Relação entre incentivos fiscais e indicadores econômicos-financeiros de empresas abertas brasileiras

Henrique Formigoni, Liliane Cristina Segura, Daniella Gomes Alves Teixeira, Daniel Cardamone Carvalho, Mateus Guazzelli Marotti

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar a relação entre incentivos fiscais e indicadores econômico-financeiros de empresas abertas brasileiras não financeiras. A pesquisa é do tipo descritiva, com abordagem quantitativa; a população são as companhias abertas brasileiras, não financeiras, listadas na B3 – Brasil, Bolsa e Balcão e a amostra final foi composta por 450 empresas. Os dados foram coletados através das demonstrações financeiras das empresas, disponíveis no banco de dados da Economática e tratados no Statistical Package for the Social Sciences - SPSS. Realizou-se o teste U de Man Whitney, em virtude de que a amostra não apresentou distribuição normal. Os indicadores considerados foram aqueles utilizados na literatura e que proporcionaram a análise da rentabilidade e dos impactos econômico-financeiros das empresas. O principal resultado indica que companhias abertas brasileiras não financeiras que usufruem de incentivos ficais apresentam uma situação econômico-financeira mais favorável do que empresas que não usufruem de tais incentivos. A conclusão do estudo é que incentivos fiscais e indicadores econômico-financeiros de empresas brasileiras não financeiros têm forte relação.

Palavras-chave


Incentivos Fiscais, Indicadores Econômico-financeiros, Empresas Brasileiras

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/2446-9513.2019v6i2p63-86

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-9513

 

INDEXADORES