Cooperação interfirmas na perspectiva de startups presentes em ambientes de inovação gaúchos

Autores

  • Felipe Möller Neves Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Porto Alegre, RS/Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2878-6220

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-9996.2023-5604

Palavras-chave:

ambientes de inovação, cooperação, startups

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar como se manifestam as principais relações de cooperação interfirmas (RCIs) estabelecidas por startups em Ambientes de Inovação (AIs) do Rio Grande do Sul. A metodologia utilizada foi uma survey realizada por meio de questionário aplicado com acompanhamento de pesquisadores. Como técnica de pesquisa, utilizaram-se procedimentos associados à estatística descritiva dos dados e testes estatísticos. De 77% startups que cooperam, 70% interagem com empresas externas aos AIs. O teste de qui-quadrado de independência demonstrou que não há associação entre o número de RCIs e o fato de a cooperação ocorrer dentro ou fora dos AIs. O caráter regionalizado da inovação perde força e cede espaço à organização em redes.

Referências

ABS (2019). FASES DE UMA STARTUP: CONHEÇA O QUE CARACTERIZA CADA FASE. In: ABSTARTUPS. Disponível em: https://abstartups.com.br/fases-de-uma-startup-saiba-tudo-sobre-cada-etapa/. Acesso em: 11 maio 2021.

ANPROTEC – Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. (2019a). Ecossistemas de Empreendedorismo Inovadores e Inspiradores – relatório técnico. Disponível em: https://d335luupugsy2.cloudfront.net/cms/files/52159/1591723666ECOSSISTEMAS_DE_ALTO_IMPACTO_Digital_3.pdf. Acesso em 13 abril de 2021.

______. (2019b). Estudo Corporate Venturing no Brasil: co-inovando em rede – relatório técnico. Disponível em: https://anprotec.org.br/site/wp-content/uploads/2019/06/Corporate-Venturing-Anprotec-e-Sebrae.pdf. Acesso em 13 abril de 2021.

ASHEIM, B. T.; GERTLER, M. S. (2006). The Geography of Innovation: Regional Innovation Systems. Disponível em: https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199286805.003.0011. Acesso em: 12 maio 2021.

BECATTINI, G. (2000). Il distretto industrial. Turim, Rosenberg & Sellier.

BECKERT, J. (2007). The social order of markets. Colônia, Max Planck Institute for the Study of Societies (MPIfG).

BOSCHMA, R. (2010). Proximity and Innovation: A Critical Assessment. Regional Studies. Disponível em: https://doi.org/10.1080/0034340052000320887. Acesso em: 13 maio 2021.

CASTELLS, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra.

COWORKING BRASIL 2019. (2020). CENSO RESULTADOS. Disponível em: https://coworkingbrasil.org/censo/2019/. Acesso em: 15 maio 2021.

DEWES, F. et al. (2012). Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inovação de produtos. Espacios. Caracas, v. 33, n.8, p. 6.

ETZKOWITZ, H. (2009). Hélice Tríplice - universidade, indústria e governo: inovação em movimento. Porto Alegre, EDIPUCRS.

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. (2017). Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados. São Paulo, v. 31, n. 90, pp. 23–48.

FERRARY, M.; GRANOVETTER, M. (2009). The Role of Venture Capital Firms in Silicon Valley's Complex Innovation Network. Economy and Society. Londres, v. 38, n.2, pp. 326-359.

GUIMARÃES, S. M. K; RODRIGUES AZAMBUJA, L. (2010). Empreendedorismo high-tech no Brasil: Condicionantes econômicos, políticos e culturais. Sociedade e Estado. Brasília, v.25, n.1, pp. 93-121.

HAGEDOORN, J.; LOKSHIN, B.; MALO, S. (2018). Alliances and the innovation performance of corporate and public research spin-off firms. Small Business Economics. v. 50, n. 4, p. 763–781.

HENRIQUES, I. C.; SOBREIRO, V. A.; KIMURA, H. (2018). Science and technology park: Future challenges. Technology in Society. V. 53, p. 144–160.

LIBERATI, D.; MARINUCCI, M.; TANZI, G. M. (2013). Science and Technology Parks in Italy: main features and analysis of their effects on hosted firms. The Journal of Technology Transfer. Roma, v. 41, n. 4, pp. 694-729.

LÖFSTEN, H.; LINDELÖF, P. (2005). R&D networks and product innovation patterns academic and non-academic new technology-based firms on Science Parks. Technovation. V. 25, n. 9, pp. 1025–1037.

MAY, Tim. (2004). Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre, Artmed.

MOCELIN, Daniel Gustavo; AZAMBUJA, Lucas Rodrigues. (2017). Empreendedorismo intensivo em conhecimento: elementos para uma agenda de pesquisas sobre a ação empreendedora no Brasil. Sociologias (UFRGS). Porto Alegre, v.19, n. 46, pp. 30 - 75.

NEVES, F.M. (2021). A COOPERAÇÃO INTERFIRMAS NA PERSPECTIVA DAS STARTUPS: Uma análise dos ambientes de inovação do Rio Grande do Sul. Tese de doutorado. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

NEVES, F.M. et al. (2021). NOWHERE FIRMS: a cooperação na perspectiva das startups localizadas em ambientes de inovação. In: SEMEAD 2021: XXIV SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 2021, São Paulo. Anais. São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Administração FEA – Universidade de São Paulo, pp.1-17.

NEVES, F.M.; MOCELIN, D. G. (2016). Cooperação e Relações entre Grandes e Pequenas Empresas em Parques Tecnológicos. Século XXI – Revista de Ciências Sociais. Santa Maria, v. 6, n. 2, pp. 157-195.

OCDE; EUROSTAT. (2018). Oslo Manual 2018. Disponível em: https://www.oecd-ilibrary.org/content/publication/9789264304604-en. Acesso em 20/04/2022.

POWELL, W.; PACKALEN, K.; WHITTINGTON, K. (2010). “The emergence of high-tech clusters in the life sciences”. In: PADGET, J. F.; POWELL, W. W. Organizational and institutional genesis. Princeton, Princeton University Press.

RAMELLA, Francesco. (2020). Sociologia da inovação econômica. Porto Alegre, Editora da UFRGS.

SAXENIAN, A. (2002). Silicon Valley’s New Immigrant High-Growth Entrepreneurs. Economic Development Quarterly. V. 16, n. 1, pp. 20–31.

SIEGEL S.; CASTELLAN JR. N. J. (1988). Nonparametric statistics for the behavioral sciences. Nova Iorque, McGraw-Hill.

SPERINDÉ, S.; NGUYEN-DUC, A. (2020). “Fostering Open Innovation in Coworking Spaces: A Study of Norwegian Startups”. In: NGUYEN-DUC, A. et al. (org.). Fundamentals of Software Startups: Essential Engineering and Business Aspects. Cham, Springer International Publishing.

SULLIVAN, D. M.; MARVEL, M. R.; WOLFE, M. T. (2021). With a little help from my friends? How learning activities and network ties impact performance for high tech startups in incubators. Technovation. V. 101, pp. 1-15.

TRIGILIA, C. (2005). Sviluppo locale: un progetto per l’Italia. Roma; Bari, Laterza.

TSCHANZ, R. et al. (2020). “No Innovation without cooperation” - How Switzerland innovation promotes cooperation between industry, research and startups. Chimia, v. 74, n. 10, p. 755–757.

VARAMÄKI, E.; VESALAINEN, J. (2010). Modelling Different Types of Multilateral Co-operation Between SMEs. Entrepreneurship & Regional Development. V. 2003, pp. 27–47.

ZENG, S. X.; XIE, X. M.; TAM, C. M. (2010). Relationship between cooperation networks and innovation performance of SMEs. Technovation. V. 30, n. 3, pp. 181–194.

Publicado

2022-12-10