Ações de teleducação interativa em saúde vocal baseadas na dinâmica do projeto jovem doutor

Autores

  • Camila de C. Corrêa Mestranda em Fonoaudiologia pela Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Aline Martins Mestranda em Fonoaudiologia pela Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Cássia de S. Pardo-Fanton Mestranda em Fonoaudiologia pela Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Andressa S.C. da Silva Mestranda em Ciências da Reabilitação Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC-USP).
  • Guilherme T. T. Barros Fonoaudiólogo, pela Faculdade de Odontologia de Bauru, da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Chao L. Wen Médico, Professor Associado e Chefe da Disciplina de Telemedicina da Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.
  • Luciana P. Maximino Professora Associada do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru, da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Giédre Berretin-Felix Professora Associada do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru, da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Wanderléia Q. Blasca Professora Doutora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru, da Universidade de São Paulo (FOB-USP).
  • Alcione G. Brasolotto Professora Doutora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru, da Universidade de São Paulo (FOB-USP).

Palavras-chave:

voz, distúrbios da voz, educação a distância, projetos de tecnologias de informação e comunicação, telessaúde, telemedicina.

Resumo

Introdução: as ações de promoção da saúde vocal devem atingir a população infantil, adulta e idosa, diante dos riscos que todos apresentam em desenvolver disfonia. Neste sentido, o Projeto Jovem Doutor propõe dinâmicas de capacitação para que adolescentes se tornem aptos a disseminar conhecimentos a respeito de temas em saúde para a comunidade. Objetivo: construir e avaliar o conteúdo de um Cybertutor, compondo um programa de capacitação sobre saúde vocal, seguindo a proposta do Projeto Jovem Doutor. Métodos: O Cybertutor de saúde vocal foi elaborado a partir da literatura científica. Posteriormente avaliado pelo Índice de Facilidade de Leitura de Flesch (IFLF) e por 14 alunos do ensino médio de duas escolas. Esses alunos participaram do programa de capacitação, que consistiu de duas aulas presenciais, acesso ao cybertutor e oficina. Resultados: Os módulos obtiveram média geral de 56,68% (dp±8,15) do IFLF caracterizado como nível Padrão. Quanto à avaliação subjetiva, 89,61% dos alunos classificaram a qualidade do cybertutor como excelente/satisfatório, sendo que os itens qualidade das figuras e organização do conteúdo foram classificados como excelente/satisfatório em 100% da amostra. Completadas as atividades, os alunos receberam um jaleco e certificado, intitulando-os de Jovens Doutores, havendo disseminado o conhecimento adquirido para 1300 pessoas da comunidade. Conclusão: a construção e avaliação do cybertutor em saúde vocal expressou a linguagem no nível Padrão e alta satisfação dos alunos. O programa possibilitou a transmissão das informações sobre saúde vocal a um número expressivo de pessoas da comunidade pela ação intensa dos “Jovens Doutores”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

2012-12-30

Edição

Seção

Artigos