O combate à inflação como fator concentração de renda: um estudo da década de 2010.

Autores

Palavras-chave:

Regime de Metas de Inflação – Inflação de custos – Preços administrados – Conflito Distributivo

Resumo

O combate à inflação no Brasil nos últimos anos foi baseado no Regime de Metas de inflação e logrou êxito no controle inflacionário, reduzindo consideravelmente o nível de preços da economia brasileira nos últimos anos. Porém, a causa deste sucesso não se encontra na condução da política monetária, mas sim baseado num programa de austeridade que levou a uma piora da classe trabalhadora. O objetivo deste artigo é analisar os fatores que realmente contribuíram para a redução da inflação no período da austeridade.

Biografia do Autor

André Luis Campedelli, Universidade Paulista - UNIP

Professor Adjunto da UNIP, doutorando em Economia pelo IE-Unicamp, Mestre em Economia Política pelo PEPGEP da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Antônio Corrêa de Lacerda, PUC-SP

Professor do PEPGEP da PUC-SP, Doutor em Economia pelo IE-Unicamp.

Referências

AMITRANO, C.R. O modelo de crescimento da economia brasileira no período recente: condicionantes, características e limites. Política Econômica em Foco, Campinas, nº 7, p. 206-249, Nov 2005/Abr 2006.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Vários números. Disponível em <http://www.bcb.gov.br>.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Sistema Expectativas de Mercado, com informações até março de 2014. Série Perguntas Mais Frequentes. Brasília. Disponível em <http://www4.bcb.gov.br/pec/gci/port/focus/FAQ%2013-Expectativas%20de%20Mercado.pdf>.

BARRO, R.J.; GORDON, D.B. Rules, Discretion and Reputation in a Model of Monetary Policy. Journal of Monetary Economics, Chicago, v. 12, p. 101-121, 1983.

CAMPEDELLI, A.L. O Regime de Metas de Inflação no Brasil: um balanço do governo Dilma. Revista Nexos Econômicos, Salvador, v. 10, nº 2, p. 115-138, Jul/Dez 2016.

CAMPEDELLI, A.L.; SILVA, F.P. Análise da inflação brasileira: um estudo a partir de Kalecki e Keynes. 10º Encontro da AKB, Brasília/DF, Associação Keynesiana Brasileira, 2017.

CAMPEDELLI, A.L.; SILVA, F.P. Conflito distributivo e inflação: uma análise do caso brasileiro entre 2011-2016. XXIV Encontro Nacional de Economia Política, Vitória/ES, Sociedade Brasileira de Economia Política, 2018.

CINTRA, M.A.M. Suave Fracasso – A política macroeconômica brasileira entre 1999 e 2005. Revista Novos Estudos, São Paulo, v. 73, p. 39-55, Nov/2005.

DIEESE. Vários números. Disponível em <http://www.dieese.org.br>.

FERNANDEZ, R.N. et al. Assimetria no repasse da taxa de câmbio para a inflação: evidências para o Brasil. Revista Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 659, 682, Mar/2018.

FIGUEIREDO, F.M.R.; FERREIRA, T.P. Os preços administrados e a inflação no Brasil. Banco Central do Brasil: Trabalhos para Discussão, Brasilia, n. 59, 2002.

GIOVANNETTI, L.F.; CARVALHO, L. Distribuição de renda, mudança estrutural e inflação de serviços no Brasil. XLIII Encontro Nacional de Economia, Florianópolis/SC, Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia, 2015.

HALUSKA, G.; SUMMA, R.; LARA, F.M. Um modelo de distribuição de renda e inflação por conflito entre salários, lucro e renda de monopólio de serviços monitorados. Instituto de Economia da UFRJ, Rio de Janeiro, Texto para discussão nº 30, 2017.

IPEADATA. Vários números. Disponível em <http://www.ipeadata.gov.br>.

KALECKI, M. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

KYDLAND, F.E.; PRESCOTT, E.C. Rules Rather than Discretion: The Inconsistency of Optimal Plans. The Journal of Political Economy, Chicago, v. 85, nº 3, p. 473-492, Jun/1977.

LUCAS, R.E. Expectations and the Neutrality of Money. Journal of Economic Theory, Pittsburgh, v. 4, p. 103-124, 1972.

MENDONÇA, H.F. Metas para inflação e taxa de juros no Brasil: uma análise do efeito dos preços livres e administrados. Revista de Economia Política, v. 27, n. 3, Jul/Set 2007.

MODENESI, A.M. Regimes Monetários, Teoria e a Experiência do Real. Barueri: Manole, 2005.

MODENESI, A.M.; ALVES, C.C.P.; MARTINS, M. N. Mecanismo de transmissão da política monetária: a importância dos fatores microeconômicos. Revista OIKOS, v. 11, nº 2, p. 203-216, 2012.

ROGOFF, K. The Optimal Degree of Commitment to an Intermediate Monetary Target. Quarterly Journal of Economics, Cambridge, v. 100, nº 4, p. 1169-1189, Nov/1985.

SERRANO, F. Juros, câmbio e o sistema de metas de inflação. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 30, nº 1, p. 63-72, Jan/Mar 2010.

SICSÚ, J. Políticas Não-Monetárias de Controle da Inflação: uma proposta pós-keynesiana. Análise Econômica, Porto Alegre, ano 21, nº 39, Mar 2003.

SISTEMA IBGE DE RECUPERAÇÃO AUTOMÁTICA (SIDRA). Vários números. Disponível em <http://www.sidra.ibge.gov.br>.

STOCKL, M.; MOREIRA, R.R.; GIUBERTI, A.C. O impacto das commodities sobre a dinâmica da inflação no Brasil e o papel amortecedor do câmbio: evidências para o CRB Index e Índice de Commodities Brasil. Revista Nova Economia, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, Jan 2017.

SUMMA, R.F. Uma nota sobre a relação entre salário mínimo e inflação no Brasil a partir de um modelo de inflação de custo e conflito distributivo. Revista Economia e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 3, p. 733-756, Dez/2016.

SUMMA, R.; SANTOLIN, R. Um modelo alternativo ao Novo Consenso para economia aberta: evidências para a economia brasileira no período 1999-2014. Revista Econômica, Niterói, v. 18, n. 1, p. 1-31, Jun/2016.

WALSH, C.E. Optimal Contracts for Central Bankers. The American Economic Review, Pittsburgh, v. 85, nº 1, p. 150-167, Mar/1995.

Downloads

Publicado

2020-08-20

Edição

Seção

Artigos