A retração no mercado de trabalho da Construção (2012-2019): Brasil e RMSP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-9996.2022-5303

Palavras-chave:

mercado de trabalho, indústria da construção, mercado imobiliário, Brasil, Região Metropolitana de São Paulo

Resumo

O objetivo do artigo é analisar a retração no mercado de trabalho da construção, entre 2012 e 2020, no Brasil e na RMSP, focando no subsetor de Construção de edifícios. Observou-se uma forte retração no número de empregos formais na Construção de edifícios, com aumento do peso da ocupação do por conta própria, da informalidade e da participação dos trabalhadores com menor remuneração, inclusive na RMSP. A crise de 2015-2016 acentuou esse movimento, aumentando a precarização do trabalho, não equacionado pela reforma trabalhista ou pela lenta recuperação após 2017, baseada na criação de postos de trabalho de baixa remuneração. A pandemia impactou significativamente o setor, evidenciando a necessidade de melhorias nas suas relações e condições de trabalho.

Biografia do Autor

Juliana Bacelar de Araújo, UFRN

Professora do Curso de Graduação em Ciências Econômicas do Departamento de Economia da UFRN e Pesquisadora na Rede INCT Observatório das Metrópoles - Núcleo Natal, e no Grupo de Pesquisa em Economia Política do Desenvolvimento (GEPD/UFRN).

Cassiano José Bezerra Marques Trovão, UFRN

Professor no Programa de Pós-Graduação em Economia do Departamento de Economia da UFRN e Pesquisador no Grupo de Pesquisa em Economia Política do Desenvolvimento (GEPD/UFRN) e no Núcleo de Análise Econômica Multissetorial, Estratégica e Conjuntural (NEMEC/UFRN).

Downloads

Publicado

2021-11-26

Edição

Seção

Artigos