Avaliação do risco de hipoglicemia em recém-nascidos filhos de mães diabéticas relacionando com glicemias maternas pré-partos

Autores

  • Cyntia Watanabe Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Celeste Gomez Sardinha Oshiro Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Amanda Ramos Bergamim Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Stephanie Pedrão de Freitas Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Ingrid Mosquin Simões Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Iris Tikkanen Belitsky Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Maria Clara Ayres Bernardes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde

Palavras-chave:

Diabetes Gestacional, Glicemia, Cordão Umbilical, Hiperinsulinismo Congênito, Protocolos Clínicos

Resumo

Introdução: Durante a gravidez o corpo da mulher sofre modificações endócrino- metabólicas que, entre outras ações, possibilitam garantir o aporte de glicose para o feto. Entretanto, na diabetes mellitus gestacional, o aumento da resistência insulínica prepondera um desequilíbrio glicêmico para o binômio mãe e feto. Ao nascer, esses apresentam uma concentração de glicose sérica de 60 a 70% do nível materno, porém com maior resposta na produção de insulina, tendendo a evoluir para hipoglicemia após o clampeamento do cordão, o que pode resultar em danos graves para o recém-nascido (RN). Objetivo: O objetivo desse trabalho foi encontrar se existe uma correlação entre certos intervalos glicêmicos da mãe diabética com a frequência de episódios de hipoglicemia no RN. Método: Foram coletados exames de glicemia pré-parto e no parto da mãe, glicemia de cordão umbilical e glicemia capilar nas primeiras horas de vida do RN no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) e, posteriormente, seus valores foram comparados. Para isso, foi foram colocados em gráficos e realizadas análises estatísticas de regressão linear. Resultados: Os gráficos mostraram padrões que concluem uma relação entre maior frequência de episódios hipoglicêmicos no RN na primeira hora de vida quando a mãe estava com níveis glicêmicos baixos tanto no pré-parto quanto no sangue de cordão, porém, devido poucos dados amostrais e limitações encontradas, não se pode afirmar essa relação. Conclusão: Apesar de existir uma análise estatisticamente significativa entre a glicemia de cordão umbilical e glicemia materna, não foi possível inferir uma correlação direta com quaisquer glicemias neonatais, pois as análises estatísticas demonstraram intervalos de confiança elevados que evidenciam que os valores glicêmicos não são confiáveis do ponto de vista médico para serem utilizados nos serviços hospitalares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-10-28

Como Citar

Watanabe, C., Oshiro, C. G. S., Bergamim , A. R., Freitas, S. P. de, Simões, I. M., Belitsky, I. T., & Bernardes, M. C. A. (2022). Avaliação do risco de hipoglicemia em recém-nascidos filhos de mães diabéticas relacionando com glicemias maternas pré-partos. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 24(Supl.). Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/59640