A territorialidade da prostituição em Belo Horizonte

Luciana Teixeira de Andrade, Alexandre Eustáquio Teixeira

Resumo


O artigo realiza um mapeamento da distribuição espacial da prostituição masculina e feminina em Belo Horizonte em três períodos. Durante o primeiro período, entre 1897, ano de fundação da cidade, até 1930, predomina a prostituição feminina nos cabarés situados em uma “região moral”. O segundo período compreende as décadas de 30 a 60, quando a prostituição feminina ainda predomina, mas entra em cena a figura do “homossexual valente”. Nesse período, a prostituição ocupa novas áreas da cidade, mas ainda se confina a regiões bem delimitadas. No terceiro período, que se inicia nos anos 70 e vai até os dias atuais, registra-se a emergência da prostituição masculina nos espaços públicos e semipúblicos da cidade e um espraiamento tanto da prostituição feminina quanto da masculina pela cidade, conquistando áreas consideradas nobres. Verifica-se ainda a emergência de novos tipos, como a travesti, o michê e as garotas de programas e uma significativa mudança nas relações entre os diversos atores envolvidos na prática da prostituição, marcadas agora por uma maior impessoalidade e profissionalização.

Palavras-chave


prostituição feminina; prostituição masculina; espaço público; Belo Horizonte.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/8817

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: