DA EUFORIA AO RETROCESSO: O COMPORTAMENTO DO EMPREGO FORMAL NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE

Guilherme Caldas de Souza Campos, Jacqueline Aslan Souen

Resumo


Nos anos 1990, o mercado de trabalho brasileiro passou por um processo de desestruturação, com profundas consequências para a sociedade brasileira. Esta conjuntura, caracterizada pelos altos níveis de desemprego e de informalidade, só começou a ser modificada com a ascensão de um governo comprometido com os interesses dos trabalhadores, associada ao crescimento econômico que se iniciou no Brasil com o ciclo internacional das commodities, no início dos anos 2000. Esta situação resultou em um fenômeno novo para o mercado de trabalho: o forte crescimento do emprego formal e da renda do trabalho, juntamente com retração das outras posições na ocupação, o que foi um dos pilares da transformação social ocorrida no país durante este período. Nos últimos anos, no entanto, uma profunda crise econômica, política e institucional reverteu as condições favoráveis que possibilitaram este avanço, apontando para a reversão da estruturação do mercado de trabalho que havia sido verificada no período anterior. Este artigo faz um breve panorama da evolução do emprego formal no período considerado e analisa o retrocesso do mercado de trabalho nos últimos anos utilizando as informações da PME e da nova PNAD contínua, de modo a apontar para os condicionantes e consequências da recente crise econômica.

Palavras-chave


Emprego formal, Crescimento econômico, Inclusão social, Mercado de trabalho

Texto completo:

Artigo 3

Referências


BALTAR, P. E. A. Emprego, políticas de emprego e política econômica no Brasil. Escritório da OIT no Brasil. Brasília: OIT, 2010.

BALTAR, P. E. A.; SANTOS, A. L.; KREIN, J. D.; LEONE, E.; PRONI, M. W.; MORETTO, J. A.; MAIA, A. G. & SALAS, C. Trabalho no governo Lula; uma reflexão sobre a recente experiência brasileira. Global Labour University Working Papers. Paper nº 9, maio de 2010.

BARBOSA, N. & SOUZA, J. B. P. de. A inflexão do governo Lula: política econômica, crescimento e distribuição de renda. In: SADER, E. & GARCIA, M. A. (Orgs.) Brasil entre o passado e o futuro. São Paulo: Boitempo e Ed. Fundação Perseu Abramo, 2010.

CARDOSO Jr., J. C. De volta para o futuro? As Fontes de recuperação do emprego formal no Brasil e as condições para a sua sustentabilidade temporal. Texto para discussão nº1310. Brasília: IPEA, 2007.

CARDOSO JR, J. C. & HAMASAKI, C. S. Padrões de desenvolvimento, mercado de trabalho e proteção social: a experiência brasileira entre as décadas liberal (1990) e desenvolvimentista (2000). Texto para Discussão 2021. IPEA, Brasília, dezembro de 2014.

CASTRO, J. A. de. Política Social, distribuição de renda e crescimento econômico. In: FONSECA, A. & FAGNANI, E. (Orgs.). Políticas Sociais, desenvolvimento e cidadania. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, vol. 1, 2013.

DIEESE. A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, 2012.

DEDECCA, C. S.; LOPREATO, F. L. C. Brasil: perspectivas do crescimento e desafios do mercado de trabalho. Textos para Discussão nº225. Campinas: Instituto de Economia UNICAMP, 2013.

FERREIRA, A. N.; PORTILHO, L.; GORAYEB, D. S. O mercado de trabalho brasileiro no pós-crise: uma recuperação com fragilidades. In: NOVAIS, L. F.; CAGNIN, R. F.; BIASOTO JR, G. (orgs). A economia brasileira no contexto da crise global. FUNDAP, São Paulo, 2014.

FUNDAP. Intervenções macroprudenciais no mercado de crédito e no mercado de câmbio. Conjuntura Econômica em Foco, Boletim de Economia [3], abr. 2011.

FUNDAP. Desempenho recente da atividade econômica no Brasil: há espaço para acelerar o crescimento? Conjuntura Econômica em Foco, Boletim de Economia [18], set. 2012.

IBGE. Indicadores IBGE: Contas Nacionais Trimestrais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Outubro/Dezembro 2011.

KREIN, J. D.; SANTOS, A. L. A formalização do trabalho: crescimento econômico e efeitos da política laboral no Brasil. Nueva Sociedad 239 (especial em português), junho de 2012, ISSN: 0251-3552, www.nuso.org

KREIN, J. D.; SANTOS, A. L.; NUNES, B. T. Trabalho no Governo Lula: avanços e contradições. Texto para Discussão. 201. Campinas: Instituto de Economia da UNICAMP, fevereiro de 2012.

KREIN, J. D.; TEIXEIRA, M. O. As controvérsias das negociações coletivas nos anos 2000 no Brasil. In: OLIVEIRA, R. V.;BRIDI, M. A., et al. (Orgs.). O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. 1ª Edição. Belo Horizonte: Traço Fino, 2014. p. 401. (Trabalho & desigualdade, 18).

MEDEIROS, C. A. de. Inserção externa, crescimento e padrão de consumo na economia brasileira. Brasília: IPEA, 2015.

OIT. Brasil: Uma estratégia inovadora de crescimento com equidade. Escritório da Organização Internacional do Trabalho, Instituto Internacional de Estudos do Trabalho – Genebra: OIT, 2011.

OLIVEIRA, T. Trabalho e padrão de desenvolvimento: uma reflexão sobre a reconfiguração do mercado de trabalho brasileiro. 2014. (Tese de Doutorado). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas, SP.

SANTOS, Claudio H. M. Notas sobre as dinâmicas relacionadas do consumo das famílias, da formação bruta de capital fixo e das finanças públicas brasileiras no período 2004-2012. In: CORRÊA, Vanessa P. (Org). Padrão de acumulação e desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2013. P. 181-241.

SERRANO, F. & SUMMA, R. Demanda agregada e a desaceleração da economia brasileira de 2011 a 2014. Center for Economic and Policy Research (CEPR). Washington, DC. Agosto, 2015.

SOUZA CAMPOS, G. C. A evolução dos salários do emprego formal no Brasil (2003-2013). Revista da ABET (Online), v. 14, p. 220-240, 2015.

SOUZA CAMPOS, G. C. O Emprego Formal no Brasil dos anos 2000: Um estudo da Relação Anual de Informações Sociais (2003-2013). 2016 (Dissertação de Mestrado). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Campinas, SP.

SIMÃO, A. R. A. Sistema de vigilância e fiscalização do trabalho no Brasil: Efeitos sobre a expansão do Emprego formal no período 1999-2007. Boletim Mercado de Trabalho – Conjuntura e Análise, Brasília, v. 39, p. 19-26, 2009.

SOUEN, J. A. A política de salário mínimo no governo Lula. 2013. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas, SP.

IBGE. Indicadores IBGE: Contas Nacionais Trimestrais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Outubro/Dezembro 2011.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.