Comparação entre métodos subjetivos e objetivo para avaliação de pacientes submetidos a cirurgias funcionais nasais

Autores

  • José Jarjura Jorge Júnior Docente, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • André Canettieri Rubez Acadêmico, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • Ana Paula Berenguer Ribeiro da Silva Acadêmico, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • Danilo Passaro Pires de Mello Acadêmico, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • Mateus Calixto Coulturato Acadêmico, Medicina, FCMS/PUC-SP
  • Victor Reis Guil Acadêmico, Medicina, FCMS/PUC-SP

Resumo

A prevalência da obstrução nasal é estimada em aproximadamente 30% em centros urbanos. A obstrução nasal gera sensação de desconforto pela insuficiente passagem de ar pelo nariz, podendo ocorrer por: obstáculo anatômico, processos alérgicos, processos infecciosos, indução medicamentosa, alterações endócrinas e metabólicas e rinites idiopáticas. São encontradas deficiências na filtração, no aquecimento e umidificação do ar inspirado. Há, também, alteração do padrão respiratório, levando à respiração oral, relacionada diretamente às alterações de sono, face, fala, distúrbios alimentares, alterações posturais, dificuldades escolares e sociais. A septoplastia e a turbinectomia são cirurgias funcionais nasais que visam aliviar a obstrução nasal na ineficácia do tratamento medicamentoso. Objetivo: Comparar os métodos subjetivos e objetivo de avaliação da obstrução nasal em pacientes submetidos a cirurgias funcionais nasais e analisar a eficácia destas cirurgias no pós-operatório precoce (35 a 45 dias) e em longo prazo (seis meses). Materiais e Métodos: A avaliação objetiva foi realizada através do Peak Flow, avaliando a função nasal como um todo. As análises subjetivas foram baseadas na autoavaliação do paciente através da escala visual analógica (EVA), e do nasal index score (NIS). Resultados: Não há diferença significativa entre pré e pós-operatório precoce, pré e pós operatório tardio e pós operatório precoce e tardio, comparando NIS ou EVA com Peak Flow (p ≥ 0,05).Há diferença significativa entre as respostas de evolução do NIS e EVA (p ≤0,05). A evolução do NIS é significativamente maior do que do EVA. A comparação das evoluções do NIS, EVA e Peak Flow, individualmente, mostrou que houve diferença significativa (p ≤ 0,05). Conclusão: Há grande relação entre os métodos subjetivos (NIS e EVA) e objetivo (Peak Flow) para a avaliação da obstrução nasal. Os resultados mostraram eficácia significativa das cirurgias funcionais nasais em pacientes com obstrução nasal no pós-operatório precoce e em longo prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2016-10-07

Como Citar

Jorge Júnior, J. J., Rubez, A. C., Silva, A. P. B. R. da, Mello, D. P. P. de, Coulturato, M. C., & Guil, V. R. (2016). Comparação entre métodos subjetivos e objetivo para avaliação de pacientes submetidos a cirurgias funcionais nasais. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 18(Supl.), 107. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/29867