A criação como constituição do destinatário para a encarnação, no Curso fundamental da fé de Karl Rahner

Walterson José Vargas

Resumo


A realidade da criação é entendida por Karl Rahner em estreita e necessária relação com o evento da encarnação. A criação é a constituição, em processo de auto-transcendência ativa, de um destinatário adequado para a recepção do Verbo de Deus. Assim, quando a criação atinge no homem, a realidade do sujeito (a auto-posse de si como um todo), livre (entregue a si mesmo, como um todo), e transcendente (referido ao todo da realidade como infinitude), ela se constitui na única realidade adequada para receber aquele que é a fonte do seu ser, da sua liberdade e da sua transcendência. Deus, então, se autocomunica a ela, primeiramente na Graça, como princípio constitutivo interno da sua transcendentalidade, e depois na encarnação, como aquele que não só oferece a sua autocomunicação a ela, mas também como quem a recebe como válida.

Palavras-chave


Criação; Encarnação; Sujeito; Liberdade; Transcendência

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19176/rct.v0i74.15348

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



ISSN Online 2317-4307 | Impresso (descontinuada) 0104-0529

A Revista de Cultura Teológica e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/culturateo. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/culturateo.


A Revista de Cultura Teológica está:

Associada a:

Indexada em:

  Google Acadêmico

Presença em Bibliotecas: