Práticas de investigação do Terapeuta da Fala em Portugal:

Necessidades, barreiras e facilitadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2724.2021v33i3p375-387

Palavras-chave:

Investigação, Fonoaudiologia, Fonoterapia (Terapia da fala), Patologia da fala e linguagem, Prática clínica baseada em evidências

Resumo

Introdução: A necessidade e o interesse na investigação pelos Terapeutas da Fala (TFs) tem sido crescente. Objetivos: (i) caracterizar o nível de autonomia atual dos TFs em Portugal em investigação científica; (ii) caracterizar o nível de autonomia desejado dos TFs em Portugal em investigação científica; (iii) caracterizar as necessidades de formação assim como identificar as barreiras e facilitadores de práticas de investigação dos TFs em Portugal. Métodos: 86 TFs preencheram um questionário validado por um painel de peritos. A recolha de dados incidiu sobre: (i) nível de autonomia atual e desejado para a prática de investigação; (ii) barreiras e facilitadores inerentes à prática da investigação. Resultados: Os níveis de autonomia foram significativamente inferiores aos níveis desejados (p<0,001). A autonomia atual para a tarefa de criação de uma ideia de investigação foi significativamente inferior quando comparada com as tarefas de definição de metodologia (p<0,05), análise de dados (p<0,001), processamento de dados (p<0,001) e síntese de resultados (p<0,001). Não houve diferenças de autonomia entre a tarefa de comunicação em conferências e a tarefa de criação de uma ideia de investigação (p<0,05). A maioria reportou a necessidade de formação adicional para conseguir integrar a investigação na sua prática clínica. A principal barreira para a realização de investigação foi a ausência de tempo (64,5%). O principal facilitador foi o tempo disponível (27,7%). Conclusão: Os TFs possuem o desejo de maior autonomia no processo de investigação. A identificação de barreiras e facilitadores encontrados poderão permitir uma resposta mais adequada às capacidades e necessidades dos TFs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana P. Mendes, Instituto Politécnico de Setúbal

- Ph.D in Speech Science.

- Instituto Politécnico de Setúbal, Portugal/Professora adjunta;

- Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala/Presidente da Comissão de Inovação e Desenvolvimento.

Miriam Moreira, Club Clínica das Conchas

- Licenciada em Terapia da Fala. 

- Club Clínica das Conchas, Lisboa, Portugal/Terapeuta da Fala; - Clínica Amamentos, Lisboa, Portugal/Terapeuta da Fala; - Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala/Vogal da Comissão de Inovação e Desenvolvimento.

David Guerreiro, PROComSom

- PROComSom ® - Serviços Especializados em Terapia da Fala, Seixal, Portugal/Terapeuta da Fala;

- Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala/Vice-presidente da Comissão de Inovação e Desenvolvimento.

David Nascimento, Hospital Egas Moniz. Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental

- Mestre em Terapia da Fala na área da Motricidade Orofacial e da Deglutição; EBD-Ph.D.

- Hospital Egas Moniz - Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Lisboa, Portugal;

- Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala/Vogal da Comissão de Inovação e Desenvolvimento.

Inês Tello Rodrigues, Center for Innovative Care and Health

- Ph.D.

- Center for Innovative Care and Health (CiTechCare)

– IPL, Leiria, Portugal/ Professora Adjunta;

- Escola Superior de Saúde do Alcoitão, Portugal/Professora Adjunta Convidada;-

Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala/Membro.

Vânia de Aguiar, Center for Language and Cognition Groningen

- Ph.D.

Referências

Diário da República. Despacho no 7051/2017. (2.a série — N.o 155). 2017.

Mendes AP, Moreira M, Guerreiro D, Nascimento D, Tello Rodrigues I, de Aguiar, V. Práticas e competências de investigação do Terapeuta da Fala em Portugal. Rev. Port. Ter. da Fala. 2020; 10: 25–34.

Batista JS. O perfil do terapeuta da fala em Portugal [Tese]. Aveiro: Universidade de Aveiro - UA; 2011.

Finch E, Cornwell P, Ward EC, McPhail SM. Factors influencing research engagement: Research interest, confidence and experience in an Australian speech-language pathology workforce. BMC Health Serv. Res. 2013,13:144.

Schubert A. What speech therapists, occupational therapists and physical therapist need to know to become evidence-based practitioners: A cross-sectional study. Z. Evid. Fortbild. Qual. Gesundhwes. 2019; 140: 43–51.

Mendes AP, Martins P, Alarcão I, Melo E, Pereira JC, Rua M, Brandão P, Costa R, Sancho L. Clinical education reflective ecological model for health science majors. Distúrb. comun. 2007; 293–303.

Albarqouni L, Hoffmann T, Straus S, Olsen NR, Young T, Ilic D, Shaneyfelt T, Haynes RB, Guyatt G, Glasziou P. Core Competencies in Evidence-Based Practice for Health Professionals: Consensus Statement Based on a Systematic Review and Delphi Survey. JAMA Netw Open. 2018; 1(2):e180281.

Black AT, Balneaves LG, Garossino C, Puyat JH, Qian H. Promoting Evidence-Based Practice Through a Research Training Program for Point-of-Care Clinicians. JONA J. Nurs. 2015; 45(1): 14-20.

Gerrish K, Ashworth P, Lacey A, Bailey J. Developing evidence-based practice: experiences of senior and junior clinical nurses. J Adv Nurs. 2008; 62(1): 62-73.

Association American Speech and Hearing. Evidence-Based Practice (EBP). [cited 2020 august 4] Available from: https://www.asha.org/Research/EBP/Evidence-Based-Practice/

Melnyk BM, Gallagher-Ford L, Long LE, Fineout-Overholt E. The establishment of evidence-based practice competencies for practicing registered nurses and advanced practice nurses in real-world clinical settings: proficiencies to improve healthcare quality, reliability, patient outcomes, and costs. Worldviews Evid Based Nurs. 2014;11(1): 5-15.

Melnyk BM, Fineout-Overholt E, Gallagher-Ford L, Kaplan, L. The state of evidence-based practice in US nurses: critical implications for nurse leaders and educators. J Nurs Adm. 2012; 42(9): 410-7.

Holmqvist R, Philips B, Barkham M. Developing practice-based evidence: Benefits, challenges, and tensions. Psychother. Res. 2015; 25: 20–31.

Roddam H, Skeat J. Embedding evidence-based practice in speech and language therapy: International examples. 1ª edição,Wiley-Blackwell; 2010.

Cristo S. Regulação da satisfação de necessidades psicológicas ao longo do processo psicoterapêutico: um caso clínico de prática baseada na evidência a gerar evidência baseada na prática [Tese]. Lisboa: Universidade de Lisboa - UL; 2013.

Clarisse AL. Prática baseada na evidência em terapia da fala [Tese]. Lisboa: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa; 2013.

Greenwell T, Walsh B. Evidence-Based Practice in Speech-Language Pathology: Where Are We Now? Am. J. speech-language Pathol. 2021; 30: 186-198.

Alhaidary, A. Evidence-Based Practice Patterns Among Speech-Language Pathologists and Audiologists in Saudi Arabia. Commun. Disord. Q. 2020; 41: 242–249.

Dodd B. Evidence-based practice and speech-language pathology: Strengths, weaknesses, opportunities and threats. Folia Phoniatr. Logop. 2007; (59): 118–29.

R Core Team. R: A Language and Environment for Statistical Computing. [cited 2020 Aug 7]. Available from: https://www.R-project.org/

Mansuri, Tohidast SA, Zareei M. Knowledge, attitude, and practice of iranian speech and language pathologists toward evidence-based practice. Middle East J. Rehabil. Heal. 2020; 7: 1–6.

Currey J, Considine J, Khaw. Clinical nurse research consultant: a clinical and academic role to advance practice and the discipline of nursing. J. Adv. Nurs. 2011; 67: 2275–2283.

Publicado

2021-09-28

Edição

Seção

Artigos