A celebração da morte no imaginário popular mexicano

Rafael Lopez Villaseñor, Maria Helena Villas Bôas Concone

Resumo


O texto que apresentamos é um breve ensaio sobre o dia dos mortos no México. Esta data é vivida com muita alegria, muitas flores, comida, e caveiras sorridentes de açúcar; a morte é ridicularizada e celebrada com músicas, bebidas alcoólicas e rezas. Partimos do princípio de que a celebração do dia dos mortos representa, no imaginário popular, a ideia de que os mortos não morreram totalmente, apenas passaram para outro lado da vida. A festa marca o calendário festivo da cultura popular do México, celebrada de maneira especial e única. Mistura muito bem o sagrado e o profano, o medo e a ironia, através do sincretismo religioso. Diante da morte que concerne a todos, a cultura mexicana, festeja e se diverte de forma irônica, misturando o sagrado e o profano, criando um sincretismo religioso que mistura tradições religiosas cristãs e indígenas.

Palavras-chave


Dia dos mortos; Morte; Ironia; Caveira; Imaginário popular; Festa

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2012v15iEspecial12p37-47

Kairós está indexada em:

Bases de dados e Repositórios de periódicos com texto completo:


Catálogo de Bibliotecas:

Bibliotecas:

Diretório de Políticas Editoriais:

Associada:

ISSN 2176-901X

A Revista Kairós e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/kairos. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/kairos.