Ocupações urbanas como repertório confrontacional dos movimentos de luta por moradia

Autores

  • Thêmis Amorim Aragão Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Instituto de Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro, RJ/Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7691-5894
  • Ana Carolina Maria Soraggi Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Belo Horizonte, MG/Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7432-3545
  • Filipe Souza Corrêa Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro, RJ/Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2045-9682

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-9996.2021-5214

Palavras-chave:

movimentos sociais urbanos, ocupações urbanas, habitação de interesse social, política habitacional, confronto político

Resumo

Dada a importância que os movimentos sociais tiveram na construção de uma agenda política para Habitação de Interesse Social no Brasil, este artigo tem como objetivo discutir as possibilidades de repertório confrontacional dos movimentos de moradia num contexto sociopolítico caracterizado por uma inflexão ultraliberal e com significativas transformações na relação entre Sociedade Civil e Estado. Para isso, partimos de um estudo de caso de ocupação urbana, no qual relatamos o processo de ocupação e consolidação da vila Eliana Silva (Belo Horizonte/MG). A análise desse histórico permitiu destacar estratégias e repertórios de ação que explicitam a luta pelo cumprimento da função social da propriedade, bem como uma necessária reflexão sobre possibilidades de variação desse repertório de confronto na nova conjuntura.

Downloads

Publicado

2021-08-22

Edição

Seção

Artigos Complementares