Caracterização do atendimento fonoaudiológico em grupo com crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2724.2022v34i2e53949

Palavras-chave:

Fonoaudiologia, Atendimento em grupo, Grupos terapêuticos

Resumo

Introdução: O atendimento fonoaudiológico em grupo teve início na década de 80 e seu interesse foi ampliado a partir da entrada da Fonoaudiologia na saúde pública. Prática privilegiada por permitir o acompanhamento de um número maior de pessoas em menor tempo, o atendimento em grupo merece ser mais bem conhecido e discutido. Objetivo: Caracterizar o atendimento fonoaudiológico em grupo com crianças. Método: Revisão Integrativa da literatura, visando responder a três questões: Qual a justificativa para a indicação do atendimento em grupo? Quais critérios definem a formação dos grupos? Qual modelo teórico oferece sustentação ao atendimento em grupo? A busca foi realizada no portal de periódico CAPES (Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), BVS (Biblioteca Virtual de Saúde) e BDTD (Biblioteca Digital de Teses e Dissertações). Resultados: Foram encontrados 437 trabalhos sobre o tema e, após eliminação daqueles que não correspondiam aos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionadas 11 publicações. Para a indicação do atendimento em grupo, os autores utilizam o critério de similaridade de diagnóstico médico, idade, queixa e avaliação fonoaudiológica. Não há um critério objetivo de qual deva ser a condição da criança para que ela integre o atendimento em grupo, e sua inserção pode depender da avaliação do profissional responsável e de sua afinidade com o assunto. A maioria dos trabalhos analisados adota a vertente sociointeracionista para apoiar e defender a eficácia do atendimento em grupo. Conclusão: No período estudado, houve um decréscimo do interesse por estudos sobre o atendimento em grupo e mais estudos são necessários para que os critérios de indicação e formação dos grupos sejam formalizados, discutidos e compartilhados, e que sua articulação obrigatória ao modelo teórico utilizado seja esclarecida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Karine de Paula Tressoldi, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Fonoaudióloga Especialista em Linguagem-PUC

Mestre em fonoaudiologia- PUC

Regina Maria Ayres de Camargo Freire, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil(1990)
Professor titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo , Brasil

Referências

Bechelli LPC, Santos MA. Psicoterapia de grupo: como surgiu e evoluiu. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2004; 12(2): 242-249.DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692004000200014

Almeida BP de. Fonoaudiologia e saúde mental: atuação do fonoaudiólogo nos centros de atenção psicossocial do estado de São Paulo [Tese]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014. Disponível em: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/11991

Souza APR, Crestani AH, Vieira CR, Machado FCM, Pereira LL. Speech and language therapy and the group: clinical and coletive health sources. Rev. CEFAC, 2011; 13(1):140-151. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462010005000042.

Araújo MLB, Freire RMAC. Atendimento fonoaudiológico em grupo. Rev. CEFAC, 2011; 13(2):362-369. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462011000200019

Ribeiro VV, Panhoca, I, Dassie-Leite, AP, Bagarollo, MF. Grupo terapêutico em fonoaudiologia: revisão de literatura. Rev. CEFAC, 2011; 14(3): 544–52. DOI https://doi.org/10.1590/S1516-18462011005000131

Zimerman DE et al. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artmed; 1997.

Zimerman DE. A importância dos grupos na saúde, cultura e diversidade. Vínculo, 2007; 4(4): 1-16. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902007000100002&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1806-2490.

Friedman S, Lopes, JC, Ribeiro, MG. O vínculo no trabalho terapêutico fonoaudiológico com grupos. Rev. Dist. Comun. 2011; 23(1): 59-70. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/psi-49920

Grandim AB. Aspectos do desenvolvimento da linguagem de um grupo de crianças com Síndrome de Down em contexto terapêutico grupal [Dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas, 2010.

Monticelli GSC. O brincar e a aquisição de linguagem de crianças com autismo: possibilidades do processo terapêutico-fonoaudiológico [Tese] Campinas (SP). Universidade Estadual de Campinas, 2015.

Santana Ap, Signor, RCF. Grupo para sujeitos com queixas de dificuldades de leitura e escrita: aspectos teórico-metodológicos. Rev. CEFAC, 2015; 17(6):1814-1826. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02162015176741

Schneider ACB, Souza, APR. Deuschle, VP. Intervenção fonoaudiológica com gêneros textuais em um grupo de escolares. Rev. CEFAC, 2010; 12(2): 337-345. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462010000200022

Signor RCF. Os gêneros do discurso como referências para a atuação fonoaudiológica: um estudo de caso [Dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2010. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/93879

Zambotti N, Souza LAP. Trabalho fonoaudiológico em oficina de cozinha em um caso de Prader-Willi. Rev. CEFAC, 2013; 15(1): 188-195. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462011005000121

Zerbeto AB, Batista, CG. Abordagem grupal para avaliação de alterações de linguagem em crianças pequenas. Ciênc. Saúde coletiva, 2016; 21(1): 203-212. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015211.12862014

Martins MRI, Fecuri, MAB. Arroyo; MA. Parisi, MT. Avaliação das habilidades funcionais e de autocuidado de indivíduos com síndrome de Down pertencentes a uma oficina terapêutica. Rev. CEFAC, 2013; 15(2): 361-365. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462012005000088

Ribeiro VV, Leite APD, Alencar BLF, Bail DI, Bagarollo, MF. Avaliação vocal de crianças disfônicas pré e pós-intervenção fonoaudiológica em grupo: estudo de caso. Rev. CEFAC, 2013; DOI: 15(2):485-494. https://doi.org/10.1590/S1516-18462012005000056

Ribeiro VV et al. Percepção dos pais sobre a qualidade de vida em voz e evolução clínica de crianças disfônicas pré e pós-terapia fonoaudiológica em grupo. Rev. Dist. Comum. 2013; 25(1): 91-90.DOI: https://doi.org/10.29352/mill029e.25036

De Lemos CT. Desenvolvimento da linguagem e processo de subjetivação. Interações, 2000; 5(10):53-72. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=35401004

Prisco AC. Sobre a complexidade envolvida no diagnóstico precoce de autismo: uma questão de linguagem [Dissertação]. São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2019. Disponível em: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/22428

Lier-DeVitto MF, Dudas TL. Institucionalização de pessoas com paralisia cerebral: a difícil relação sujeito – OUTRO – linguagem. Linguística, 2016; 32(1): 9-23. DOI: https://dx.doi.org/10.5935/2079-312X.20160001

Publicado

2022-08-01

Edição

Seção

Artigos