O português falado em comunidades indígenas de língua Tupí-Guaraní nos estados do Pará e Maranhão: o contínuo dialetal étnico/não étnico no campo semântico Atividades Agropastoris

Eliane Oliveira da Costa, Abdelhak Razky, Regis José da Cunha Guedes

Resumo


Este estudo integra o projeto Atlas Linguístico do Português em Áreas Indígenas (ALiPAI) e investiga, à luz da Dialetologia Pluridimensional e Relacional (Thun, 1998) e da Geossociolinguística (Razky, 1998), a variação lexical do português falado por índios de origem Tupí-Guaraní dos estados do Pará e Maranhão, a partir do campo semântico Atividades Agropastoris do Questionário Semântico-Lexical (QSL), aplicado para esta pesquisa. Considerou-se as dimensões diatópica, diassexual, diageracional, diastrática e dialingual. Os resultados refletem um contínuo dialetal étnico não homogêneo na área considerada e entre esta e áreas não indígenas localizadas no mesmo espaço geográfi co das TIs pesquisadas. Dessa forma, conclui-se que as áreas indígenas consideradas são fortemente infl uenciadas pelas comunidades não indígenas que as rodeiam.

Palavras-chave


Variação lexical; Áreas indígenas; Tupí-Guaraní; Contínuo dialetal

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X