JOHN LANGSHAW AUSTIN E A VISÃO PERFORMATIVA DA LINGUAGEM

Paulo Ottoni

Resumo


Austin surge no cenário da discussão sobre a linguagem num momento histórico preciso e será o porta-voz de todo um processo histórico da filosofia contemporâneas ao revolucionar não só a filosofia analítica naquele momento, como também a lingüística enquanto ciência autônoma. Neste artigo, questiono o caminho e a supremacia do positivismo lógico nos estudos da linguagem, procurando analisar qual é o papel de Austin, neste processo, através da discussão dos conceitos de performativo, de ato de fala, de uptake e de ilocucionário que estão vinculados na sua obra de modo muito especial. Parto da hipótese de que Austin é um “desconstrutor”. Denomino sua abordagem da linguagem de “visão performativa”, pelo fato de haver nas suas reflexões um espaço conflitante que põe em discussão as fronteiras entre a filosofia e a lingüística nos estudos da linguagem.

Palavras-chave


performativo; ilocionário; ato de fala; uptake; visão performativa

Texto completo:

PDF


Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X