Apoio social de jovens a pessoas idosas: uma leitura bioecológica

Autores

  • Daniely da Silva Dias Vilela Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP https://orcid.org/0000-0002-8030-4594
  • Cirlene Francisca de Sales Silva Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP
  • Cristina Maria de Souza Brito Dias Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-901X.2022v25i1p115-135

Palavras-chave:

Idosos; Jovens; Relações familiares.

Resumo

O estudo objetivou analisar a percepção de pessoas idosas em relação ao apoio social que podem receber de jovens da mesma família, fundamentada na Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano. Participaram nove pessoas, de ambos os sexos, na faixa etária entre 60 e 74 anos. Os dados foram coletados utilizando-se o questionário sociodemográfico e um questionário de apoio social. Os resultados refletem a fragilidade da rede de apoio, uma vez que, mesmo existindo outras pessoas jovens na família, compreende-se que se pode contar com apenas uma.

 

Biografia do Autor

Daniely da Silva Dias Vilela, Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP

Doutoranda em Psicologia Clínica. Mestra em Psicologia Clínica. Especialista em Intervenção Multiprofissional Jurídica. Especialista em Neuropsicologia. Bacharel e licenciada em Psicologia. Experiência em Psicologia Clínica com ênfase em Psicodiagnóstico. Atualmente, integra a linha de pesquisa: Família, Interação Social e Saúde, Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP, e atua como voluntária no Serviço de Atenção ao Idoso (SAI).

Cirlene Francisca de Sales Silva, Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP

Psicóloga. Doutora e Mestra em Psicologia Clínica, Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP. Especialista em: 1) Gerontologia Social (UFPE); 2) Gerontologia (Titulada pela SBGG - Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia); 3) Intervenções Clínicas na abordagem Psicanalítica. Atualmente é professora da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, PPGPSI, UNICAP. Coordena na UNICAP: 1) SAI - Serviço de Atenção a(ao) Idoso/a; 2) Especialização em Gerontologia; 3) Liga Acadêmica em Gerontologia; 4) Assessora do Projeto UNICAP Prata: Universidade não tem idade. Colabora como vice-coordenadora do PPGPSI (Mestrado e Doutorado). Coordenou: 1) o PROATI - Programa de Apoio a Terceira Idade durante nove anos; 2) o Departamento de Gerontologia da SBGG/PE; 3) Foi conselheira do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa do Recife, COMDIR. Experiência na área de Psicologia e Gerontologia. É escritora e pesquisadora de temas em Psicologia e Gerontologia, mais especificamente em Violência contra a pessoa idosa, Intergeracionalidade, Programa de Preparação para Aposentadoria (PPA). Leciona as disciplinas Psicogerontecnologia, TDICS e Práticas Clínicas, Psicologia do Adulto e idoso. Faz parte dos laboratórios de pesquisa: 1) Família, Interação Social e Saúde; 2) Ciberpsicologia e Humanidades digitais.

Cristina Maria de Souza Brito Dias, Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP

Doutorado em Psicologia, Universidade de Brasília. Mestrado em Psicologia também pela Universidade de Brasília. Graduação em Psicologia, Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP. Especialização em Terapia Familiar e de Casal; e residência clínica na Clínica Pinel de Porto Alegre, RS. É professora Adjunto IV, aposentada, da Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é professora adjunto IV da Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP. Experiência em pesquisa na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Clínica (Casal e Família) e Desenvolvimento Humano, atuando principalmente nos seguintes temas: família, relação avós-netos, relacionamento intergeracional, adoção e envelhecimento. É membro do grupo de pesquisa e linha de pesquisa Família, Interação Social e Saúde, da UNICAP. Membro do grupo da ANPEPP Casal e Família: estudos psicossociais e psicoterapia.

Referências

Almeida, T. (2011). Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner. Apresentação Slideshare/Scribd. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://pt.slideshare.net/Thiagodealmeida/modelo-bioecologico-do-desenvolvimento-de-bronfenbrenner-7898817.

Amparo, D. M., Galvão, A. C. T., Alves, P. B., Brasil, K. T., & Koller, S. H. (2008). Adolescentes e jovens em situação de risco psicossocial: redes de apoio social e fatores pessoais de proteção. Estudos de Psicologia, 13(2), 165-174. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/epsic/a/gsdKxqMDzFXQDjr5TVSvqbp/?format=pdf&lang=pt.

Benetti, I. C., Vieira, M. L., Crepaldi, M. A., & Schneider, D. R. (2013). Fundamentos da Teoria Bioecológica de Urie Bronfenbrenner. Pensando Psicologia, 9(16), 89-99. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010279722009000100012.

Brito, R. C., & Koller, S. H. (1999). Redes de apoio social e afetivo e desenvolvimento. In: Carvalho, A. M. (Org.). O mundo social da criança: natureza e cultura em ação, (pp.115-130). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Bronfenbrenner, U. (1986). Ecologia da família como um contexto para o desenvolvimento humano: pesquisa, perspectivas. Developmental Psychology, 22, 723-742. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://doi.org/10.1037/0012-1649.22.6.723.

Bronfenbrenner, U. (1996). A Ecologia do Desenvolvimento Humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Bronfenbrenner, U. (2004). Making human beings human: Bioecological perspectives on human development. Thousand Oaks, CA: Sage Publications. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://eric.ed.gov/?id=ED500312.

Bronfenbrenner, U. (2005). The bioecological theory of human development. In: Bronfenbrenner, U. Making human beings human: Bioecological perspectives on human development. Thousand Oaks, CA: Sage Publications. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://psycnet.apa.org/record/2004-22011-000.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômico, DIEESE. (2020). Quem são os idosos brasileiros. Boletim Especial, 4(1). Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.dieese.org.br/boletimespecial/2020/boletimEspecial01.pdf.

Dias, T. L., & Leite, L. L. G. (2014). Rede de apoio social e afetivo e estratégias de enfrentamento na doença falciforme: um olhar sobre a pessoa e a família. Psicologia em Revista, 20(2), 353-373. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167711682014000200010.

Estatuto do Idoso (2003). Lei n.º 10.741 de 1º de outubro de 2003. Brasília, DF: Senado Federal, Secretaria Especial de Editoração e Publicações, Subsecretaria de Edições Técnicas. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70326/672768.pdf?sequence=2.

Griep, R. H., Chor, D., Faerstein, E., Werneck, G. L., & Lopes, C. S. (2005). Validade de constructo de escala de apoio social do Medical Outcomes Study adaptada para o português no Estudo Pró-Saúde. Cadernos de Saúde Pública, 21(3), 703-714. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/csp/a/pQqjrzXMjL7ptDFf86mVgMQ/?lang=pt.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. (2019). Idosos indicam caminhos para uma melhor idade. Recuperado de https://censo2021.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/24036-idosos-indicam-caminhos-para-uma-melhoridade.html.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. (2020). Com envelhecimento, cresce número de familiares que cuidam de idosos no país. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://censo2021.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/27878-com-envelhecimento-cresce-numero-de-familiares-que-cuidam-de-idosos-no-pais.html.

Juliano, M. C. C., & Yunes, M. A. M. (2014). Reflexões sobre rede de apoio social como mecanismo de proteção e promoção de resiliência. Ambiente & Sociedade, 17(3), 135-154. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/asoc/a/BxDVLkfcGQLGXVwnHp63HMH/?lang=pt&format=pdf.

Karnell, L. H., Funk, G. F., Christensen, A. J., Rosenthal, E. L., & Magnuson, J. S. (2006). Sintomas depressivos pós-tratamento persistente em pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Head & Neck, 28(5), 453-461. DOI: 10.1002 hed.20370.

Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/hed.20370.

McGoldrick, M. (2007). As mulheres e o ciclo de vida familiar. In: Carter, B., & M., McGoldrick et al. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar (pp. 30-64). (2a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Morais, A. N., Raffaelli, M., & Koller, S. H. (2012). Adolescentes em situação de vulnerabilidade social e o continuum risco-proteção. Avances en Psicología Latinoamericana, 30(1), 118-136. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S179447242012000100010&script=sci_abstract&tlng=pt.

Neri, A. L. (2013). Fragilidade e Qualidade de Vida na velhice. Coleção Velhice e Sociedade. Campinas, SP: Alínea.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano (recurso eletrônico). (12a

ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Pinto, J. L. G., Garcia, A. C. O., Bocchi, S. C. M., & Carvalhaes, M. A. B. L. (2006). Características do apoio social oferecido a idosos de área rural assistida pelo PSF. Ciência e Saúde Coletiva, 11(3), 753-764. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/csc/a/hrjqT7dJBB95zrghY796Khk/?lang=pt.

Polleto, M., & Koller, S. H. (2008). Contextos ecológicos: promotores de resiliência, fatores de risco e de proteção. Estudos de Psicologia, 25(3), 405-416. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/estpsi/a/DycNK6BKd8jJmr5rmJk8P9D/abstract/?lang=pt&format=html.

Polonia, A. C., Dessen, M. A., & Silva, N. L. P. (2008). O modelo bioecológico de Bronfenbrenner: contribuições para o desenvolvimento humano. In: Dessen, M. A., & Costa Junior, A. L. (Orgs). A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras (pp. 71-89). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Rocha, R. Z., Galeli, P. R., & De Antoni, C. (2019). Rede de apoio social e afetiva de mulheres que vivenciaram violência conjugal. Contextos Clínicos, 12(1). DOI: 10.4013/ctc.2019.121.06. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822019000100007.

Santana, J. J. R. A., Zanin, C. R., & Maniglia, J. V. (2008). Pacientes com câncer: enfrentamento, rede social e apoio social. Paidéia, 18(40), 371-384. Recuperado em 30 agosto, 2021, de:

https://www.scielo.br/j/paideia/a/xpY5WpRPHYCBbWVPQyZYPVf/?format=pdf&lang=pt.

Santos, P. A., Heidemann, I. T. S.B., Marçal, C. C. B., & Arakawa-Belaunde, A. M. (2019). A percepção do idoso sobre a comunicação no processo de envelhecimento. Audiology Communication Research, 24, 2058. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://doi.org/10.1590/2317-6431-2018-2058.

Seibel, B. L., Falceto, O. G., Hollist, C. S., Springer, P., Fernandes, C. L. C., & Koller, S. H. (2017). Rede de Apoio Social e Funcionamento Familiar: estudo longitudinal sobre famílias em vulnerabilidade social. Pensando Famílias, 21(1), 120-136. Recuperado em 30 agosto, 2021, de:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2017000100010.

Sherbourne, C.D., & Stewart, A. L. (1991). A pesquisa de suporte social. (MOS). Ciências Sociais e Medicina, 32(6), 705-714. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/027795369190150B?via%3Dihub.

Silva, C. F. S. (2019). Relacionamento intergeracional entre idosos e adultos jovens da mesma família: caracterização e repercussões. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica. Universidade Católica de Pernambuco. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/1103.

Silva, G. V., Moraes, D. E. B., Konstantyner, T., & Leite, H. P. (2020). Apoio social e qualidade de vida de famílias de crianças com cardiopatia congênita. Ciência e saúde coletiva, 25(8). Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/csc/a/qCTY3zCpyw5rpvf6vG5RJcx/?lang=pt.

Yunes, M. A. M. (2003). Psicologia positiva e resiliência: O foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, 8 (número especial), 75-84. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/pe/a/8NB6nkqmK49dWHJYbqXLFDB/?format=pdf&lang=pt.

Yunes, M. A. M., Garcia, N. M., & Albuquerque, B. M. (2007). Monoparentalidade, pobreza e resiliência: entre as crenças dos profissionais e as possibilidades da convivência familiar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 444-453. Recuperado em 30 agosto, 2021, de: https://www.scielo.br/j/prc/a/TWdGnxnk7zPDWp3pKxhhHkq/abstract/?lang=pt.

Downloads

Publicado

2022-09-07

Edição

Seção

Artigos