Pode o teatro de rua resistir? Política cultural no teatro popular de rua no nordeste

Thiago Ranniery Moreira de Oliveira

Resumo


Este artigo examina alguns das tensões entre política e cultura popular nordestina no teatro de rua. A partir de sete espetáculos do Grupo Imbuaça, o argumento desenvolvido é que as encenações convergem para uma política estética operadora da invenção de diferentes regimes de imagens do Nordeste e de uma cultura nordestina, colocando-nos ante a uma política identitária presa à malha do dispositivo da nordestinidade. As formas cênicas do teatro de rua não só são construídas com e na cultura nordestina, como também determinam e performam os sentidos de popular e nordestinidade, fazem a cultura popular nordestina existir como presente de uma arte e futuro de uma região forjada no passado. O estatuto da resistência política do teatro de rua no Nordeste engendrado em tais práticas teatrais torna-se um jogo marcado por um jogo de paradoxos intercambiáveis com o próprio estatuto artístico do teatro.

Palavras-chave


Cultura Popular; Nordestinidade; Teatro de rua; Resistência; Dispositivo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1982-6672

DOI 10.23925/1982-6672