Habilidades comunicativas de crianças com autismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2724.2022v34i2e54122

Palavras-chave:

Transtorno Autístico, Comunicação, Linguagem Infantil, Criança

Resumo

Introdução: O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento. Algumas características marcantes do transtorno são as dificuldades na comunicação e na linguagem, elementos importantes para o diagnóstico precoce. Objetivo: Investigar as habilidades de comunicação de um grupo de crianças com transtorno do espectro do autismo e a relação com a faixa etária e intervenção fonoaudiológica. Método: Participaram da pesquisa, 11 crianças com TEA, entre dois e sete anos de idade, atendidas numa Clínica-Escola de Fonoaudiologia. Para a avaliação do perfil funcional da comunicação, foi utilizado o protocolo ACOTEA – Avaliação da Comunicação no Transtorno do Espectro do Autismo. Após duas sessões com jogos e brinquedos para estabelecer as situações comunicativas, os terapeutas responderam trinta e seis afirmativas, relacionadas à comunicação (expressão, compreensão e comportamento social). Além disso, foram coletados dados na anamnese sobre idade, sexo e se a criança já tinha se submetido à intervenção fonoaudiológica com comunicação ampliada e alternativa. Resultados: De acordo com os resultados, foram observados déficits nas habilidades expressivas (pragmáticas e morfossintáticas); na atenção compartilhada e em habilidades relacionadas à interação com o ambiente. Foi observado que as crianças entre cinco a sete anos apresentaram melhor desempenho na atenção compartilhada, no brincar funcional e em responderem ao nome. E as crianças que foram submetidas à intervenção com comunicação alternativa apresentaram melhora significativa na atenção compartilhada. Conclusão: Os resultados obtidos demonstram que há relação entre as habilidades comunicativas e faixa etária e que a intervenção com comunicação alternativa contribui para o desenvolvimento da atenção compartilhada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jakciane Eduarda Araujo Pereira, Universidade Federal de Pernambuco

Fonoaudióloga

Ariely Carla Silva Santos, Universidade Federal de Pernambuco

Estudante de graduação do Departamento de Fonoaudiologia da UFPE.

Gabrielle Araújo Leite, Universidade Federal de Pernambuco

Estudante de graduação do Departamento de Fonoaudiologia da UFPE.

Ivana Arrais Lavor Navarro Xavier, Universidade Federal de Pernambuco

Fonoaudióloga da clínica escola Prof. Fábio Lessa - UFPE

Ana Cristina Albuquerque Montenegro, Universidade Federal de Pernambuco

Docente do Departamento de Fonoaudiologia da UFPE.

Referências

ASSOCIATION AP. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5th ed. Artmed. 2014. 96 p.

CDC: Centers for Disease Control and Prevention. Prevalence of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years — Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network, 11 Sites, United States, 2016. [Publicado em 2020 mar 27]. Disponível em: https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/69/ss/ss6904a1.htm?s_cid=ss6904a1_w

Oliveira BDC, Feldman C, Couto MCV, Lima, RC. Políticas para o autismo no Brasil: entre a atenção psicossocial e a reabilitação 1. Physis [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 26]; 27(3): 707-26. Disponível em: https://www.scielo.br/j/physis/a/BnZ6sVKbWM8j55qnQWskNmd/abstract/?lang=pt

Zanon RB, Backes B, Bosa, CA. Identificação dos Primeiros Sintomas do Autismo pelos Pais. Psicol Teor Pesqui [Internet]. 2014 [Acesso em 2021 abr 26]; 30(1): 25-33. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/9VsxVL3jPDRyZPNmTywqF5F/?lang=pt

Eigsti IM, De Marchena AB, Schuh JM, Kelley E. Language acquisition in autism spectrum disorders: A developmental review. Res Autism Spectr Disord. 2011; 5(2): 681-91.

Reis HIS, Pereira APS, Almeida LS. Características e especificidades da comunicação social na perturbação do espectro do autismo. Rev Bras Educ Espec [Internet]. 2016 [Acesso em 2021 abr 26]; 22(3): 325-36. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/3xpxVppcrgDynBCM4TVDptQ/abstract/?lang=pt

Gadia CA, Tuchman R, Rotta NT. Autismo e doenças invasivas de desenvolvimento. J Pediatr (Rio J) [Internet]. 2004 [Acesso em 2021 abr 26]; 80(2): 83–94. Disponível em: https://www.scielo.br/j/jped/a/mzVV9hvRwDfDM7qVZVJ6ZDD/?lang=pt

Lima CRBVMB. Perturbação do espectro do autismo: Contributos para a caracterização do desenvolvimento da comunicação e da linguagem [tese]. Lisboa: Universidade de Lisboa; 2018.

De Paiva MMA; Nicolau RF. Autismo: um modo de apresentação do sujeito na estrutura de linguagem. Estilos Clín [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 26]; 22(1): 12-28. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1415-71282017000100001

Nascimento LV; Oliveira MVB. Um olhar bakhtiniano sobre a linguagem e o autismo: um estudo de caso. Distúrb Comun [Internet]. 2018 [Acesso em 2021 abr 27]; 30(4): 713-25. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/dic/article/view/36444

Cardoso C, Fernandes FDM. Fonoaudiologia e Pragmática: Uma colaboração multidisciplinar para avaliação e terapia de linguagem. In: Montenegro ACA, Barros IBR, Azevedo NPSG. Fonoaudiologia e Linguística: teoria e prática. Curitiba: Appris; 2016.p.109-20.

Saboia C, Gosmes C, Viodé C, Gille M, Ouss L, Golse B. Do Brincar do Bebê ao Brincar da Criança: Um Estudo sobre o Processo de Subjetivação da Criança Autista. Psicol Teor Pesqui [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 27]; 33(1): 1-8. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/FLBYF3MScFw9ZXBxKRkDhwd/abstract/?lang=pt

Alves MA.; Alves MP. O brincar como intervenção pedagógica nos transtornos do espectro do autismo. Revista Práxis [Internet]. 2016[Acesso em 2021 abr 27]; 8(1): 73-82. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/785

Lucisano RV, Novaes LDC, Sposito AMP, Pfeifer, LI. Avaliação do Brincar de Faz de Conta de Pré-Escolares: Revisão Integrativa da Literatura. Rev Bras Educ Espec [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 27]; 23(2): 309-22. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/FwrFVHgMCGYwrXPk4rMmLjS/abstract/?lang=pt#

Geremias AO, Abreu, MAB, Romano LH. Autismo e neurônio-espelho. Revista Saúde Foco (Impr, Rio J.) [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 27];171-76. Disponível em: https://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/018_autismo.pdf

Lourenção APM. Avaliação da capacidade de imitar de crianças com desenvolvimento normal e com Transtorno do Espectro do Autismo [dissertação]. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie; 2015.

Landa RJ, Holman KC, O’Neill AH, Stuart EA. Intervention targeting development of socially synchronous engagement in toddlers with autism spectrum disorder: a randomized controlled trial. J Child Psychol Psychiatry [Internet]. 2011 [Acesso em 2021 abr 27],52(1):13-21. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3059234/

Vivanti G, Nadig A, Ozonoff S, Rogers SJ. What do children with autism attend to during imitation tasks? J Exp Child Psychol [Internet]. 2008 [Acesso em 2021 abr 27], 101(3): 186-205. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6952170/

Backes B, Zanon RB, Bosa CA. Características sintomatológicas de crianças com Autismo e regressão da linguagem oral. Psicol Teor Pesqui [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 27]; 33(1): 1–10. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19464

Blume J, Wittke K, Naigles L, Mastergeorge AM. Language Growth in Young Children with Autism: Interactions Between Language Production and Social Communication. J Autism Dev Disord [Internet]. 2021 [Acesso em 2021 abr 28].; 51(2): 644–65. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10803-020-04576-3

Tomasello M. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. Martins Fontes; 2003. 342p.

Massaro M; Deliberato D. Pesquisas em Comunicação Suplementar e Alternativa na Educação Infantil. Educ Real [Internet]. 2017 [Acesso em 2021 abr 27]; 42(4): 1479 -501. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edreal/a/wLqMfPNHmWCrsCgrtYBPqvy/abstract/?lang=pt

Flippin M, Reszka S, Watson L. Effectiveness of the Picture Exchange Communication System (PECS) on communication and speech for children with Autism Spectrum Disorders: a meta-analysis. Am J Speech Lang Pathol. 2010; 19(2): 178-95.

Philofsky A, Fidler D, Hepburn S. Pragmatic language profiles of school-age children with autism spectrum disorders and Williams syndrome. Am J Speech Lang Pathol[Internet]. 2007 [Acesso em 2021 abr 28]; 16(4): 368-80. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4426201/

Klusek J, Martin G, Losh, M. A comparison of pragmatic language in boys with Autism and Fragile X Syndrome. J Speech Lang Hear Res [Internet]. 2014 [Acesso em 2021 abr 27]; 57(5): 1692-707. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4177023/

Miilher l, Fernandes F. Considering responsivity: a proposal for pragmatic analysis in autism spectrum. CoDAS [Internet]. 2013 [Acesso em 2021 abr 28]; 25(1): 70-5. Disponível em: https://www.scielo.br/j/codas/a/MHPwfwYDWnkX58n9DwdCwSp/abstract/?lang=en

Backes B, Zanon RB, Bosa CA. A relação entre regressão da linguagem e desenvolvimento sociocomunicativo de crianças com transtorno do espectro do autismo. CoDAS [Internet]. 2013 [Acesso em 2021 abr 28]; 25(3), 268-73. Disponível em: https://www.scielo.br/j/codas/a/34yqHtjnDTtS3YXwLfSM4DN/abstract/?lang=pt

ASHA: American Speech-Language-Hearing Association. Scope of practice in speech-language pathology: scope of practice. Rockville: ASHA; 2016. [Acesso em 2021 abr 27]. Disponível em: https://www.asha.org/policy/sp2016-00343/

Sun IYI. Funções executivas na terapia de linguagem nos transtornos do espectro do autismo [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2016.

Publicado

2022-06-21

Edição

Seção

Artigos