Modelos de crescimento econômico e o Novo Desenvolvimentismo

Autores

  • Rafael de Azevedo Ramires Leão CND-FGV

Palavras-chave:

modelos de crescimento, crescimento econômico, desenvolvimento econômico, novo desenvolvimentismo.

Resumo

A presente pesquisa buscou verificar entre três modelos de crescimento econômico, sendo estes o modelo de Solow, de Dixon-Thirlwall, e de Rowthorn-Dutt, quais são os mais compatíveis com a teoria Novo Desenvolvimentista. Para tal, a pesquisa se valeu da análise destes modelos, bem como dos comentários dos principais expoentes teóricos do Novo Desenvolvimentismo. Neste estudo pôde-se concluir que os modelos de Dixon-Thirlwall e Rowthorn-Dutt são compatíveis com o entendimento a respeito do processo de desenvolvimento econômico apresentado pela teoria novo desenvolvimentista, podendo ser usado para complemento das pesquisas nesta área, tanto de maneira teórica, quanto empírica.

Biografia do Autor

Rafael de Azevedo Ramires Leão, CND-FGV

Doutorando em Administração Pública e Governo pela EAESP-FGV, na linha de Transformações do Estado e Políticas Públicas. Mestre em Economia pela Universidade Panthéon Sorbonne/PUC-SP, Bacharel em Economia pela PUC-SP. Atuou como analista econômico em bancos de investimentos, agência classificadora de riscos e como Economista na Federação Brasileira de Bancos. Academicamente tem experiência na área de Economia, com ênfase em Crescimento e Desenvolvimento Econômico, Flutuações e Planejamento Econômico, atuando principalmente nos seguintes temas: Ciclos econômicos, Teoria Monetária, Macroeconomia e Economia Internacional.

Referências

Bresser-Pereira-Pereira, L. C. (2008). Desenvolvimento, crescimento e salários (No. 169). FGV/EESP-Escola de Economia de São Paulo, Getulio Vargas Foundation (Brazil).

Bresser-Pereira-Pereira, L. C. (2017). The economics and the political economy of new-developmentalism. Texto para Discussão São Paulo: FGV-EESP.

Bresser-Pereira-Pereira, L. C., Oreiro, J. L., & Marconi, N. (2016). Macroeconomia desenvolvimentista. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Dixon, R. and A.P. Thirlwall (1975) “A model of regional growth rate differences along Kaldorian lines,” Oxford Economic Papers, 27, 201-14

Domar, E. D. (1946). Capital expansion, rate of growth, and employment. Econometrica, Journal of the Econometric Society, 137-147.

Dutt, A. K. (1984). Stagnation, income distribution and monopoly power. Cambridge journal of Economics, 8(1), 25-40.

Harrod, R. F. (1939). An essay in dynamic theory. The economic journal, 49(193), 14-33.

Lucas, R.E. (1988) “On the mechanics of economic development,’ Journals of Monetary Economics, 22, 3-42

Oreiro, J. L. (1999). Progresso tecnológico, crescimento econômico e as diferenças internacionais nas taxas de crescimento da renda per capita. Uma crítica aos modelos neoclássicos de crescimento. Revista Economia e Sociedade, 12, 1-27.

Oreiro, J. L., Lemos, B. P., Missio, F. J., & Padilha, R. A. (2005). Qual a taxa potencial de crescimento da economia brasileira? Uma análise com base na calibragem de dois modelos tradicionais de crescimento econômico. Revista de Economia, 31(2).

Romer, P.M. (1986) “Increasing returns and long-run growth,” Journal of Political Economy, 94, 1002-37

Romer, P.M. (1990) “Endogenous technological change,” Journal of Political Economy, 98, S71-S103

Rowthorn, B. (1981). Demand, real wages and economic growth. North East London Polytechnic.

Setterfield, M. (2009). Neoclassical growth theory and heterodox growth theory: Opportunities for and obstacles to greater engagement.

Solow, R. M. (1956). A contribution to the theory of economic growth. The quarterly journal of economics, 70(1), 65-94.

Sredojević, D., Cvetanović, S., & Bošković, G. (2016). Technological changes in economic growth theory: Neoclassical, endogenous, and evolutionary-institutional approach. Economic Themes, 54(2), 177-194.

Thirlwall, A. P. (1979). The balance of payments constraint as an explanation of the international growth rate differences. PSL Quarterly Review, 32(128).

Bertella, M. A. (2007). Modelos de crescimento kaleckianos: uma apreciação. Revista de Economia Política, 209-220.

Santana, L. F. G. (2014). Inovação tecnológica no contexto pós-keynesiano.

Bhaduri, A., & Marglin, S. (1990). Unemployment and the real wage: the economic basis for contesting political ideologies. Cambridge journal of Economics, 14(4), 375-393.

Bresser-Pereira, L. C. (1975). O modelo de desenvolvimento de Kaldor. Revista Brasileira de Economia, 29(2), 51-68.

Lamonica, M. T. (2011). Modelos de crescimento induzido pela demanda compatível com restrição externa: a herança de Kaldor. Pesquisa & Debate. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política. ISSN 1806-9029, 22(2 (40)).

Britto, G., & Romero, J. P. (2011). Modelos kaldorianos de crescimento e suas extensões contemporâneas. UFMG/Cedeplar, Texto para discussão, (449).

Thirlwall, A. P., & Dixon, R. (1979). A model of export-led growth with a balance of payment constraint. In J. K. Bowers (Ed.), Inflation, development and integration. Essays in honour of A.J Brown. Leeds: Leeds University Press.

Thirlwall, A. P. (1979). The Balance of Payments Constraint as an Explanation of International Growth Rate Differences. Banca Nazionale del Lavoro Quarterly Review, 128(1), 45-53.

Downloads

Publicado

2020-08-20

Edição

Seção

Artigos