Luz, Sombras e Cores: Uma leitura barroca do filme “Os Inconfidentes”

Rodrigo Otávio dos Santos, Neuza de Fátima da Fonseca

Resumo


O artigo a seguir busca fazer um diálogo entre elementos da estética barroca e o filme de Joaquim Pedro de Andrade, Os Inconfidentes. Para tanto, primeiramente apresentamos ao leitor as características do movimento barroco, depois discorremos sobre o filme de Andrade e então começamos nossas análises a partir de – principalmente – três eixos: luzes e sombras, cores e figurinos. Estes três vetores presentes no filme são analisados à luz do movimento Barroco, e são discutidas as aproximações e distanciamentos do movimento em questão. Em nossas conclusões destacamos a presença do barroco no filme e apontamos como pode-se fazer correlações entre duas obras distantes no tempo e no espaço, mas que se comunicam por meio de elementos estéticos.

Palavras-chave


Arte; Barroco; Cinema

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1982-6672.2020v13i37a3

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1982-6672

DOI 10.23925/1982-6672