"Todo" em contextos coletivos e distributivos

Ana Lúcia de Paula Müller, Esmeralda Vailati Negrão, Ana Paula Quadros Gomes

Resumo


"Todo" pode tomar um NP (nome nu) ou uma descrição definida (DP) plural ou singular como argumento nominal. Esse quantificador opera sobre partes de sua restrição e de seu escopo nuclear e relaciona um ao outro. Uma sentença com "todo" é agramatical se um de seus argumentos não pode ser distribuído; predicados coletivos sem subeventos e com sujeitos que não apresentam são um exemplo. Predicados com Todo+NP não têm leitura coletiva porque um NP não denota uma entidade mas um predicado, e não pode remeter a um grupo em ação coletiva

Palavras-chave


distributividade; predicados coletivos; quantificadores; "todo"

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44502007000100004

Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X