Serviço de atendimento móvel de urgência: epidemiologia do trauma no atendimento pré-hospitalar

Autores

  • Mateus Kist Ibiapino Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz
  • Vanessa Brito Miguel Couto Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz
  • Bernardo Pires Sampaio Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz
  • Roberto Almeida Rego de Souza Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz
  • Felipe Andreas Padoin Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz
  • Irany Santana Salomão Docente da Universidade Estadual Santa Cruz Coordenador da Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões Membro da Panamerican Trauma Society

DOI:

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i2a5

Palavras-chave:

epidemiologia, serviços médicos de emergência, ferimentos e lesões

Resumo

Objetivo: caracterizar as vítimas de trauma atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) no município de Ilhéus, na Bahia. Método: trata-se de um estudo descritivo e retrospectivo, no qual foram analisados 1.588 registros de eventos traumáticos a partir das seguintes variáveis: sexo, idade, dia da semana, período do dia, mecanismo de trauma, topografia e tipo das lesões, escore de trauma revisado, tipo de unidade móvel empregada, profissional responsável pelo atendimento, tempo até atendimento hospitalar, procedimentos realizados e óbitos. Resultados: houve predomínio de vítimas do gênero masculino (69,5%) e de idades entre 18 e 37 anos (46,5%). As ocorrências concentraram-se nos finais de semanas (37,8%) e no período noturno (52,0%). Evidenciou-se preponderância dos acidentes de trânsito (41,3%) como principal mecanismo do trauma, dentre os quais prevaleceram o envolvimento de motocicletas (73,0%). Em relação à distribuição topográfica da lesão, a maioria acometeu os membros (58,2%). As condutas mais adotadas no atendimento pré-hospitalar foram a imobilização (26,3%) e o curativo compressivo (25,9%). Os óbitos perfizeram 2,7% da amostra total. Conclusão: a população mais acometida por eventos traumáticos em Ilhéus demonstrou ser composta por jovens do sexo masculino envolvidos em acidentes de trânsito, principalmente motociclísticos, durante os fins de semana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mateus Kist Ibiapino, Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz

Medicina, Trauma, Epidemiologia

 

Vanessa Brito Miguel Couto, Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz

Medicina, Trauma, Epidemiologia

Bernardo Pires Sampaio, Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz

Medicina, Trauma, Epidemiologia

Roberto Almeida Rego de Souza, Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz

Medicina, Trauma, Epidemiologia

Felipe Andreas Padoin, Universidade Estadual Santa Cruz Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz

Medicina, Trauma, Epidemiologia

Irany Santana Salomão, Docente da Universidade Estadual Santa Cruz Coordenador da Liga Acadêmica de Trauma e Emergências Professor Irany Salomão da Universidade Estadual Santa Cruz Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões Membro da Panamerican Trauma Society

Medicina, Cirurgia, Trauma, Epidemiologia, Biossegurança e Meio Ambiente

Referências

Rezende Neta DS, Alves AKS, Leão GM, Araújo AA. Perfil das ocorrências de politrauma em condutores motociclísticos atendidos pelo SAMU de Teresina-PI. Rev Bras Enferm. 2012;65(6):936-41.

Whitaker IY, Gutierrez MGR, Koizumi MS. Gravidade do trauma avaliada na fase pré-hospitalar. Rev Assoc Med Bras. 1998;44(2):111-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Mortalidade [Internet]. DATASUS. [acesso em 22 jul. 2015]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10uf.def

Brasil. Ministério da Saúde. Morbidade hospitalar do SUS por causas externas – por local de internação – Brasil [Internet]. DATASUS. [acesso em 24 jul. 2015]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sih/cnv/fibr.def

Malvestio MAA, Sousa RMC. Análise do valor predeterminante dos procedimentos da fase pré-hospitalar na sobrevivência das vítimas de trauma. Rev Latino-Am Enferm. 2008;16(3):432-8.

Chavaglia SRR, Amaral EMSA, Barbosa MH, Daniela BB, Ferreira PM. Vítimas de trauma por causas externas na cidade de Uberaba-MG. Mundo Saúde. 2008:32(1):100-6.

American College of Surgeons. Committee on Trauma. Advanced trauma life support for doctors: student course manual (ATLS). Chicago: American College of Surgeons; 2008.

Mock C, Lormand JD, Goosen J, Joshipura M, Peden M. Guidelines for essential trauma care. Genebra: World Health Organization; 2004.

Luz TCB, Malta DC, Sá NNB, Silva MMA, Lima-Costa MF. Violências e acidentes entre adultos mais velhos em comparação aos mais jovens: evidências do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA), Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(11):2135-42.

Gawryszewski VP, Koizumi MS, Mello-Jorge MHP. As causas externas no Brasil no ano 2000: comparando a mortalidade e a morbidade. Cad Saúde Pública. 2004;20(4):995-1003.

Vieira RCA, Hora EC, Oliveira DV, Vaez AC. Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um Centro de Referência ao Trauma de Sergipe. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(6):1359-63.

Oliveira NLB, Sousa RMC. Retorno à atividade produtiva de motociclistas vítimas de acidentes de trânsito. Acta Paul Enferm. 2006;19(3):284-9.

Sousa RMC, Koisumi MS. Vítimas de trauma crânioencefálico e seu retorno a produtividade após 6 meses e 1 ano. Rev Esc Enf USP. 1999;33(3):313-22.

Debieux P, Chertman C, Mansur NSB, Dobashi E, Fernandes HJA. Lesões do aparelho locomotor nos acidentes com motocicleta. Acta Ortop Bras. 2010;18(6):353-6.

Sousa RMC, Koizumi MS. Recuperação das vítimas de traumatismo crânio-encefálico no período de 1 ano após o trauma. Rev Esc Enferm USP. 1996;30(3):484-500.

Copes WS, Champion HR, Sacco WJ, Lawnick MM, Keast SL, Bain LW. The injury severity score revisited. J Trauma Acute Care Surg. 1988;28(1):69-77.

Sosin DM, Sacks JJ, Smith SM. Head injury-associated deaths in the United States from 1979 to 1986. JAMA. 1989;262(16):2251-5.

Calil AM, Sallum EA, Domingues CA, Nogueira LS. Mapeamento das lesões em vítimas de acidentes de trânsito: revisão sistemática da literatura. Rev Latino- Am Enfermagem. 2009;17(1):121-7.

Committee on Trauma of the American College of Surgeons. Hospital and prehospital resources for optimal care of the injured patient. Bull Am Coll Surg. 1986;71(10):4-23.

Johnson JC. Prehospital care: the future of emergency medical services. Ann Emerg Med. 1991;20(4):426-30.

Downloads

Publicado

2017-06-26

Como Citar

Ibiapino, M. K., Couto, V. B. M., Sampaio, B. P., Souza, R. A. R. de, Padoin, F. A., & Salomão, I. S. (2017). Serviço de atendimento móvel de urgência: epidemiologia do trauma no atendimento pré-hospitalar. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 19(2), 72–75. https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i2a5

Edição

Seção

Artigo Original