Desempenho nas habilidades subjacentes a aprendizagem em um caso de Síndrome Velocardiofacial

Autores

  • Thais Freire Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo
  • Thais dos Santos Gonçalves Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil.
  • Cibelle Nunes Moretti Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC - Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP).
  • Maria de Lourdes Merigui Tabaquim Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC - Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil. Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil.
  • Patricia Abreu Pinheiro Crenitte Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil

Palavras-chave:

síndrome de DiGeorge, transtornos de aprendizagem, fonoaudiologia, neuropsicologia.

Resumo

 

 

Introdução: A Síndrome Velocardiofacial (SVCF) é uma condição genética envolvendo mais de 180 manifestações clínicas. A presença do distúrbio de aprendizagem é altamente reportada nessa síndrome, sendo considerada uma das manifestações mais desafiadoras. De acordo com a literatura, a condição genética da síndrome acarreta em disfunções neurocorticais prejudiciais ao processo de aprendizagem. Sendo assim, torna-se essencial a investigação sobre quais competências encontram-se alteradas e quais preservadas. Objetivo: descrever as principais dificuldades e potencialidades em habilidades subjacentes a aprendizagem em um caso de SVCF. Métodos: Foram avaliadas, por meio de instrumentos fonoaudiológicos e neuropsicológicos padronizados, as habilidades: cognitivo-linguísticas, percepto-motoras e de funções executivas de um sujeito do gênero masculino, 13 anos de idade, com histórico de prematuridade e intercorrências gestacionais, diagnosticado com SVCF. Resultados: os testes demonstraram déficits no processamento fonológico, memória operacional, organização rítmica, linguagem receptiva e expressiva, semântica e pragmática, percepção gráfico-percepto-motora e nas funções executivas relacionadas à sustentação da atenção, planejamento, estratégia e flexibilidade cognitiva. Tais defasagens mostraram-se prejudiciais ao aproveitamentode atividades de compreensão leitora, de escrita e cálculo numérico.As funções neuropsicológicas de sensações cutâneas e sinestésicas, funções visuais superiores e destreza numérica encontraram-se preservadas. Conclusão: O estudo de caso identificou alterações nas habilidades neurocognitivas e neuropsicolinguísticas implicadas nas competências para a aprendizagem, representando fator contribuinte no processo diagnóstico e terapêutico de indivíduos com a SVCF. O sujeito apresenta em seu histórico fatores considerados de risco para os transtornos de aprendizagem, recorrentes na SVCF, e que podem contribuir com os resultados observados.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thais Freire, Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo

Fonoaudióloga, mestre pela Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo

Thais dos Santos Gonçalves, Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil.

Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil.

Cibelle Nunes Moretti, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC - Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP).

Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC - Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP).

Maria de Lourdes Merigui Tabaquim, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC - Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil. Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil.

Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC - Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil. Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil.

Patricia Abreu Pinheiro Crenitte, Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil

Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo - USP - Bauru (SP), Brasil

Publicado

2015-06-12

Edição

Seção

Artigos