella, D. L., Solla, M. F., Alcântra, D. G., & Rodrigues, J. M. da S. (2016). Abordagem do paciente ferido por arma branca na zona de Ziedler. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 18(Supl.), 102. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/29862