Investigação dos transtornos mentais na adesão à terapia de voz

Ana Emília Ferreira Alves, Hêmmylly Farias Silva, Rafael Nóbrega Bandeira, Anna Alice Almeida

Resumo


Introdução: A falta de adesão à fonoterapia é comum na área de voz. Diversos fatores podem estar associados, porém poucos estudos se propuseram a estudar características emocionais dos pacientes. Objetivo: Verificar se o traço e estado de ansiedade, transtornos mentais comuns e sintomas vocais podem diferenciar pacientes com e sem adesão à fonoterapia em voz. Métodos: Estudo retrospectivo, de campo e quantitativo. Participaram 24 pacientes, com média das idades de 47,79 (+18.83) anos, distribuídos em: Grupo de pacientes que aderiram à fonoterapia (PAF) e pacientes que não aderiram à fonoterapia na área de voz (PNAF). Foram aplicados a Escala de Sintomas vocais (ESV), Self Reporting Questionnaire (SRQ) e Inventário de Ansiedade Traço-Estado. Resultados: Pacientes do PAF apresentaram médias de 34.20 (+10,67) e 39,53 (+11,09) para o traço e estado de ansiedade, respectivamente. Enquanto participantes do PNAF apresentaram médias de 33.89 (+10,34) e 45,22 (+9,34), respectivamente. No que se refere ao SRQ-20, pacientes do PAF obtiveram média de 5,93 (+3,99) e o PNAF de 7,33 (+3,66). Finalmente, o grupo PAF apresentou média de 56,54 (+27,51) e o PNAF de 46,38 (+15,80) para o escore total da ESV. Não foram observadas diferenças entre os grupos para o traço e estado de ansiedade, SRQ e escore total da ESV. Conclusão: Pacientes sem adesão à fonoterapia em voz apresentam menores graus de escolaridade, de sintomas vocais e escores mais elevados de transtornos mentais comuns. Entretanto não foram fatores decisivos para diferenciá-los quanto à adesão à fonoterapia vocal.


Palavras-chave


Comportamento; Saúde mental; Ansiedade; Voz; Disfonia; Fonoterapia

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2021v33i1p59-67

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.